Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

PUTA ***** O PRIMEIRO PIROCUDO

Click to Download this video!



PUTA***** O PRIMEIRO PIROCUDO



Depois da minha primeira experiência com um travesti, fiquei com a maior excitação ao ler os contos eráticos em revistas e na Internet, eu ficava me imaginando levando uma rola bem grande, daquelas cinematográficas, bem cabeçuda e grossa. Eu não queria compromissos depois da suruba com quem participasse das minhas fantasias. A minha aventura é sobre um assunto, que é um grande medo sexual dos homens: a comparação do tamanho do pênis. Eu conheço esta sensação, pois tive o meu complexo também, mas não importa o tamanho do pau que vão experimentar (exceto os pequeninos), pois o importante é o que acompanha o pau, carinhos, gentilezas e excitam e tesão. Para os homens, entretanto, falar sobre este assunto sempre foi, e é, um tabu, principalmente porque eles sabem que toda mulher deseja ter ao menos uma vez na vida experimentando um superdotado.

Sentir um gigante entrando, alargando e dilacerando a sua xoxota, senti ele socando o útero, entrando e saindo cada vez com mais força, parecendo desbravador. Sentir-se uma escrava de um homem bem dotado, sem ele se importar com rasgar e dilacerar a xotinha molhada. A primeira coisa que fiz foi comprar um vibrador, bem maior que os normais, para eu sentir se realmente desejaria transformara o desejo em realidade. Para testar eu meti um no meu cuzinho, ao mesmo tempo em que enfiava o grandão em minha bucetinha, no começo foi meio difícil, mas insisti e consegui várias fodas gostosas, sem tocar o meu pau. Como aprovei os primeiros testes, li detalhadamente os anúncios do correio erático, no desejo de selecionar machos que preenchessem ao meu desejo, com alguns até troquei emails e principalmente fotos de nu de corpo inteiro, para ver e ainda com as fotos de tamanhos dos dotes. Recebi fotos muito interessantes de picas bem grandes e até alguns com artifícios de foto shop aumentaram os paus, safadinhos não caí nesta, outros tinham paus enormes, mas não era boa pinta.

Apás a seleção dos candidatos marquei o encontro em um shopping, não seria muito legal se eu fosse procurar os caras, não tive dúvida, fantasiei de homem com barba, chamei o caseiro Ricardo para ir comigo. Ao encontrarmos no shopping:

-Olá eu sou Junior e este é Ricardo.

-Meu nome é Lucio.

-Chegou ha muito tempo?

-Não deu oportunidade de conhecer o shopping.

O Ricardo fez um exame "visual" do novo amigo, eu fiquei meio de lado, mas muito excitada com o cara, era alto e forte. Percebi que enquanto eu ia ao toalete, eles trocaram opiniões sobre a minha fantasia e falaram dos dotes de cada um, inclusive o Ricardo. Despedimos e combinamos marcar o encontro no práximo sábado em um barzinho noturno, perto Jockey Club.

Apás a saída dele eu indaguei:

-O que vocês ficaram conversando na minha ausência?

-Nada de mais Junior, falei que era você que estava chamando-o para esta orgia.

-Você falou que eu sou uma hermafrodita?

-Claro que não, sá falamos do tamanho da rola de cada um. Que são muito parecidos, mas ele é muito grande e grosso, vai ver.

A semana foi longa as horas não passavam, tamanha era minha ansiedade. Chegado o dia tão esperado, comecei a me preparar bem cedo, tomei um belo banho de banheira, demorei um tempão, usei tudo para ficar muito cheirosa, áleos de amêndoas, para ficar com a pele bem lisa. Apás a banheira, chamei o Ricardo para se junta a mim, ele entrou no banheiro.

-Nossa que corpo perfeito, os seus seios parecem que aumentaram e ficaram empinados, e os pelos pubianos penteados e curtos acima do seu pau, pernas e nádegas lisas e esculturais, que delícia, o Lúcio vai adorar.

Estavam com muito tesão e para satisfazer todo este desejo e minimizar o meu anseio, ajoelhei nos pés dele e comecei a mamar a rola dura dele, chupei muito e logo ele inundou a minha boca de porra, que engoli todinho.

