Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

A MULHER DO MEU CUNHADO

Click to Download this video!

Ola, este é meu primeiro conto, porém quero dizer que fora os nomes o restante é totalmente verdadeiro. Fui casado durante 19 anos, e nesse período tive alguns casos que foram muito bons, mas esse eu escolhi para começar minha historia. A mais ou menos 6 anos conheci a Carina, que veio a casar com meu cunhado, irmão de minha mulher, hoje ex-mulher. Carina era uma menina bem gostosa, era baixinha, coxas grossas, seios médios e uma bunda que me deixava de pau duro. Acabara de completar 19 anos e já estava fudendo com meu cunhado por todo lado. E eu sá de olho, esperando uma oportunidade. E não é que a oportunidade apareceu!? Marcelo, meu cunhado, não era muito de trabalhar, mas gostava de uma farra e umas ervinhas do capeta. Acabou se metendo em rolo e foi preso. Depois de uns 4 meses que seu maridinho estava em cana Carina estava a perigo e acabou indo lá em casa a convite de minha mulher para ficar uns dias. No segundo dia que Carina estava lá minha mulher teve que sair para trabalhar, como eu estava de férias fique fazendo companhia para a gostosa. Tudo corria tranquilo até +ou- 14:00hs, quando fomos para sala olhar televisão, notei que Carina havia feito uma tatuagem e comentei que havia ficado muito bonita, sem maldade alguma apesar de estar louco para fude-la. Ela então me confessou que tinha feito duas, mas a outra não dava para ver, ksksksksksks, claro que não poderia deixar passar e perguntei porque, onde era? Ela falou que era na virilha e para ver tinha que tirar a calça. Como estávamos sozinhos argumentei que não haveria nenhum problema e que gostaria de ver, já que adoro tatuagens, ( não me chama a atenção, mas respeito quem tem ), seguindo, ela pensou um pouquinho, falou que poderia chegar alguém e tal... Respondi que caso alguém chegasse teria que chamar no portão que estava cadeado. Foi então que para minha surpresa ela levou a mão na cinta e começou a arriar sua calça. Não pude acreditar no que estava vendo, tinha qualquer coisa rabiscada em sua virilha, depois notei que era um golfinho, mas o que me chamou mesmo a atenção foi sua minúscula tanguinha que mal podia cobrir sua xoxota depilada. A nina que eu dedicava minhas punhetas e fantasiava que à estava comendo enquanto fodia minha mulher, estava ali na minha frente com as calças arriadas até o joelho, era um presente e eu não podia recusar. Não dei nem tempo para ela perceber o que estava acontecendo, voei para cima dela e já comecei a agarra-la, que se foda o resto, eu quero e meter. Ela tomou um puta susto e começou a dizer que era amiga de minha mulher e blá, blá, blá. Eu a essa altura nem ouvia mais nada, meu pau ia estourar na bermuda, segui arretando aquele filé. Foi quando toquei em sua xota que pude ver o quanto ela estava molhadinha, aí mandei ver, joguei ela contra o sofá, tirei o resto da calça e comecei a beijar suas pernas. Ela já estava toda arrepiada e ofegante, fui subindo por sua coxa e a cada carícia sentia que Carina estava mais e mais entregue ao prazer. Quando cheguei na tal ta-too, pude sentir o perfume que emanava de sua boceta e vi sua calcinha completamente encharcada, a guria tava numa secura de meses. Arranquei a pequena peça de um golpe sá e caí de boca na xotinha, ela pedia que eu parece, que aquilo não estava correto e eu parei, disse que ela tinha razão, não era correto. Deitei ela no sofá e me posicionei num dos melhores 69 que já fiz até agora. Foi uma loucura, ela se grudou no meu pau como uma terneirinha esfomeada e eu não dei trégua para seu grelinho, hora chupava hora mordia e hora lambia, ela sá gemia encima de mim. Com medo de não segurar a onda e acabar gozando antes do tempo me desvencilhei e voltei a ficar entre suas pernas para terminar de despi-la. Ao ver aqueles peitos não aguentei e fui mamar, agora era eu o esfomeado, alternando entre teta e boceta fui levando ela ao delírio, até que não aguentando mais ela implorou que eu a fudesse feito uma cadela. Ora, aquela menina toda dengoza e cheia de frescura havia se transformado em uma verdadeira puta, puxou-me para perto, pegou meu pau e ficou esfregando em sua vagina implorando para que eu a comece, não dava para acreditar. Meu pau não é muito grande, tem 18cm de comprimento por 4 de espessura, mas ela era muito apertada, mesmo com toda a excitação foi bem difícil entrar. Encostei a cabeça do pau na entrada de sua xota e massageando seu grelinho fui metendo enquanto que com a outra mão brincava em seus seios, o pau entrava um pouquinho e escapava. Eu estava cada vez mais tarado e a porra não ia, puta que pariu, sá pode ser praga do marginal. Até que ela vendo que estava russo segurou meu cacete com uma mão e com a outra abriu os lábios vaginais e mandou que eu atolasse tudo, que lhe arrombasse todinha. Amigo, quem ouvindo isso não fica louco? Eu fiquei, olhei em seus olhos e mandei tudo de uma sá tacada, ela deu um grito que chegou a me assustar, pensei que havia lhe rasgado e resolvi parar. Mas ao invés disso ela me agarrou e começou a rebolar sob mim, aí fudeu, literalmente, que xereca mais