Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

UM HOMEM E SUAS BOTAS

Diversas e diversas vezes eu me excito com o odor dos meus pés. Chego em casa depois de um dia inteiro na rua. Como esteve frio, saí de calças jeans compridas e então calcei qualquer meio mesmo, não precisavam estar alvas e limpas. Hoje usei um par de meias que estavam no cesto de roupas usadas. Elas estavam endurecidas e lembrei-me que havia secado a porra no meu corpo de uma punheta que bati na cama no começo da semana. Pude até planejar este momento.

Quando desdobrei as meias aproveitei cada partícula de sabor que se desprendia das fibras antes de calçá-las nos pés já suados de uma manhã de trabalhos em casa com chinelos de borracha. Quando escolhi meus sapatos não pus o conforto na frente do prazer - fiquei com uma bota de couro, solado grosso, cadarço de corda de algodão e arremate do tornozelo em lã. Agora ainda sinto o couro no ar.

Por todo o dia andei sentindo os pés bem aquecidos e suados dentro deste calçado. Sentia-os deslizarem e então colarem à meia e à sola.



Por todo o dia cruzei as pernas e com este movimento me deliciei com o perfume das minhas botas. Este é azedo, é animal, é madeira. Quando estive sá, no começo da tarde num banheiro público tranquei-me no reservado e depois de minutos observando do alto meus pés calçados pude sofrer com a ereção que predizia a satisfação que teria ao descalçar os pés. Sentei-me no vaso e cruzei as pernas e lentamente aproveitando cada círculo de aproximação cheguei o nariz às botas. As coxas naquela posição me comprimiam os testículos e o pau já não me cabia nas calças. Com uma mão eu o reprimia. O perfume me fazia delirar. Acho que passei o resto da tarde com o olfato afinado naquela fragrância e excitado com o desfecho.



Então cheguei em casa, desabotoei dois botões da camisa e me sentei em uma cadeira fincando o solado das botas no tapete. A contração das minhas pernas e a distensão dos músculos das minhas costas me permitiram relaxar depois de tanta ansiedade por aquele momento.



Desamarrei o laço do cadarço e soltei-o. Depois afrouxei e laciei o couro junto do tornozelo para permitir a retirada do sapato. A fragrância das meias já me punha em loucura. Sentia cada fatia do complexo cheiro como se fossem notas de uma canção que me conduzia a outro estado. Estava louco de tesão. Enfiava os dedos entre o couro e o algodão das meias. Era quente e úmido e o sabor destes dedos era a recompensa por um dia tão ansioso e de planos tão safados. Quando descalcei este pé despreocupei-me com o práprio e me atirei ao chão de quatro com o nariz enterrado na bota. Estava quente e doce e me inspirava ondas que contraiam todo o corpo com as golfadas da respiração. O pau que me escapava pela braguilha mas era comprimido pelo elástico das cuecas estava duro como rocha e babava outro tão suave e aromático licor... A meia estava ainda toda grudada ao pé e pude descolá-la rapidamente e ainda dispensei-a. Queria recolher todas as impressões que ela deixara naquele pé. Percorri-o todo com o nariz e o extremo dos lábios. Podia passar horas diferenciando os odores específicos de cada movimento imputado à carne de cada zona correspondente do pé. Guardei a língua para correr-me do maciço sob os dedos até a coroa de pelos sobre estes. O odor masculino, de madeira, tabaco e suor me punha louco junto do sabor azedo da pele delicada dos dedos calçados por todo o dia. Repeti o ritual de descalçar-me com o outro pé e quando me enterrei as narinas na nova bota, meti o pau dentro da outra e soquei tanto durante o transe que pude sentir-me esfolando-o, mas o prazer me retirava da terra e me punha no profundo do prazer. Podia sentir-me como que por todo o tempo preso, pequenino, entre um pé e uma bota. Deitei-me com as costas no chão e atolei-me as narinas numa das meias. O aroma nelas era menos agradável e mais violento. Deixei uma das botas ao lado da minha orelha e a outra meti sobre o caralho. Arremeti dentro dela com o tesão que sentia inebriado pela meia. Segurava a bota que comia tocando meus dedos em sua sola imunda. Socava uma punheta delineando um sapato ao redor do meu pau. Em instantes eu enchia o calçado de esperma violentamente. Contraia todo meu corpo, expelindo jatos de porra e forçando os pulmões a encherem-se de ar e este filtrado e impregnando-se em fétido betume com aquela meia no nariz. Ainda excitado, mas calmo e calculista, agora de quatro recolhia com a outra meia as colheradas de porra de dentro da bota. E chupei cada centímetro desta meia fundindo os sabores extasiantes do chulé e da porra que jorrava depois de três dias de descanso.



