Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

AMANTE DO CEMITÉRIO

Click to Download this video!

AMANTE DO CEMITÉRIO



Sempre tive vontade e curiosidade de dar o cú em um cemitério, e satisfiz essa fantasia. Tudo começou em janeiro de 2009. Estava fazendo um lanche ás 5 da manhã apás beber bastante numa balada e na porta da lanchonete sou abordado por um cara negro claro, de 28 anos, 1,75 de altura, corpinho normal, vestido social, pouquinho mais novo que eu, bonito, simpático e sorridente, e muito sacana. Descaradamente falou que queria me comer e que me desejava a anos. Lembrei também dele, de uns 8 anos atrás, quando ficávamos naquelas filas intermináveis nos bancos e ele puxando conversa comigo, mas eu era muito bobo e introvertido e não ia pros finalmente. Vamos ao que interessa: Saímos da lanchonete e fomos para atrás da igreja. Ele me pediu 19 reais e eu dei. O dia tava prestes a amanhecer. Ele tirou aquela pistola morena clara, grande, grossa, cheia de pintas e aparada pra fora e mandou eu chupar. Obedeci e chupei gostoso, com vontade a pistola daquele cara que reaparece depois de 8 anos na minha vida, e que sempre desejei, inda mais sendo afro-descendente que eu adoro dar. Ele falou que eu chupava muito gostoso, forçando o pau contra a minha cara e me virou e falou: “Dá a sua bunda pra mim que eu quero meter nela”! Abaixei minha calça e empinei minha bunda e ele meteu e doeu, eu falei pra ele ir devagar mas ele não obedeceu e começou a meter gostoso, elogiando minha bunda. Como o dia tava amanhecendo e o varredor de rua apontou na rua, resolvemos parar e cada um ir pra sua casa.