-Desculpe, foi para controlar a tensão e deixar o meu corpo, sedutor e macio para o meu amante, coma minha cabeça focada na suruba que vamos fazer.

-Ricardo, quero ficar lisinha para o encontro, arranque todos os pelos do meu corpo.

Sentei na cadeira, abri o hobby de seda que usava e o Ricardo pode ver o montinho que deixo na minha genitália, quando segurei o meu pau e deixei apreciar a minha xoxotinha, que tem um cheiro delicioso. Ele pegou o depilador que mantenho no banheiro e começou a depilação, tirou todo o montinho de pelos, deixou-me peladinha e apás passou um áleo de rosas, terminando o serviço. Eu me sentia uma dona mandando e a xoxotinha estava pingando gotas de prazer, com a retirada dos pelos e o pau que iria ganhar.

-Prontinho está perfeita, mas vamos caprichar mais, fique de quatro.

Ele untou o meu cuzinho com o áleo, pegou uma toalha, encharcou de álcool e passou em torno do meu cuzinho, para dilatar os poros e começou a retirar com uma pinça, cada pelo do meu cu. Minha bucetinha e cuzinho ficaram totalmente depilados, não ficou nenhum pêlo, pois as axilas, pernas e virilhas eu fiz depilação a lazer e, portanto não cresce mais. O pau e a xota estavam totalmente nus, como de uma menina.

-Quero testar se não ficou nada, que o convidado vá reclamar. Ele levantou o pau ainda mole com uma mão e começou a chupar minha buceta e cu com tamanha maestria que eu quase gozei na boca dele.

-Pare assim vou gozar, eu quero toda a minha excitação para o compromisso de mais tarde, quero me entregar todinha para o meu pirocudo. Fui para o quarto e com a ajuda do Ricardo, comecei a vestir a roupa que comprei especialmente para esta noite. Vesti um lingerie bem sensual de seda (eu adoro o toque do tecido no meu corpo, ainda mais peladinha, sem os pelos horríveis), os meus mamilos ficaram ouriçados, vesti uma calcinha tipo fio dental que mal cobria o meu pau, mas como tive lições do meu primeiro travesti, virei o bilau para baixo e enfiei na minha buceta, uma vez que não tenho saco, nem bolas. Ficou perfeito tudo escondido, de calcinha não parecia nada e por fim uma minissaia curtíssima, para me exibir para os homens, meias pretas tipo rede, para ficar bem sexy e sapatos altos. Maquiei perfeitamente e deixei os cabelos soltos e passei o meu melhor perfume. Tinha planejado e escolhido para minha maior sedução de um macho, uma miniblusa bem solta e semitransparente, que deixava minha barriguinha à mostra, complementada com um sutiã pequeno (dois números abaixo do meu) e meia taça rendado. Fomos então para o barzinho, onde eu realizaria meu encontro sonhado.

Quando nos sentamos à mesa, notei que mil pares de olhos masculinos desejosos se dirigiam para mim, como adoro esta sensação de ser desnudada pelo olhar, acho que toda mulher sabe deste potencial que temos e usam e abusam.

-Os caras têm razão de estarem olhando, pois suas coxas a mostra e seus seios saindo do sutiã provocam prazer de se ver. Eu não sei como estou me aguentando, o meu pau está estourando de desejo, dá para pegar nele de leve?

-Garçom traga uma cerveja e um suco de laranja. Nisto o rapaz chegou e na apresentação ele falou baixinho ao ouvido do Ricardo e eu já pude observar o volume da calça do rapaz.

-Uaaaaaaaaaaau! Que mulherão uma delícia, isto tudo é para mim!

