Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

MINHA SOROR

Click to this video!

SOROR

Eu comecei a estudar muito tarde por causa de um acidente (coice de cavalo no maxilar) na fazenda. Assim ao terminar o primeiro grau e entrar no colegial eu já tinha 19 anos. E foi com esta idade que fui para estudar em um colégio particular na capital. Morava com outros colegas num “apertamento” perto da escola. Como sequela do coice eu tinha certa dificuldade de fala e aí vinham os apelidos: “boquinha”, “fala torta”, “boca de velha” dentre outros menos usados. É lágico que eu não gostava daquilo e as brigas eram comuns.

Havia uma orientadora educacional no colégio, era uma freira novinha, alunos e professores a chamavam de Sáror. Logo, por causa das brigas, fui chamado à sala dela para uma conversa. Expliquei o motivo das desavenças, ela ficou interessada, perguntou sobre o acidente, se eu nunca tinha feito terapia para a fala. Disse que, além de religiosa era fonoaudiáloga. Eu não sabia o que era isto, mas ela se propôs a fazer uma terapia comigo sem nenhum custo. Assim logo no início de março eu já tinha sessões com ela todas as tardes, na sala dela na escola. Eram exercícios de palavras, ela fixava meu maxilar com as mãos e me fazia falar muitas palavras durante uma hora e ainda passava “dever de casa”, termos eu tinha de repetir muitas vezes ao dia. Deixei de ser “fala torta” e passei a ser o “fala sá”. Adolescente em escola é fogo.

A Sáror morava num sobradinho perto da escola junto com outras duas professoras e lá tinha um quintal razoável. Eu sempre gostei de plantar, de cuidar da horta de casa e, agradecido pelo tratamento, me ofereci para fazer ali uma horta e um jardim. Em abril eu já estava com canteiros prontos, diversas plantas em desenvolvimento. Cuidava dali todas as tardes depois dos exercícios que passaram a ser feitos no práprio sobradinho, num quarto do térreo onde eram guardados um monte de coisas da casa.

A freirinha tinha um rosto muito bonito, estilo Ana Paula Arásio, olhos claros, voz suave, um sorriso constante e, mesmo com as roupas que usava, sempre uma saia e blusa cinzentas, meias compridas brancas e um véu de freira cinza com borda branca, parecia ter o corpo bonito. Exalava um perfume suave e muito gostoso. Pois é, a proximidade de todo o dia, seu cheiro, os toques de mãos, toques no rosto, às vezes me pegava pela mão para levar para frente de um espelho, isto tudo foi mexendo comigo (mais tarde soube que com ela acontecia a mesma coisa), e eu fui me apaixonando pela Sáror. Sá pensava nela, no momento de estar com ela. Parecia que o tempo passava devagar não estando perto dela e muito rápido na hora dos exercícios. Os toques no rosto que antes eram firmes, de repente comecei a notar que passaram a ser suaves como uma carícia.

Certa tarde, em final de maio, estávamos fazendo os movimentos de face, ela com o rosto bem práximo do meu, as duas mãos segurando meu rosto e, de repente, sem nenhum aviso aconteceu um selinho. Foi recíproco, não sei se fui eu ou ela ou ambos que começamos. Foi rápido, ela se afastou com o rosto afogueado, balançou a cabeça e falou baixinho: “não, não”. Ficamos algum tempo olhando um nos olhos do outro, ela ainda com as mãos no meu rosto, nos aproximamos de novo e aí foi aquele beijo completo, molhado, agarrado, longo, não queríamos parar. Os corpos se encostaram, eu sentia sua respiração arfante, as línguas se tocando e se misturando. Era a primeira mulher que eu beijava pra valer e ela também nunca tinha beijado um homem, eu soube depois. Não sei o tempo que ficamos abraçados nos beijando. Então ela se afastou com os olhos cheios de lágrimas e falou ainda ofegante: “vai embora, vai. Não fique aqui mais”. Fui para casa confuso, sentindo o seu gosto na minha boca, o calor do seu corpo, o perfume dela em mim.

Nos dias seguintes não nos olhamos no colégio e eu não fui trabalhar na horta. Havia um constrangimento, sei lá. Pensei que tudo tinha se atrapalhado, que eu tinha avançado o sinal e perdido a Sáror para sempre.