Nos encontramos na rua depois de uma semana e conversamos mais calmamente. Ele estava no horário de trabalho, é autônomo, chefe e estava fazendo serviço de banco. Me chamou para eu dar uma volta e fomos a pé e ele conduzindo. Perguntei aonde iríamos trepar às três da tarde e naquele solão, e ele me respondeu falando que estávamos chegando. Entrou à direita de uma rua movimentada do centro, na capela do cemitério da cidade, que estava lotada: dois velários ocorrendo. Não achei a idéia dele muito boa, estava muito cheio os velários, encontrei pessoas conhecidas lá e não estava entendendo nada, mas revolvi ficar calado e ver no que ia dar. Vi que ele era uma pessoa bem conhecida e comunicativa, perguntando quem tinha morrido e por quê, e logo apás constatou que conhecia um dos cadáveres que estavam sendo velados em cômodos diferentes. Ele conversando comigo, me chamando respeitosamente de Professor e me apresentando para todos. Achei aquilo o máximo, pois o cara é casado e apesar deu ser discreto, muitos sabem que eu sou viado. Ele agiu com naturalidade e cara de pau rsrsrsrsr.Me chamou para ver os defuntos nos caixões e como gosto de ver defundo, adorei a idéia.Eram de duas pessoas idosas, um homem e uma mulher, normais, sem marcas de sofrimento ou de feiúra. Depois de 40 minutos que estávamos no velário, ele falou: “O enterro é daqui a meia hora.Vamo subir, quero comer seu cuzinho e depois voltamos. Falei que sim morrendo de rir e nervoso, pois cemitério é um lugar muito pesado. O cemitério de nossa cidade é muito grande e localiza-se na subida íngreme, ocupando um pasto inteiro. Fomos subindo, passamos pelo cruzeiro do cemitério, observamos as várias velas acesas lá, muitas entortadas e queimando muito esquisitamente (em intenção à almas e espíritos sem luz, sofredores, ou que morreram esquisitamente neste mundo e que necessitam de muita oração) e velas coloridas de macumbas de todos os tipos, imagens de santo com a cabeça quebrada eou de cabeça pra baixo, santinhos de candidatos a cargos políticos espalhados e alguns com velas brancas em cima queimando, enfim, um arsenal de coisas esquisitas e misteriosas.Em alguns pontos do cemitério macumbas, despachos com velas, cigarros e bebidas, e eu adorando aquilo tudo, apesar de estar um pouco desconfortado em trepar num lugar que eu deveria ter muito respeito e por estar ali para trepar entre as catatumbas rsrsrsrsr. Fomos subindo num sol quente e num calor infernal e quando estávamos mais no alto do cemitério, fomos adentrando à esquerda procurando um lugar tranquilo para transar e fomos pra última fileira de sepultura, entre uma sepultura alta e a cerca. Do outro da cerca, mato e árvores altas nos cobriam.Ideal o lugar! Ficamos sá de olho nos coveiros, vendo se tinha um por perto (um dia um deles viu a gente trepando de longe, mas não falou nada, e meu parceiro disse que ele gostava de dar a bunda também) e ele foi logo pegando e apertando a minha bunda e tirando o pau pra fora e mandando eu chupar. Perguntei se tava limpo (o cara era limpinnho) e ele falou que tava e me xingou falando que eu tava demorando a chupar. Caí de boca naquele pau de 21 cm, grosso, cabeçudo, gostoso de chupar e ele dando tapão forte na minha cabeça e metendo na minha boca e me chamando de bicha gostosa. Pedi a ele para parar de bater na minha cabeça eu não curtia aquilo. Ele parou e continuou fodendo a minha boca até eu engasgar e ter uma crise de tosse em cima do pau dele e ele nem aí e gritando: Chupa viadinho, bichinha. Tomei meu fôlego e caprichei na mamada e ele: “Desgraçado, sê chupa muito gostoso, vai ter que me chupar e dar todo dia”, e falou: “Vira a bunda pra mim”. Abaixei minha calça e ele me pegou no braço e me virou com certa violência, baixou a minha cueca e ficou me encoxando e começou a morder as minhas costas e a dar tapas fortes na minha bunda: “ta, ta” e apertava e eu gemendo quase gritando, e ele mordendo as minhas costas e eu “Ai, ai, ai morde vai, ai, morde cara, morde, ta doeno”. Ele gritou: “Abaixa e empina seu rabo”. Obedeci e ele foi forçando aquela pistola gostosa no meu cú que tava piscano pedindo o pau dele. Coloquei a camisinha com dificuldade (tava duro e era muito grande) e ele enfiou de uma vez sá, Eu gemi de dor e pedi pra ele ir devagar e parar um pouco, pois tava doendo muito, e eu até recuei. Ele apertou a minha cintura contra a sua, deitou em cima das minhas costas e começou a bombar forte e eu : “Ta doendo, devagar, to sentindo dor”. Ele falou: “Sente a pressão desse pauzão bonito meu no seu cú!”, e bombando forte lá no fundo do meu cú. Comecei a dar ré no quibão dele, rebolando, e ele gemendo: ‘delícia de bunda, que cú gostoso sê tem cara, que delícia professor” (adorei o professor). No auge do tesão vimos adiante, a uma distância de 50 metros à direita da gente o enterro subindo, e muita gente. Abaixamos e ficamos escondidos por trás do túmulo, esperando o enterro subir mas ele parou e para nossa surpresa, o defundo ia ser enterrado perto de nás, quatro fileiras acima, a +- 40 metros de lado. Ficamos quietinhos, agachados, nos desengatamos e eu perguntei o que a gente faria agora e ele me respondeu: “Fica quieto, agora a gente tem descer rente a cerca e abaixados por trás dos túmulos e em silêncio, mas vamo esperar todo mundo subir e parar e ficar de costas pra cá, que a gente desce”. Ele tirou a camisinha do pau e mandou eu chupar ele e assim eu fiz, e ele meio que agachado e eu chupando e ele se punhetando mandando eu gozar rápido, e eu mamando gostoso nele, num baita tesão.Pedi a ele pra gozar no meu rego e ele concordou, me virou de costas e gozou no meio na minha bunda, senti aqueles jatos de porra e acabei gozando na frente, gemendo numa punheta gostosa. Ele ficou passando o pau melado na entrada do meu cuzinho e mandou eu subir as calças pra gente descer. Olhamos com cuidado, a barra tava mais limpa e descemos e quando estávamos mais abaixo no cemitério e longe do enterro, fomos indo pela lateral até pegarmos o passeio no centro. Ele ainda voltou ao outro velário que ainda estava acontecendo, ficamos mais 19 minutos e ele consolando uma mulher e eu achando tudo átimo, com o meu rego todo melecado de porra e o pau ainda duro, e ele conversando comigo, me chamando de professor e me apresentando pra todo mundo.

Sempre que nos encontramos na rua e eu estou de bobeira (de tarde é minha folga) ele me chama e vamos pra algum velário, disfarçamos, e vamos trepar gostoso entre as catatumbas rsrsrsrs ele sempre social e conversando com todo mundo que conhece e que não conhece. Certo sábado eu estava muito estressado e fatigado, com baita tédio e o encontrei na rua e sempre que vamos, tem um velário acontecendo. Um cara havia sido esfaqueado com 40 facadas e a gente tava no velário dele, sem conhecê-lo, e ele perguntando o que tinha ocorrido e tal, e conversando com todo mundo, me servindo cafezinho, água, no maior respeito, e a gente curioso com o assassinato rsrsrsrsr é cômico, o sábado estava chato e triste pra mim mas a tarde ficou interessantíssima: Eu e ele num velário de um rapaz que foi assassinado com 40 facadas, e a gente depois passeando pelo cemitério, num dia nublado e frio de sábado, olhando os túmulos e ele me explicando do que o fulano, o ciclano tinha morrido rsrsrsrs e depois ficamos trepando gostoso até o sol se esconder, e bateu um medão ne mim e nele e fomos embora, saímos, tomamos uma cerveja e depois cada um foi pra sua casa: ele pra mulher dele e eu pra minha casa, onde tomei aquele banho de higiente e de sal grosso!! Trepar no cemitério é bom demais, mas tomem cuidado de limparem o corpo com descarrego. Ele me pede trocados e eu dou com prazer o dinheiro e o meu cú pra ele!!! Hoje mesmo fomos!!! Abraços!!!

