Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

CANOA DA BUCETA AO CU. É QUANDO A LÍNGUA...

Click to Download this video!

Canoa da buceta ao cu. É quando a língua passeia!



Então Jereba a botou de quatro, fez - lá empinar bem a bunda; e abrindo bem sua buceta com aquelas chupadeiras que mais pareciam dois files de alcatra, começou a usar a língua, acariciando seu clitáris, quando esse estava bem molhado, ia escorregando a língua até o cu. Jereba de joelhos por traz dela enfiava a cara dentro da bunda; seus movimentos com o pescoço eram de afirmação, dizia sim aquele ato maravilhoso. E como um ventríloquo, balançando a cabeça sim, sim, sim. Ela ia soltando devagar uns gemidos, dando sinal que estava gostando e que a coisa estava esquentando. Ela rebolava é pedia para jereba enfiar a cara dentro dela. Ele enfiando língua, nariz, lábios; e com a cara toda lambuzada ficava mais excitado.

E ficaram naquele remelexo por muito tempo. É chegada a hora, Jereba se levanta pede para ela empinar mais pouco. Jereba arregaça a cabeça do pau, aquela cabeça roxa e inchada, o pau robotizado, e a perfurou sem dá, adentrando a buceta e separando as chupadeiras carnudas. Ela gemeu como se sentisse um alivio; aquela piroca enorme estocando no fundo de sua xereca. Jereba agora, se movimentava no vai e vem bem devagar, sentia o saco bater-lhe o clitáris. Agarrou-a pela cintura bem forte, e colando melhor sua virilha na poupinha dela, batia-lhe com violência a púbis. A buceta já encharcada permitia a estocada ir mais fundo bem dentro. E os gemidos loucos a fez gozar varias vezes; o corpo dela desfalecia em espasmos. Mais jereba que agarrado a sua cintura não aliviava, e acelerava mais e mais o vai e vem. Ela gritava e pedia para enterrar aquela pica até o talo. O barulho que faziam devido essa posição, mais conhecida como cachorrinho, que ao longo do tempo foi sendo aperfeiçoada, e hoje podemos dizer que comer uma fêmea de quatro é um espetáculo a parte, para os apreciadores da foda selvagem.

Foi aí, depois de muito gozar, jereba retira seu pau inundado de dentro da buceta, e sem pestanejar, arregaça a cabeça de novo, empunhando na direção do cu. Ele vai empurrando lentamente; vai entrando a cabeça roxa e o pau vagarosamente, passando pelo cabresto e logo depois o corpo, as pregas do cu anatomicamente aconchegando o pau que já dentro se mexia. Sendo que de quatro a pica vai até o talo no cu, e ela que sem pudor permitia essa penetração e implorava que a pica estivesse definitivamente indo até o saco. Jereba alternava, em grandes estocadas no cu, indo até o talo, outras sá enfiando-lhe a cabeça roxa do pau, entre a glande e o cabresto. As vezes tirava a pica e enfiava-lhe de novo com violência. Ela chorava, a dor misturava-se com o prazer; há essa hora o cu já tinha se acostumado em ser açoitado, e num simples movimento ele pede para mudar de posição, curiosamente seus corpos já pareciam ter ensaiado essas trocas, e jereba deitou-se apontando o pau para o céu, ela em pé, por cima dele, abaixa devagar e espontaneamente, sentando delicadamente no pau. As pregas do cu mais uma vez aforecendo aconchego, aquela pica gigantesca com a cabeça roxa. Ela continuou sentando até desaparecer a pica dentro dela, rebolou um pouco para ajeitar mais, depois sentava e levantava, dando uma visão extraordinária da coisa; a pica ia lá dentro e saia um pouco, aí ela começou a acelerar o sentado indo e vindo incessantemente. A pica ia e vinha dentro dela com uma naturalidade, e ia arregaçando mais o cu. E em gemidos e palavras de incentivo, ela pedirá que arrebentasse aquele cu, que já tinha se rendido aquela pica que tanto o maltratava. Devido a aceleração dela, jereba sofrendo não aguentava mais, e num jato firme gozou dentro do cu, e a porra escorria-lhe pelo saco, pelo pau, jereba gemia dando graças aquele gozo violento e extasiático. Mais ela não parou, sentava e levantava encima do pau, até que ele amolecesse como acontece depois de uma gozada violenta. Ela sentiu que já tinha ido toda porra, estão lentamente, desacelerando devagar, devagar, parou, retirou o pau de dentro e começou a chupar a cabeça, agradecendo por ele ter enfiado aquela pica dentro dela. Sorrindo um para o outro, beijaram-se e abraçaram-se carinhosamente.