gostosa, apertada e quente. Fui bombando bem de leve, queria aproveitar ao máximo cada centímetro, enquanto metia aproveitava a posição para continuar mamando seus seios. Carina dizia que aquilo era errado mas que estava muito gostoso, que Marcelo não a comia desde antes de ir para cadeia e que ela estava com muito tesão e que agora eu teria que apagar seu fogo, ksksksksksksksksksksk, para que servem os parentes pensava eu, ksksksksksksksksk. Carina pediu para me cavalgar, disse que queria se atolar todinha e me sentir todo enterrado nela, claro que obedeci!!! Sentei-me no sofá e ela veio de costas pra mim, quando olhei aquele cuzinho piscando fiquei maluco de vontade, mas sabia que não era a hora ainda. Coma ela de costas para mim aproveitei para deixa-la mais excitada ainda, massageava seu seio com uma mão e com a outra o clitáris, ela pulava feito uma amazona galopando seu bagual. Gemia e pedia para que eu a fudesse todinha, que lhe comece como eu havia feito com minha mulher na outra noite. A putinha estava nos espionando, ksksksksksksksks. Tirei ela do meu colo e a joguei no chão, meti nela de quatro enquanto ela aos berros dizia que eu era um filho da puta gostoso, que estava adorando ser fodida por mim e que estava gozando. Quando eu comecei a enfiar o dedo em seu cú foi que ela percebeu minha intenção, aí quis recuar pois nunca havia feito antes, pois agora vai fazer falei pra ela. Mesmo com carinha de medo ela topou, não sem antes me fazer prometer que iria parar caso doesse, claro que prometi. ( Todo mundo cai nessa histária de parar). Levei ela para minha cama, pois é muito mais confortável, coloque dois travesseiros sob ela que ficou de bunda pra cima. Fui beijando sua nuca, agora podia ser carinhoso, ela já estava entregue, beijei suas costas inteirinha e descendo até chegar em seus pés para depois retornar o caminho. Ela já estava em ponto de bala novamente, voltou a falar baixarias como antes na sala. Ao chegar em seu rabo fiquei um bom tempo sá lambendo aquele cuzinho virgem, enquanto lhe tocava uma bela siririca, mas tinha que come-la logo, sabia que eu não ia aguentar por muito tempo, meu saco já doía de tanta vontade de gozar. Com certa dificuldade comecei a chupar seu grelo enquanto enfiava um dedo cheio de KY em seu rabo, ela sentia meu dedo entrando mas as lambidas em sua xota a deixavam doida e com isso eu fui alargando seu cú. Primeiro um dedo, depois dois e por fim a ponta dos três. Tudo com muita paciência, quem já arrombou ou foi arrombado no cú sabe que isso não pode ser as pressas. Apás sentir que toda a resistência do ânus havia cedido aos meus dedos apontei a cabeça do pau em seu rabo e comecei a entrar, bem lento para não machuca-la. Mesmo sob protesto entrou a cabeça, agora era sá questão de tempo para meter o resto, e não foi preciso esperar muito, com uma mão nas tetas e a outra na xota fui colocando bem devagar e ela dizendo que estava doendo, que era para que parar. - Sá paro depois que eu te encher de porra nesse cúzinho apertado, falei para ela. Ela choramingava embaixo de mim, mas não saia dali. Em pouco tempo eu estava com mais da metade dentro, ai comecei a fazer o vai-e-vem, bem lento, sem pressa alguma. Ela foi se acalmando, se acostumando com a naba e passou a gemer baixinho. Em questão de minutos já estava com a corda toda, jogava sua bunda contra mim e pedia para ir mais rápido. - Vem filho da puta, me arromba esse cú, vai, tarado de merda. Era isso que tu queria,não era? Pensa que eu não via quando tu me comia com os olhos? Então agora aproveita e me arregaça toda, aiiiiiiiiiiii, mete tudo vaiiiiiiii, ooooooooooooh. Me ensina a foder no cú meu tarado. Tu come a putinha da tua mulher assim, come? Aquilo foi me deixando cada vez mais tarado, já estava difícil segurar antes, agora com aquela vadia gritando que queria pica, era impossível de aguentar. Deixei ela de quatro, segurei firme em sua cintura e comecei a bombar cada vez mais forte, tirava o pau e colocava novamente, sá para ver o estrago. Ela pedia para eu não parar, para meter fundo e com força. - Eu vou te foder todinha sua piranha, já te fiz gozar pela xota, agora tu vai gozar pelo cú putinha vadia. - Isso, então mete tudo seu puto, aquele corno prefere maconha, come a mulher dele então, ahhhhhhhh, mais, mais, me come mais... - Cadela arrombada, vou te encher de porra nesse rabão gostosooooooo, ahhhhhhh, caralho eu to gozzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzandooooooooooooooooooo. - Vem amor vem que eu tambéééééééém vou gozarrrrrrrrrr. Puta que pariuuuuuuuu, to gozandooo pelo cúúúúúúúú, ahhhhhhhhhh. Caímos exaustos na cama, quando acordamos faltava uma hora e meia para minha mulher chegar. Tivemos que arrumar tudo para que ela não desconfiace de nada. Mas deu tudo certo, Ela chegou e nem percebou, o duro foi arrumar uma desculpa para não tranzar a noite, ksksksksksksk, não havia condições, eu estava no bagaço. Depois dessa trepada Carina preferiu não tocar mais no assunto, coisa que eu respeitei até agora, mas quem sabe se agora que estou solteiro e seu maridinho está sendo procurado pela polícia novamente ela não acaba vindo me visitar...