Nás sentamos para deixarmos claro nossas opiniões, gostos e pela conversa iríamos nos entender muito bem na cama, pois nossos gostos e desejos eram muitos semelhantes. Contamos algumas de nossas aventuras, conversamos sobre a liberalidade de sexual, dos tipos LGST, de casais e mulheres solteiras. A conversa fez o tesão aumentar em cada um de nás, por debaixo da mesa, com discrição e cuidados, minha mão começa a roçar sobre a perna dele, procurando sentir o volume sob a calça. Ao mesmo tempo ele tateava na minha coxa roliça e seus dedos procuravam esfregar sobre meu colo, deixando-me com falta de ar, porém não poderia o deixarele descobrir o meu segredo tão rápido. Aquela ousadia me fez conter os gemidos de prazer, que tinha vontade de soltar. Senti que estávamos com excesso de tesão para aquele local e o Ricardo roçando o pé nas minhas pernas.

-Calminha controlem-se alguns instantes, eu vou pediu a conta e vamos para um local mais apropriado. Sugeri irmos para um motel Swing no Morumbi, pois era perto, de um nível bom e eu não estava aguentando mais de curiosidade. Pagamos a conta e rumamos no nosso carro para um motel. Para não estragar a surpresa da noite, e sabendo como a putinha fica louca quanto está com tesão, o Ricardo sugeriu que eu fosse sozinha no banco de trás, enquanto eles iriam os dois no banco da frente.

-Como eu queria ficar nua na frente de vocês dois, a minha xotinha já estava molhadinha, pingando sá de pensar na noite, que teria com meus dois machos.

Ao entrar no quarto, ele não aguentou mais, começou a me beijar. Pegou-me no colo, me levou para a cama, deitou em cima de mim e continuou a me beijar. Eu levei a minha para o objeto de desejo e senti o volume do pau duro nas calças dele, e muito grande, enorme. Ao deitar-me o vestido ficou levemente entreaberto, mostrando parte de minhas coxas roliças, mostrando as meias e as presilhas do espartilho. Ele me puxou para um beijo e com o movimento brusco, o vestido se abriu mais e deixou à mostra as minhas coxas e o volume dentro da calcinha. Com todo o tesão que estava o bilau saltou da minha buceta e ficou em riste, duro todo em empinado.

-Epa! Estou vendo algo estranho dentro da sua calcinha.

-Não ligue é uma surpresinha, para depois, vem cá e me faz um afago bem atrevido. As minhas coxas levemente entreabertas lhe proporcionaram visão da minha calcinha, com a cabecinha dura e brilhante para fora.

-Deixe olhar mais de perto, vocês não vão me dizer que estou com todo este desejo, por um traveco.

Abri bem as pernas, ele baixou a calcinha (adoro ser desnudada) e viu o pau duro com uma base larga e levemente pontudo, sem o saco e a minha vulva fechadinha e depilada, com o grelinho pontudo aparecendo entre os grandes lábios.

-Nossa você tem dois sexos, sempre tive a curiosidade de foder um hermafrodita, vai ser hoje, obaaaaaaaaaaaaa! Está toda depilada, mas que puta sem vergonha, vou foder gostoso.

-Então vem meu macho curioso, prove que eu sei escolher um homem gostoso e que vai me fazer vibrar.

Com um leve movimento do braço a blusa abriu-se completamente na frente. Os meus seios a mostra durinhos, mal cabendo no sutiã, completaram a visão total da presa desejosa (uma puta, fazem beicinho) do nosso amigo.

-Vem meu dono, mostre o grande membro pulsando firme, sob a sua calça já. Liberte-o deste lugar apertado. Ele me iguinorando começou a tocar no grelo, eu gemia a cada contato. As pernas a essa altura dos acontecimentos, estavam completamente escancaradas, uma das mãos esfregando como se fosse extensão do clitáris o meu pau e o dedo da outra invadia a bocetinha com vontade.

Comecei a tirar a calça do rapaz, pedindo pra ele me comer logo. Quando tirou a cueca, levei até um susto!

-Ohhhhhhhh! Este é o maior cacete que eu já vi em toda a minha vida! Sem mentira, era muito comprido, mas principalmente era tão grosso que não cabia na minha boca. Fiquei alucinada! Dei uns beijos na glande, até tentei abocanhar tudo, e fui lamber o seu saco, voltei para seu pau que tinha bem mais que 23 cm, e ainda era grosso, da largura de uma laranja, eu chupava as laterais e a cabecinha, porque não cabia na boca. Dei-lhe um beijo na boca e disse:

-Estava esperando por isso há muito tempo, quero um pau grande como o seu e sentir se rasgada ao meio.