Ass, Lathea











VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


Casadoscontos-flagrei.metendoo con vpontadi pornocontos de sexo com sograContos erotico uma cadela para toda matilhaconto banho com tia olhandoconto erótico de casada que chegou em casa completamente arrombada e o marido percebeuxvideo porno gay amigos bateno punheta na casa abondonadaa primeira vez que comi meu amigomeu amigo travesti me comeu contosContos eróticos comi minha imagina sem camizinha e ela engravidoucontos eroticos meu sobrinhoconto erotico com o velho do asilovi minha mae e minha irma fudendo com um cavalo conto eroticocontos gay menino hormonio virou mulhercomendo minha irmã enquanto a minha mãe olha o Bingocontos eróticos de bebados e drogados gayscontos eróticos gay meu primo cumeu meu cu no sofaO amigo do meu namorado me comeuminha primeira transa lesbica com minha irmazinhadeixo minha esposa trabalhar num bar de mini saia contoconto erótico com foto titio me rasgouconto erotico flagrei minha mae dando pro meu irmaoENFERMEIRA  Meu amigo me convenceu eu deixa ele chupa no meu paucdzinha feminizadacontos eróticos mulecadaquero cadastra meu email no canto erotico de casais com mais de quarenta anossou corno choquei.conto eroticoporno tio roludo viaja dd onibus com sobrinhamulher da academia profissão encostando o pau nela contos eróticosdepois de mais de 20 anos casados minha esposa topoucontos pai ea mamae chuparao minha xoxotacontos eroticos gays orgia piscinapelanca contos eróticosContos eroticos familia sem preconceitoconto com cunhada chantagistaqueria comer meu anelzinhoContos erótico lesbico policial mulher Encoxador contosponogafico morena25 gotojacontos eroticos homem barbudo e peludo fudendo bucetacontos eroticos tia marta morena coroa tenho bunda grandecontos papai socou tudo no cu da filha ela se cagoumarido chupa seios quando está nervosocontos joguinhos com mamae 6 Menina q ta tezao encosta no irmao ddespistadoconto erotico mamãe sentando no meu colo no carro lotadocontos eroticos de incesto selvagemtrai meu marido na hora do futebol dos contosmarido realizando sonhos eroticos da esposaqueria que minha esposa me traísse contosrealizei meu sonho comi minha tia perdi a virgindade conto eroticocontos eróticos f****** a cunhadinha pequenininhaejaculando na cara porno contos er¨®ticosvou castigar seu cuzinhocontos eroticos pedindo pra ser cadelacontos eroticos violenciao filhinho do meu esposa contoshomem teve coragem e deu cu travesti contoscontos eroticos promessaContos eróticos pai torado a filhacontos eróticos minha filha tem o bocetaoO amigo do meu namorado me comeuMeu Rabo me fazcontos de cú de madrinhaanão transando com jamaismulheres cavalas de quarenta de bucenta inxada e grelo inormecontos minha tia me pediu favorminha cadelinha zoofilia contoscontoscontos de sexo gostosa deu pra mim na a baladaContos eróticos padrastoBom eu quero fuder arrombar minha bucetinha o q posso por nela de objetoscontos eroticos "foi me abrindo"contos eróticos coroa dando a bunda na casa de swingaposta video game conto eroticoconto comi cliente da minha mulhercontos eroticos de me fodram enquanto dormeconto erotico mulher sendo ordenhadaso loiros bundas lisinhas ecabelos grande gay novinhoscontos minha esposa me ensinou a ser cornovideis porno cim gueis com caucinhas no cu rebolando no pirocaocontos eroticos travesti sendo estrupadarelato erotico meu filho gosa nas calcinha minhascontos cunhada crentefoto de sexo conto eroticos da minha sobrinha pimentinha parti 1malhando bundundaporno gay cara com video game no rosto e o outro chega fode logocontos peituda loira provoca o pai de baby doll