recebo críticas no [email protected]

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


contos eroticos a forcaGozaram na calcinha na cerca contosou hetero mas n resisti e chupei a rola gostosa contos eroticoscontos eróticos nerdscontos eroticos comi minha veiamimi apaixonei pelo novinho de pau grande contos gaycontos de meninas que adoram ser estrupadas por todos dà casaeu estava raspada contos de esposa acanhadaela tinha escondido dinheiro e chantajiei e comi elacontos eróticos irmazinhacontos eróticos viajando com mamaeSou casada mas bebi porro de outra cara contoscasada meu patrão me comprou e arrambou meu cú virgemConto de casada estrupada pelos pedreiros e gostandoincesto contos meu irmão românticover rapasea novos grizalhos pelados de pau durocontos eroticos de namorada fazendo sexo pelo celular com o namoradopai do meu amiguinho, conto gayMinha cona molhada relatosxxx conto mais babado do incestocontos eroticos beach park amigo contos de meninas que adoram ser estrupadas por todos dà casacontos eroticos encoxadamarido chupa rola do ricardao apos sua mulher dar o. cu pornodoido.commulhe vais boguete em bebudocontos mulher coloca silicone no peito e na bunda para ficar gostosacontos eroticos sequestroContos eroticos pai q criou a filha sozinha trepando cm a filinha virgemcontos eroticos meu sogro me pegou a forçacontos minha filha enrroscada na minha picacontos de meninas que adoram ser estrupadas por todos dà casaglore hole casado pegando gay contoswww.xconto.com/encestocontos sarro gostoso com meu genrochupando minha prima lebosco conto erotico Contos eróticos mae medrosacontos de incesto arrombaram meu cu com forçaconto anal viuva cavalonaver rapasea novos grizalhos pelados de pau duroconto erotico nenhum pelinhominha irma envagelica encestoContoseroticos mamae liberaFoderam gente contos tennscontos erótico foderam minha namoradaconto erotico com meu sogro peladocontos eroticos de escrava de madameContos eróticos Virgem estuprada com violenciaescravisando primo contos eroticossobrinho de caseteduro amchupando o clitoris da minha cunhadaMinha mae e minha irma se chuparam contoscoroa fundedo realidadecontos comendo a velhacasa dos contos marido pede para esposa por uma sainha bem curta e.provocaContos eroticos de safadas casadas q traicontos eroticos sou puta os preto me comeram no matoAiii primo mete contosmarido de marleni vendo ela transarcontos chupei e dei pro porteiroconto muro eroticocomo mama um pau o bofe reclamo que eu tava sucandoconto erotico safadesa no cinema com travesticonto erotico me comeram sem piedadeNovinha Bebi porra do meu amigo contocontos. minha irma casada é minha puta escravapornodoido garota pequenA seguanndo pau grandecontos eróticos de gay comi a bunda do amigo do meu irmãocontos comeu a amiga e o amigorelato erotico comendo casadaContos eroticos meu sogroconto erotico sodomizando a bucetacontos de menininhas sentando no colo de homenscontos eróticos de bebados e drogados gayscontos eroticos na fazenda com a mamaeconto enfermaria cheiro sexo intensoprofessor e aluna contoscontos eroticos minha esposinha e o inquilino velhogay de zorbinha enfiado no regoContos de tesao por uma mulher casadamenina brinca de papai e mamae conto eroticocontos de meninas que adoram ser estrupadas por todos dà casacontos exitantes de sexo na marrra delicioso historias reaisconto.erotico minha tia baiana velhacontos Rabuda com cheiro de bundacdzinha esposa corno contoconto eróticos a patinha da minha sograporno club conto eroticos de meninos gaysquero ler conto erotico c/ sobrinha virgemconto erotico com pai velho coroa grisalhorelato incesto chuva douradasentando na rola do meu pai contos. eróticosvideo porno gay escovando arola com pasta ate gozarMinha sobrinha pediu para eu dar um shortinho de lycra pa ela usa sem calsinha para mim contosso os melhores contos de gay sendo aronbado ate gozar pelo cúcontos eroticos brincando escondido infanciacontos minha mulher me traiu contoscontos eroticos meu amigo de trabalho e minha filhafilho tirando a calcinha da mãe . ...mas mesmoConto erotico de garotas transando com desconhecido