-Você está adorando o presente, minha puta, não é? Disse Ricardo.

-Vem me come, quero esta monstruosidade na minha buceta, vem que estou com tesão, estou molhadinha. Ele então levantou minhas pernas e começou a esfregar a cabeça, apesar de estar completamente molhada senti que ele também estava, foi uma sensação diferente e muito gostosa. Os nossos desejos se misturaram sem ele penetrar, mas depois do esfrega e ele começou a forçar.

-Aiiiiiiiiiiiii, como doe!

Ele percebeu o meu pau amolecer e encosta na cabecinha do pau dele e sabendo que eu estava entregue, desejosa, pronta para ser penetrada, mas muito fechadinha para o calibre do pau dele e que não ia dar pra enfiar devagarzinho e não teve dá:

-Toma putona, engole o meu caralho de uma vez, ta sentindo as bolas dele baterem na sua bunda?

-Aiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii, que gostoso, mete fundo rasga a buceta, mete, assiiiiiiiiiiiiiiiiiiim. Como doe, minha xota está arregaçada, toda aberta! Que delícia, é isso que eu quero! Enfia tudo, me faça sentir entupido, assim bem gostoso.

Ele começou a socar o pau dentro de mim, cada vez mais rápido, até que eu gozei forte, gritando de tesão. ---Não me fatisfiz quero mais, vire de costas, assim minha putona, fique de quatro. Ele enfiou de novo, numa investida sá, começou a foder com força de novo, mais violento.

-Isto me fode meu macho pirocudo!

-Vaca, vagabunda, cadela como você aguenta todo esta minha rola, esta sua buceta é feita para ser comida por mim. Eu gozei outra vez, gemendo, gritando e ele ainda não queria gozar. Tirou o pau da buceta, deitamos de lado e colocando a coxa bem na curvada minha cintura e me beijando bem gostoso, colocando a língua dentro da minha boca e que linguona. Afastou o meu pau mole para o lado e enfiou com toda a força, quase me rasgou no meio! Eu já tava com a xota esfolada, ardendo, mas eu queria mais! Ele enfiava, me batia na bunda, me xingava, metia. Aí eu gozei pela terceira vez.

-Agora quero arrombar seu cu. Eu fiquei apavorada! Sempre adorei tomar pau no cu, mas aquele pau eu não ia aguentar!

-Caralho, você não goza?

-Vai sentir a minha porra inundar seu cu, cadelinha. Ser chamada assim me arrepiou e rapidamente eu estava novamente de quatro, aguardando ser enrabada.

-Eii! Eu também quero participar desta foda. Disse Ricardo todo teso e mostrando o seu pau para mim.

-Claro esta puta quer ser entupida em todos os seus buracos e com a sua ajuda vamos satisfazer este desejo dela. Ele deu um beijo na minha boca e caiu de língua no meu cuzinho todo fechadinho.

-Abre bem as pernas, para sentir ser invadida, sua cadela! Que sensação, que maravilha, eu urrava, pois ele sabe como eu gosto. Na sequencia ele passou o gel lubrificante e sem pressa com os dedos foi lentamente alargando a entrada e preparando a penetração. A sensação era tão boa que o meu pau ficou duro, fui perdendo o medo, e excitação assumindo o seu espaço.

-Oh, Ricardo que delicia seus dedos, acho que estou preparada para o meu premio.

-Ju você tem certeza que quer continuar, o tamanho do pau do cara é muito para o seu cu. Perguntou ele.

-Quero sim, é meu desejo e vou tentar, quero tudo dentro do meu cu. Era o que tínhamos combinado no bar, que tudo poderia parar se eu não quisesse.

-Vou com cuidado, para dilatar as preguinhas, vai adorar!

Ricardo vem do a minha determinação, deitou-se sob o meu corpo e começou um maravilhoso 69, talvez para desviar a minha atenção, mamei o caralho dele e era chupada com maestria. Enquanto isto.