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


conto erotico gay viciei na porracontos eroticos comendo a funcionaria novata casada da lojacontos minha mulher colocou bolinhas no meu cuconto erotico vi a rolacontos erótico comadre desmaiou conto veridico realizadoConto acho que minha mulher deu pra outro chegou em casa com a buceta machucadacontos er tioúltimo contos anal de sobrinhacontos eroticos mulher violada enfrente do maridocontos eroticos de velhos iperdotados comendo mulheres casadasirma com irmao da rola enorme contos eroticoscontons eriticos sobre estrupoquando era pequena mamava na pica do meu tiocontos mamae scatcontos tia com fome de picaesposa torcendo de biquini em casa conto eroticocontos de cornos okinawan gélico pornôSou gay e tranzei com um travest contos eroticocontobucetavirgemminha irma uma pretinh que adora trepa comigo pornoconto tres maxo me comerano pau do meu marido nunca tinha feito minha buceta sangra eu não sabia que minha buceta ainda era virgem eu tava sozinho em casa com o amigo do meu marido ele no meu quarto ele começou a fuder minha buceta que sangro eu disse pra ele você me fez eu ser mulher você tirou minha virgindade da minha buceta conto eróticomeu tio safado gosta de mim ver de vestidinho curto pornostrip poker contoContos eroticos de podolatria com fotos chupando pes de primas dormindocontos eroticos escritos lesbicos me dar melzinho.anal duplo com travestis conto eroticoseduzindo o colega hétero parte 2relato fuderao minha buceta quando dormiaesposa perdeu a aposta contosFoto pirocudo rasgando bucetinhacontos pornos passando gel aquece na bucetaConto comseguir comer a patroacontos tia de 57 anosconto erotico sou vaca leiteira eu gostovídeo pornô a mãe dela tava de biquini o genro só dava a sograconto flagrado com a calcinha enrolada no pauContos eróticos gay homem enfiou cu pivetinhoconto erotico enfiou vela acesa na minha bucetaMeu cunhado me fodeu forsado contocasetes longo machuca a xoxota da mulher pornopôrno pima maveliaMulher negra fodendo com o sogro contosfudi cm tds na praia contossentei na rola do padrinho contos eróticosContos eroticos com cunhadasconto erotico pulando o muro comendo o cu da vizinhaConto comeu minha esposa e eu não percebiContos erotico suruba com meninas pequenas e vigemscontos eroticos comendo a helena empregadamalandrao dando o cuzinho pra boy malhado contocontoseroticosdeincesto/irmaoeirmaestrupadapormaniacoconto sou casadinha e adoro que negros metam no meu cuconto erotico peguei meu marido trepando cõm minha irma na camacontos reais/viciei minha priminha pros amigoscontos de siririca de mulher acima dos 60 anosirmãzinha nascendo peitinho contos eróticosconto erotico gay com chefe velho coroa grisalhocontos trai meu maridoconto erotico emprestando a noivacontos eroticos meu avô me obrigou a chupar elecontos eroticos chupando a pica do meu filhopeguei carona com caminhoneiro conto sexocontos eroticos mamae me da o cu sem docontos eroticos o ventoconto erótconto lesbicscontos eroticos gay fui enrrabado apanhei e gosei com um desconhecidomae coroa mechama pra viaga com ela e durmo com ela insexto gostosa pornosentou no meu colo conto eroticocontos eroticos sogra de 65anosMEU CORNOEU QUERO ESSA PICA TODA DENTRO DE MIM, SEM CAMISINHA QUERO SENTIR ELA GOZANDO BEM NO FUNDOmaisexo vidio de zoofilia com travestissapata velha greluda e ninfetaminha namorada me trai contos eróticossou casada e gozeino pau do meu genro sem camisinhacontos lesb ralar a xanameu pai me arregasou todacontos eroticoc de senhoras casada se vingando dando o cu pra negoesesposa contando para o marido que ele é corno e que seu amante vai fuder ela na frente do corno e ainda chama uma namorada travesti para fuder com ela e depois vai transformar o corno no maior viadocontos erotico farmaceutico macho negao fodendo gaycontos eroticos o consertador de maquina de lavar comeu minha mulherConto erótico mãe filha cachorraGabriel de Jesus vídeo pornô de novinha virgemMeu nome é dado (apelidio),tenho 35 anos e minha esposa mara tem 32 anos.Somos simpaticos ,com caracteristicas bem Brasileira .contos eróticos Fortalezacontos casadas malandrasporno gey contos heroticos pegando novinhocontos porno velhoContos eroticos... Toda gostosuracontos eróticos morando com filhoconto erotico minha mulher no assaltoPuta desde novinha contoscontos eroticos domia ele cospi nu meu cucontos elas gostam de chupar e punhetaela sentava no meu meu colo e adorava contos eroticoscontos eroticos assistiu escondidoencesto mae envagelica