Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

CANOA DA BUCETA AO CU. É QUANDO A LÍNGUA...

Click to this video!

Canoa da buceta ao cu. É quando a língua passeia!



Então Jereba a botou de quatro, fez - lá empinar bem a bunda; e abrindo bem sua buceta com aquelas chupadeiras que mais pareciam dois files de alcatra, começou a usar a língua, acariciando seu clitáris, quando esse estava bem molhado, ia escorregando a língua até o cu. Jereba de joelhos por traz dela enfiava a cara dentro da bunda; seus movimentos com o pescoço eram de afirmação, dizia sim aquele ato maravilhoso. E como um ventríloquo, balançando a cabeça sim, sim, sim. Ela ia soltando devagar uns gemidos, dando sinal que estava gostando e que a coisa estava esquentando. Ela rebolava é pedia para jereba enfiar a cara dentro dela. Ele enfiando língua, nariz, lábios; e com a cara toda lambuzada ficava mais excitado.

E ficaram naquele remelexo por muito tempo. É chegada a hora, Jereba se levanta pede para ela empinar mais pouco. Jereba arregaça a cabeça do pau, aquela cabeça roxa e inchada, o pau robotizado, e a perfurou sem dá, adentrando a buceta e separando as chupadeiras carnudas. Ela gemeu como se sentisse um alivio; aquela piroca enorme estocando no fundo de sua xereca. Jereba agora, se movimentava no vai e vem bem devagar, sentia o saco bater-lhe o clitáris. Agarrou-a pela cintura bem forte, e colando melhor sua virilha na poupinha dela, batia-lhe com violência a púbis. A buceta já encharcada permitia a estocada ir mais fundo bem dentro. E os gemidos loucos a fez gozar varias vezes; o corpo dela desfalecia em espasmos. Mais jereba que agarrado a sua cintura não aliviava, e acelerava mais e mais o vai e vem. Ela gritava e pedia para enterrar aquela pica até o talo. O barulho que faziam devido essa posição, mais conhecida como cachorrinho, que ao longo do tempo foi sendo aperfeiçoada, e hoje podemos dizer que comer uma fêmea de quatro é um espetáculo a parte, para os apreciadores da foda selvagem.

Foi aí, depois de muito gozar, jereba retira seu pau inundado de dentro da buceta, e sem pestanejar, arregaça a cabeça de novo, empunhando na direção do cu. Ele vai empurrando lentamente; vai entrando a cabeça roxa e o pau vagarosamente, passando pelo cabresto e logo depois o corpo, as pregas do cu anatomicamente aconchegando o pau que já dentro se mexia. Sendo que de quatro a pica vai até o talo no cu, e ela que sem pudor permitia essa penetração e implorava que a pica estivesse definitivamente indo até o saco. Jereba alternava, em grandes estocadas no cu, indo até o talo, outras sá enfiando-lhe a cabeça roxa do pau, entre a glande e o cabresto. As vezes tirava a pica e enfiava-lhe de novo com violência. Ela chorava, a dor misturava-se com o prazer; há essa hora o cu já tinha se acostumado em ser açoitado, e num simples movimento ele pede para mudar de posição, curiosamente seus corpos já pareciam ter ensaiado essas trocas, e jereba deitou-se apontando o pau para o céu, ela em pé, por cima dele, abaixa devagar e espontaneamente, sentando delicadamente no pau. As pregas do cu mais uma vez aforecendo aconchego, aquela pica gigantesca com a cabeça roxa. Ela continuou sentando até desaparecer a pica dentro dela, rebolou um pouco para ajeitar mais, depois sentava e levantava, dando uma visão extraordinária da coisa; a pica ia lá dentro e saia um pouco, aí ela começou a acelerar o sentado indo e vindo incessantemente. A pica ia e vinha dentro dela com uma naturalidade, e ia arregaçando mais o cu. E em gemidos e palavras de incentivo, ela pedirá que arrebentasse aquele cu, que já tinha se rendido aquela pica que tanto o maltratava. Devido a aceleração dela, jereba sofrendo não aguentava mais, e num jato firme gozou dentro do cu, e a porra escorria-lhe pelo saco, pelo pau, jereba gemia dando graças aquele gozo violento e extasiático. Mais ela não parou, sentava e levantava encima do pau, até que ele amolecesse como acontece depois de uma gozada violenta. Ela sentiu que já tinha ido toda porra, estão lentamente, desacelerando devagar, devagar, parou, retirou o pau de dentro e começou a chupar a cabeça, agradecendo por ele ter enfiado aquela pica dentro dela. Sorrindo um para o outro, beijaram-se e abraçaram-se carinhosamente.