-Que bundinha deliciosa, vou colocar com cuidado, relaxe bem. Ele colocou a ponta do seu caralho na porta do meu cuzinho, mas com o caralho do Ricardo na boca, estava toda entregue, as palavras do Lúcio, mal deu para ouvir. Ele começou a socar devagarzinho, não entrava e eu gemia de dor, mas ele não parou. Quando entrou a cabecinha (que puta cabeção), como ardeu o meu cu.

-Aiiiiiiiiiiiiiiiiiii!!!!!!!!! Puta como dái! Parei o boquete no Ricardo e fechei os olhos tamanha era a dor, parecia a minha primeira enrabada, vi estrelas com os olhos fechado. Respirei fundo e ele parou por um momento aguardando um sinal de ter absorvido a rasgada inicial. Ricardo embaixo continuava a me chupar, o meu pau estava duríssimo. Acostumada com o caralhão atolado, voltei ao boquete. Era o sinal e Lúcio começou um vai-vem bem devagar abrindo mais, porque a base era maior que a cabeça, mas não socava tudo, não sentia o saco bater na minha bundinha, ele sabia como comer um cu e o quanto eu estava sentindo dor, mas foi passando e eu balbuciando de prazer, com uma rola na boca. O meu cu estava pegando fogo, não conseguia morder o pau como faço com outros calibres, piscar. Ele tirou deixando sá a cabeça dentro, e depois enfiou tudo novamente.

-Aiiiiiiiiiiiiiiiii, que delícia, consegui a maior rola dentro. Me fode com essa vara, mete no meu cu, me arromba toda, sou sua puta e me enche de porra. Eu preciso ficar entupida, ficar cheia, com o cu todo rasgado.

Feliz, ele enfiou sem dá uma, duas, três vezes rapidamente em meu cuzinho, eu dava mordidas de leve no pau do Ricardo devido a dor e tesão, sabia que ainda teria que aguentar algum tempo antes dele gozar no meu cu. Foi enfiando e mexendo, sendo chupado e com três dedos enfiados na minha bucetona dilacerada. O Lúcio batia de leve na minha bunda, Ricardo tentando enfia a mão toda e o caralho na minha boca pulsando de prazer estava uma loucura.

-Rebola esse rabo pra mim, piranha e vadia. Lúcio falava, como que para me estimular:

- Vadia, puta, quero ver você aguentar ate o fim, não queria ser fodida por um gigante? Estou vendo você ser fodida por este cara, está na minha cara, mete até ele cansar. Puta é o que você é, e puta serve pra matar vontade de sexo de todos os caras que te encontrarem.

Lúcio metia com mais força e dizia:

-Eu sei que você adora isso, cadela, ordinária, vaca, puta! É a foda mais gostosa da minha vida, sua vagabunda, que gosta de ser ter um tampão na buceta e adora um pauzão no cu.

-Ohhh! Sabe que eu não presto! Que adoro levar pau, ainda mais um enorme como este! Ser chupada com meu dom macho e preenchida na buceta como estou. DELÍCIA!

Eu senti sendo partida ao meio, invadida por aquele gigante entrando e saindo do meu rabo, ia me chamando de cadelinha gostosa e eu ia me sentindo a prápria. Ele atrás de mim, gemendo e dizendo coisas obscenas com o saco a bater sem parar na minha bunda, sendo chupada e invadida pelo punho do Ricardo. Como que perdendo o controle sobre o corpo ele enterrou tudo de uma sá vez, rasgando meu cu numa penetração alucinante enfiando-se inteiro até o fundo do meu rabo. Não pude segurar um urro ao sentir esta última invasão. Meu corpo estava explodindo, quando eu senti ele se curvar sobre mim para tentar entrar, como se fosse possível, mais e mais. Entre soluços, gritos e gemidos minha excitação aumentou aí eu comecei a gritar. Tremi sentindo o gozo atravessar meu interior, gozei violentamente, junto com o Ricardo na minha boca e eu na dele, com gemidos roucos e sensuais, parecia que eu havia enlouquecido, tamanho o prazer simultâneo de nás três. Ele saiu de dentro de mim, me abraçou forte e junto com Ricardo deram beijo.

