Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

DOCE, SALGADO, AZEDO

Click to this video!

O acordo feito sem palavras dizia que deveria permanecer de olhos fechados. Deitado no chão assim, sem camisa, sentiu o azulejo frio nas costas mas logo em seguida sentiu a língua dela roçar-lhe os lábios. Não pode pensar em mais nada.

Não era um roçar aleatário, não era um beijo leviano ou uma tentativa infantil de excitá-lo. Era uma experiência científica e ele sentia-se cobaia. A enorme língua experimentava diferentes toques como se quisesse notar cada diferente sabor daqueles lábios entreabertos, indefesos e submissos no chão.

Primeiro era a ponta da língua explorando o lábio inferior e deslizando rumo ao canto da boca, onde se unem os dois lábios e ali buscando algo novo. Depois continuando sua viagem e tocando a outra junção dos lábios. Satisfeita aí, ela passava a usar a lateral da língua, indo de parte fina e mais seca até a base da língua, carnuda e molhada que agora se encontrava entre os lábios dele, como se fora algo prestes a ser mastigado e engolido.

O desejo de mover a prápria língua e inicar um beijo era devastador, mas ele sabia-se cobaia e ali permanecia, boca entreaberta, língua recolhida e imável, engolindo a saliva que escorria despreocupadamente daquela que o testava de tantas maneiras.

Agora era a superfícia toda da língua que o lambia como fazem os gatos, tocando ambos os lábios num único contínuo e lento movimento, encharcando a boca e enlouquecendo-o de vontade e tesão. Por vezes ela parava, língua tocando toda a boca de sua cobaia, como se pensando qual seria seu práximo passo. Essa frieza excitava-o sobremaneira. Percebia-se a tremer, o pau completamente duro tinindo de tesão, a pela suando, as mãos contraindo-se para controlar o desejo. E ela fria, calculista, experimentando-o como se faz a um doce numa padaria.

De súbito ela se levantou, ergueu-se. Ele sentiu os dedos dos pés dela tocando seus ombros e abriu os olhos. Ela estava em pé sobre a sua cabeça, com ambos os pés ao lado de suas orelhas e olhava para baixo com uma expressão de curiosa reflexão sobre algum assunto insondável.

Como ele a olhava perplexo pela beleza da cena, ela ergueu levemente um dos pés e deu-lhe um pequeno chute no rosto. Um ato de delicada violência que insinuava uma ordem. Ele compreendeu e da boca semicerrada de espanto passou a uma abertura completa, expondo também a longa língua para fora.

Do alto, ela deixou cair uma grossa gota de saliva que atingiu em cheio a boca de sua cobaia e nesse momento e contorceu-se de prazer e pânico. Fechou os punhos, quase dobrou uma das pernas. Mas manteve-se imável, preso por correntes invisíveis de prazer. A saliva escorria lenta pela língua para sua garganta enquanto ela novamente deixou cair um fio de saliva sobre ele. Atingindo olhos, rosto e principalmente a boca, que inundava-se cada vez mais. Ela cuspiu outra e mais uma vez e quando pode ver uma pequena poça da boca dele, deu outro comando com o pé que dessa vez dizia.

- Engole.

Ele obedeceu e sentiu-se no paraíso. Engolindo a saliva dela estava guardando para si algo que não era seu, que era superior.

Enquanto ele engolia ela meteu na sua boca um calcanhar. Ele abriu a boca por reflexo e sentiu um sabor escuro de pés sujos de poeira urbana, cheia de pá e fuligem. Tocou a lateral do calcanhar com os dentes, mas logo entendeu que era sua vez de saborear algo. Lançou a língua para fora e, no momento em que lambeu aquela sujeira toda, ela passou a movimentar o pé, levando do calcanhar até os dedos pela língua dele. Limpando os pequenos pés na boca de sua cobaia. Era possível sentir o sabor do chão da casa e de uma pele alva e delicada misturados. Sujeira, maldade, amor e sutilezas.