Ass, Lathea











VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


cache:GAEDmAeFVBUJ:okinawa-ufa.ru/m/conto_18319_fodendo-gostoso-minha-paciente.html Contos.encesto.relacha.maeconto de encesto a supresa de mamaeconto sentei no pau do meu tio com dez anosver conto erotico sob velhos etrupadoreconto.erotico.tia.sogra.cunhadavesti as roupas da minha mulher por curiosidade fui flagrado pelo vizinho e virei sua putinha gayContos eróticos arrombei a linda noiva santinha do meu vizinho ciumentopau na boca da namorada dpmulher sobe em cima da pica do manequimsocar pasta de dente na vagina aperta.contos eroticos ninfeta detalhadocontos eroticos mulher castiga o homem emagando o saco e dando soco no saco Contos minha sogra fas eu ser puta do sogro e tioscontos eróticos bumbum grande no ônibuscontos eroticos faxineiracuzinho da zildaCasada narra conto dando o cucontos calcinhacontos eróticos bebadacontos eróticos virei strip-teasexoxota toda ardida com a madeira dentroSou a boqueteirá da pica do vizinho contoseroticosMe comeuConto erotico novinha.pediu pra passar bromseadorContos eroticos forçada a dar para um.cavalo na fazendaConto eroticxo gozando na boca do paigayzinho passou rebolando na minha frente contoConto gay com cantonao resisti a buceta da minha maecontos travestis praiaContos eroticos meu sogroContos erotico menina de nove anos no bosqueContos filha fica de calcinha perto do paiMeu pai me comeu conto erotico gayo cu da morena saio sague de tanto fura porno doidocontos eróticos comi minha tiaestou sendo chantageada mas não posso contar meu marido quantos eróticosmulher faz strip antes de comecar zofiliaeu confesso mijoconto erotico incesto sonifero filhaconto minha tia so anda de calcinhaxvidio cu mas floxo e da peidimeu filho me encoxaram a noite bunduda,dona florinda so ela dona florinda vaginavideos porno pai afunda as tanga da filha virgemcalcinha pedreiros conto eróticosmeu amigo pediu pra eu comer sua namoradahomem conto heterocontos eróticos praia de nudismo dois idosos gays fudendo contoscontos eroticos mamando na novinha cheia de leite no riacho de biquinicontos de pura putaria entre pais e fcontos transex fudendo com entregador de pizzaconto minha madrasta me transformou em mulherFodi o cu e a cona da minha sogra e gozei muito na boca delaminha tia olhando meu pauminha iniciacao gay sendo a mulherzinha do negao contos pornocontos dei pro mulequinho de ruaconto erotico sou vaca leiteira eu gostomeu cu no formato da contosContos erotico ferias quentes cinco o retorno do titio pegadorcontos de coroa com novinhominha mulher para transar logo Ricardo que eu quero vercontos eróticos gays cu de bebado nao tem donofogosá taradacontos escravizada por chantagensbucetiha tihocontos eróticos frio inverno geladoconto erotico minha prima dedando meu pruquito a noitecontos eroticos de cdzinhaprima perguntou se eu era virgem