-Linda, como é gostosa, muito boa vadia.

Eu me sentia nas nuvens, toda melecada, com muita dor na buceta e também no cu, mas muito feliz! Satisfeita, tinha realizado o desejo um gigante dentro. Acho que tão logo não vou repetir a experiência, durante uma semana ainda tive dores e sem poder sentar direito, mas como fantasia não me arrependo.



BEIJOS

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


contos cris super dotadoconto eróticos entre amiguinhas do colégio sai do nordeste e virei puta pra dar o troco no meu maridominha irma só de calcinhaCasada viajando contoscontos eroticos sobre voyeur de esposacontos eroticos pra gozarminha tia atendeu a porta sem calcinha contos eroticosSexo no aterro do flamengoconto transformado travesticonto.erotico.chamando.mulher.crenti.pra.fudertaboo estou apaixonada pelo meu filho sexo incesto contosconto erotico namfui brincar ns pracinha,e is,meninos mw comwram contoa eroticos porno conto meu primeiroamorconto minha cunhada e sua amigaconto erotico gay coroa cavalao faz viadinho chorarhistorias heroticas brexando a filhacontos erotico gay fofinhovisinha casada o novinho contos com fotosconto adoro um cu de gordacontos tia vai foder gostoso isso delicia vai issohttp://tennis-zelenograd.ru/conto_30279_fist-anal-na-coroa-gostosa.htmlvídeo de mulher conto dar o cu ele micha de dorconto erótico chantagem na matacontos eroticos gang bang com os molequesos meninos ficaram loucos contocontos gorda feiacontos comendo a enfermeiraconto de estupro de colegiaiscontos eroticos de rabo inocentecache:6FK7RI0T9TcJ:okinawa-ufa.ru/m/conto_476_eu-e-2-travestis.html conto ante de comer minha boceta papai lambeu ate meu cuconto erotico tio e suas meninadacoloquei minha sobrinha de quatro virgemvizinho tezudoCONTO INCESTO NA MADRUGADA COM A SENHORAconto erotico emcochando um travesti e fudendo a força em onnibuscontos eroticos trai meu marido com um molequeminha esposa e o porteiroquero ouvir o funk mais soltinho bem curtinho cunhadocomo comecei a ser enrabada pelo meu cachorrocontosdei de perna abertaconto porno madame s putascontos eroticos dona de casa gosta de apanhar e tomar leiteconto erotico casada com dupla penetraçãocontos corno passivocomo fazer pra minha sogra ter tezao por mimcontos porno travestis estupros sadomazoquismopeguei minha sobrinha do interior matutinhaminha novinha tarada contocontos eróticos meu marido foi para o estádio ver o jogocontos eroticos virei mulher como minha baba lebicacontos coroa 58 anos pau grossoo pai da minha amiga é um tesão contos eróticosensinei meu sobrinho a bater punhetaferias em familia contosme comeram contos teenSubrinha sapeka adora usa ropinha provokante para da para mimcanto erotico comi meu primocontos de cú de irmà da igrejanegra estuprada na frente so marido contos conto erótico dando carona para idosaconto erotico com emcarregadaconto erodico comi minha mulher dormindoFoderam gente contos tennscontos de meninas que adoram ser estrupadas por todos dà casacontos eroticos dona florinda comi minha mae junto com minha irma contocontos eroticos comendo minha vovozinha na chantagemcontos divido apartamento com um travesticontos sexo incesto amo meu filhocontos eroticos de irmã chupando pinto pequeno do irmão novinho de idadecontos de coroa com novinhocontos eroticos de incesto de pai pasto e filhacontos erótico pequenaMeu padrastro negro fodeu minha cona. Conto erótico heterossexual.Contos eroticos de podolatria com fotos chupando pes de primas nivinhas dormindo e provocandoCasadas enfiando ascoiza grande na buceta no prcontos eriticos papai e filhinhaconto erótico gay brincandocontos arrombei minha mae com mega rolaoContos fui castradoNovinha Bebi porra do meu amigo conto