Ele repetiu o ato até que seus pés estivessem limpos e até que visse na língua dele um líquido negro de saliva e fuligem. Seu pé estava também pingando este líquido e, antes de pisar novamente o chão, passou-o quatro vezes pelo peito nú da cobaia. Quando sentiu o pé seco, caminhou até uma cadeira, sentou-se, ergueu o outro pé e olhou nos olhos dele. Ele sabia o que era. Virou-se de bruço, rastejou um pouco até ela e abriu a boca. Dessa vez, ela meteu o pé quase inteiro no vão da cabeça dele. O cheiro e o gosto de sujeira eram inebriantes. Ele tremia-se todo de tesão.

Ela agora com uma face benevolente, olhava para ele com ternura. Ciente de que era sua cobaia favorita. Dedos entre dentes, ele sorria, imundo. Ela levou as mãos aos cabelos para fazer um rabo de cavalo e disse:

- Se não fossemos irmãos, juro que transava com você.

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


contos verídicas de sexo em montes clarosZofilia Homem fodendo forte acadela ela chora sentido dorcontos erotico-mandou se exibir e virou cornocontos eroticos meu padastro mim estropo no onibuscontos erotico frentistaursao tio roludo contomamando no titio contos gay inocentecontos minha enteada minha amantehumilhado travesti contosdestruidor de cu contosContos inserto com as subriasvideo porno mulher do meu amigo de chotinho na festa casa dele realidadecontos tomei no cu gostosocontos de zoofilia coloquei meu cachorro pra comer meu marido e ele gostouConto de vadia explorada por muitos machoscontos eróticos de padrasto comendo enteada ainda bem pequenacasa conto - eu minha namorada e sua amiga part 1contos eróticos vovó safadafilho tadoendo tira docu contos eroticoscontos eroticos garotas na escolaconto incesto tô gozando na buceta e ela engravidoume puxou pra sentar no colo dele - contos eroticosp*** da bunda grande deixando seu c* todo arrombado com peito bem grandebrincando no mato contoso ajudante de pedreiro chupou minha rola quando eu tinha dez anosContos de tesao por uma mulher casadaContos vovó no banhoconto de meu irmão comeu meu cu com uma grande pica e eu não aguentei de dorou porn contos mãe traindo com um negroContos eróticos de incesto filinha mimada do papaipagou pra cunhada,sobrinha,enteada,pra chupar caseiroconto com cunhada chantagistacontos eroticos Gays De Dei Minha Bundinha Pro Irmão do meu Amigometendo A lingua na xaninha da novinha contos filme aconzinha pornwww.contos gays na bebedeira cerveja e xixicontos eroticos praia de nudismoesposa safada liberando geral para o sogrocachorro lambendo buceta.deilheEnsinando a maninha a foder contos eroticoscontos erótico de incesto eu novinha ano ... meu tio com 26*6cm de rola me arrombou contos seduzi minha mãe com o tamanho do meu pauamigo do meu marido dano de bom frenre dele e mim chatagiado contos eroticocontos eroticos a travesti segurou em minhas bolas e empurrou 23cm no meu cucomendo a cunhada nojenta contoconto erótico enteada querendo dar po padrastoQuando eu era pequena meu primo comia meu cu e eu peidavacontos eroticos comi duas professorasconto tirei do cu e comi a bucetaas novinha gostosinha dando a b******** sendo engravidado tomando vinhoconto erotico o viadinho de calcinha no asilomadrinhas branca da bunda empinadacontos eroticos e tome gozada na caraConto erotico bunda a enteada mas velha.negao lingerie conto eroticocontos eroticoa novinha chupou pinto do cachorronoivo corno no altar contos eroticoscontos eroticos gay meu pai me comeuver conto erotico de filho com mae evangelicacontos personal acoxando a cavala na academiaAtras da casaxvidioContos porno seduzi meu netomamae fudeu muito com amigo.relatos eroticosquero o pauzão dele no meu cu amor agora fica olhando contoscontos eróticos gay EMMO o maconheirotesao chefe quero elecontos meu marido descobriu quando cheguei arrombadacontos eroticos tapou a bocaah e. mist traSado no chuveirocontos eroticos primo da esposacontos eróticos com menina muito nova crentesmeu primo me comeu no churraslevei minha mulher pro cara mais pauzudo comer na minha frentecontos eroticos primeira transa sadomasoquista quando meu dono me deixou presa