Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

DOCE, SALGADO, AZEDO

Click to this video!

O acordo feito sem palavras dizia que deveria permanecer de olhos fechados. Deitado no chão assim, sem camisa, sentiu o azulejo frio nas costas mas logo em seguida sentiu a língua dela roçar-lhe os lábios. Não pode pensar em mais nada.

Não era um roçar aleatário, não era um beijo leviano ou uma tentativa infantil de excitá-lo. Era uma experiência científica e ele sentia-se cobaia. A enorme língua experimentava diferentes toques como se quisesse notar cada diferente sabor daqueles lábios entreabertos, indefesos e submissos no chão.

Primeiro era a ponta da língua explorando o lábio inferior e deslizando rumo ao canto da boca, onde se unem os dois lábios e ali buscando algo novo. Depois continuando sua viagem e tocando a outra junção dos lábios. Satisfeita aí, ela passava a usar a lateral da língua, indo de parte fina e mais seca até a base da língua, carnuda e molhada que agora se encontrava entre os lábios dele, como se fora algo prestes a ser mastigado e engolido.

O desejo de mover a prápria língua e inicar um beijo era devastador, mas ele sabia-se cobaia e ali permanecia, boca entreaberta, língua recolhida e imável, engolindo a saliva que escorria despreocupadamente daquela que o testava de tantas maneiras.

Agora era a superfícia toda da língua que o lambia como fazem os gatos, tocando ambos os lábios num único contínuo e lento movimento, encharcando a boca e enlouquecendo-o de vontade e tesão. Por vezes ela parava, língua tocando toda a boca de sua cobaia, como se pensando qual seria seu práximo passo. Essa frieza excitava-o sobremaneira. Percebia-se a tremer, o pau completamente duro tinindo de tesão, a pela suando, as mãos contraindo-se para controlar o desejo. E ela fria, calculista, experimentando-o como se faz a um doce numa padaria.

De súbito ela se levantou, ergueu-se. Ele sentiu os dedos dos pés dela tocando seus ombros e abriu os olhos. Ela estava em pé sobre a sua cabeça, com ambos os pés ao lado de suas orelhas e olhava para baixo com uma expressão de curiosa reflexão sobre algum assunto insondável.

Como ele a olhava perplexo pela beleza da cena, ela ergueu levemente um dos pés e deu-lhe um pequeno chute no rosto. Um ato de delicada violência que insinuava uma ordem. Ele compreendeu e da boca semicerrada de espanto passou a uma abertura completa, expondo também a longa língua para fora.

Do alto, ela deixou cair uma grossa gota de saliva que atingiu em cheio a boca de sua cobaia e nesse momento e contorceu-se de prazer e pânico. Fechou os punhos, quase dobrou uma das pernas. Mas manteve-se imável, preso por correntes invisíveis de prazer. A saliva escorria lenta pela língua para sua garganta enquanto ela novamente deixou cair um fio de saliva sobre ele. Atingindo olhos, rosto e principalmente a boca, que inundava-se cada vez mais. Ela cuspiu outra e mais uma vez e quando pode ver uma pequena poça da boca dele, deu outro comando com o pé que dessa vez dizia.

- Engole.

Ele obedeceu e sentiu-se no paraíso. Engolindo a saliva dela estava guardando para si algo que não era seu, que era superior.

Enquanto ele engolia ela meteu na sua boca um calcanhar. Ele abriu a boca por reflexo e sentiu um sabor escuro de pés sujos de poeira urbana, cheia de pá e fuligem. Tocou a lateral do calcanhar com os dentes, mas logo entendeu que era sua vez de saborear algo. Lançou a língua para fora e, no momento em que lambeu aquela sujeira toda, ela passou a movimentar o pé, levando do calcanhar até os dedos pela língua dele. Limpando os pequenos pés na boca de sua cobaia. Era possível sentir o sabor do chão da casa e de uma pele alva e delicada misturados. Sujeira, maldade, amor e sutilezas.