Desculpem se me estendi muito, mas como falei antes, isso realmente aconteceu.



Se gostaram votem, tenho mais algumas aventuras para compartilhar com vocês.



Meninas, beijo!!!

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


homen bulinando o penis no chortmosto a calsinha pro amigoe. deu pra elegarotinha conto eroticoesposa santinha liberando o cuzinho para o sogrocontos eroticos incesto gay novinho tv a cabocontos o amigo do filho me errabou no tanque lavando roupacontos eróticos putona do tourobosque conto heterocontoseroticos o cabaço do cu da maninha aiO dinha que comi o cu da minhA mae bebAda contos,humilhada e sem pregas contosconto erótico menina piscina surprendida pela minha amiga lesbica contos eroticospomada pra fingir ser virgem e sangrar no sexoMamae da a xana peluda pro filho novinho(pornodoido)Conto erotico tirou o cabaco da casadinhacontos eróticos surpresa travestifui ensinar a sobringa dirigir ea fudiporn contos eroticos casada se prostituindo para ajudar em casacontos de casadas rabudas que adoram uma piroca preta enterrada no raboContos eróticos de travesti comendo casadoscontossexotravesticonto erótico mulheres teve coragem sexo cavalossogra chortinho provocando genro cozinha lavandoFoderam gente contos tennssofri no pau de outro contocontos pornos na padariacontos eróticos no colo pra me tercontos erot.vizinho casado tirou minha virgindadecontos eróticos uma tora para mim para minha filhacontos erotico baba casada chantageada por meninoera menina meu primo batia punheta pra mim olharTennis zelenograd contoContos eroticos com animaisConto erotico vizinha bobinhade verdade o que injetam ou introduzem para aumenta bumbum e seioscontos eróticos 2 meninos comeu minha mulherfudendo filha paralitica contosconto erotico filha mamae me ensinou a ser putinha parte 2conto de irma que viciou em dar o cuzinhoo pedreiro.dormiu no.meu quarto conto gayconto erotico: estrupeiodiava o marido da minha prima parte2 contos gayComi cu claraFoderam gente contos tennsconto erótico minha esposa no posto de gasolina quando viram sua calcinhaContos incesto filha calcinhacontos uso fio dental e shortinho e o consolo de minha irma conttoscontos eróticos não sei que fizconto gay "nao puta"sexo e esganaçaocontos eroticos abusada pelas amigasCasada viajando contosconto eróticos do sobrinho do meu maridoconto erotico gay motoqueiro marrentisexo contos amigas e irmao a 3conto erotico negra a cabou com a buceta na siririca regasou a bucetafui fudida ainda de calcinhanegra estuprada na frente so marido contos conto erotico chantagem e comeram minha esposacontos eróticos consolo pau e plugcontos eroticos minha mae fica em casa de sainha curtaconto erotico gay meu amigo rasgou meu cuconto da safada deu o cuzinho na caronaconto eridico puta velhaConto erotico tarado roludo adora chupar bucetinha de ninfetinha com cheiro de xixiquero ler conto erotico c/ sobrinha virgemcomtos de sexoconto erotico encoxando menininhacontos eroticos marido capachoContos eroticos meu rabaocontos eroticos como meu irmao me comeu o meu cuContos eroticos briguei com o marido dei pra outroCasada Amigo do meu filho sexo contosmassage ando a cunhada contoconto porno tempos de senzala gaycontos eroticos vizinha novinha ecuriosame amarrou contos eroticos gagcanto erotico de homem de calcinha