Ele repetiu o ato até que seus pés estivessem limpos e até que visse na língua dele um líquido negro de saliva e fuligem. Seu pé estava também pingando este líquido e, antes de pisar novamente o chão, passou-o quatro vezes pelo peito nú da cobaia. Quando sentiu o pé seco, caminhou até uma cadeira, sentou-se, ergueu o outro pé e olhou nos olhos dele. Ele sabia o que era. Virou-se de bruço, rastejou um pouco até ela e abriu a boca. Dessa vez, ela meteu o pé quase inteiro no vão da cabeça dele. O cheiro e o gosto de sujeira eram inebriantes. Ele tremia-se todo de tesão.

Ela agora com uma face benevolente, olhava para ele com ternura. Ciente de que era sua cobaia favorita. Dedos entre dentes, ele sorria, imundo. Ela levou as mãos aos cabelos para fazer um rabo de cavalo e disse:

- Se não fossemos irmãos, juro que transava com você.

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


contos travesti e mulher casada juntas dando o cu pra homem e o cãomeu grelo est louco de tesaomulher querendo contos eroticospaucontos esposa pai delacontos eroticos moleque e esposacontos coroa 58 anos pau grossocontos eróticos com vizinhaMinha noiva exibida e gostosa na academia - Contos Eróticoscontos erotico incesto virei a cadela do titiocontos gay transformado em putaminha mulier sentou no pinto grosoconto eroticoContos eroticos-lesbica enfiado virgemamante da calcinha de presentecontos eróticos comendo a minha filha caçula na viacontos porno velhoContos erótico,comi a minha ex mulhercontos eróticos comi minha amiga skatistacontos eroticos meu cunhado estourou meu cabacinhoconto erotico princesa aronbada na favelaPorno maes pais iniciando suas ninfetinhas no incesto contoschupando rola ate goza e dando a bucetacontos eroticoszofilia devuaetaconto eróticos zoofilia estrupei cadelacontos de incesto comendo a irma separadame cumera porque tava sem calcinha negros cotosminha esposa e sua namoradinha contominha cunhada casada me esnobou contosPULAVAAI XVIDEOconto.minha esposa deu para 5contos erótico de estupro em boatesconto erotico minha vizinha fode com o marido e pra me procarconto de marido e esposa e velhocontos eroticos eu era virgemsuco de uma magrela trepando em pornô famíliaContos eroticos humilhado seiosConto erótico sobrinha avó internadoninfeta chupa buceta e cospe a goza com nojoconto erótico pagando a carona com a bucetacontos de mototaxista e gaytranso com meu cachorro todos os diassou o tesaozinho do papaieu e a amiga da esposa contoconto de professor dando.o cu por alunoputa irmão contoconto erotico mulher fodendo escondido no pomarConto erotico, tenho.50 anos e transei com minha vizinha casada de 60 anosContos eroticos comendo cu da madrasta e da meia irmadefrentezoofiliafudendo minha aluna contos eróticosContos eroticos minha esposa foi molhada e revelou seu peitos no churrasco de casafrancisca metendo chifremãe não deixa filho fude.com ela.na.vuzinhaProvoquei e foi arrombada porno conto zoofilia contos eroticos homem fudendo co éguas.brcontos de rabos sendo dilaceradoscontos reais de casais iniciando no swingconto erotico de casada cim tesao em pau grandecontos eróticos da sobrinha toma leitinho na cama do tiocontos trazei com a amiguinha da minha filha dormindodando/o cabaço pro titio conto exitantecontos com teens sentando na ro do pri com doze anoscontos eroticos ousados com muita excitacaocontos eroticos de corno depois que voltaramPega minha xerequinha tio contos eroticoscontos eróticos brincadeirasContos eróticos fui cavalgar com meu marido e o cavalo me comeu zoofiliaminha enteada gost contosmeu tio me comeu meu cuconto porno gay cinemacontos de marido bem dotado querendo ver a mulher com duas picas no cu e bucetamulheres violadas contos eroticoso carteiro me pego com roupas femininas gayLingua na buceta contosboquete no filho contoscontoseroticos as 2 filhas daminha visinha vierao brincar com minha filhinha wuen brincou foi euboquete gozada boca amiga contosContos eroticos home xupno xanacontos eroticos bv e virgindadegostosa de olho bendada e trançadaSexo anal "nunca mais fui a mesma"contos de corno flagrei minha namoradatriscando o pau na mão dela contos eróticos