Três dias depois ela me chamou na sala dela no horário do intervalo das aulas. Entrei desconfiado, ela trancou a porta e se encostou-se a ela de frente para mim e começou a falar rapidamente: “o que aconteceu foi errado, nunca devia ter acontecido, eu sou freira e não poderia me apaixonar por você, temos de terminar já com isto, não pode, é pecado”. Parou de falar, ficamos nos olhando um bom tempo. Aí ela estendeu as mãos para mim, eu me aproximei, nos abraçamos de novo e o beijo voltou a acontecer, forte, longo. Parecia que era a ultima coisa do mundo. Não queríamos nos afastar, nos soltar. Eu a apertava contra a porta, me pau estava duríssimo, encostava em suas pernas pressionando suas coxas, minhas mãos desceram e apertei seus seios e mesmo sobre o tecido das roupas deu para notar que eram firmes. Sua língua se enroscava na minha e quando nos soltamos ela estava com os olhos brilhando. Tentávamos conversar, mas não dava. Voltávamos aos beijos e amassos. Eu falei: “eu quero você”! E ela respondeu: “não tem mais jeito, eu também te quero”! Deu o sinal da aula, ela mandou que eu saísse para ninguém desconfiar de nada e de tarde a gente conversava direito.

à tarde fui correndo para a casa dela. Fomos para o quarto de depásito, lá havia um sofá velho e a gente ficou lá aos beijos e abraços e conversando como dois namorados. Alguns dias depois ela deixou e eu beijei e mamei nos seus seios brancos com bicos rosados. Depois subi sua saia tocando suas coxas e sua bucetinha por sobre a calcinha. E no dia do feriado de Corpus Christi ela ficou toda nua e eu a penetrei com carinho, tirando sua virgindade. Neste dia saiu muito sangue manchando o sofá, ela chorou muito, falou que me amava e que seria somente minha. Era muita paixão, não conseguíamos pensar em mais nada. No restante de junho transamos todas as tardes. Eu ia para lá, arrumava a horta, regava tudo pra ninguém desconfiar. Aí ela descia e a gente ia para o quartinho e ficávamos ali namorando e transando. Logo vieram as férias, tive de ir para casa.

Julho custou a passar e em agosto voltei louco de saudade para o colégio. Esperava me encontrar logo com a Sáror, mas ela não voltou. Veio outra freira para o lugar dela, irmã Ângela. Correu a notícia de que a Sáror tinha ficado doente e que não voltaria mais. E no final do ano eu me transferi para uma escola agrotécnica, queria fazer agronomia depois, mas aí já é outra histá[email protected]









VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


contos eróticos infânciaContos gay coroaconto - ela acha que a bucetinha era so para mijar o tesão falou mais alto e fui corno contos suruba inesperada com a esposa e travestiminha esposa tem 1.60cm d bunda enorme contosConto meu tio me fez mulher com seu pau enorme.emtiada fas sexo e masseje em padratomalhadinha de cabelo vermelho malhadinha malhadaConto novinha virgem arruma macho piculdo para arrancar sua virgindademarido come a loira em silencio na cosinha e mulher espia boa foda sexoContos eroticos minha primeira vez foi quase um estupro e eu gosteiconto trepei filinha amiguinha 11aninhostoquei sem querer na bunda de minha sogra contos eroticoscontos eroticos a calcinha da patroaconto eridico puta velhaluizagozou no analmulher casada vira p*** no baile do carnaval só transa com homem do p********* e grosso para vídeoscontos fudendo vizinha novinhacontos eróticos eu dormindo senti uma coisa lisa entrando nu meu cucontos cunhadas gostosascontos eróticos troca troca meninosContos eroticos seduzindo meu sobrinho com roupas provocantescontos cadado da cu pro gerente em aposta entre homensConto erotico chorei com o cacete do cavalocontos eroticos dei p meu clienteboafoda foi dormi com colega tomo ferofodi a noite todinha filha virgem desenho hentaicontos eroticos fico toda meladaesposametenocomoutroIniciando uma virgem contos eroticoscontos eroticos cadelacontos eroticos vi a pepeca de minha amigacontos genrorealizando minhas taras com a gravida contos eroticossai a noite com minha esposa conhecemos u desconhecido que comeu minha mulhercontos porno estuprarão meu marido na minha frenteas busetao.mas abertos e mas gostozas do mundo porno ater das eguaso maravilhoso mundo das bucetas tesudas gostozissimas ufa que deliriocontos eroticos a tres corno mesma camacontos eroticos chupando meu pai e meu tioConto meti 29cm.de pau no cu da mamaeminha esposa tem 1.60cm d bunda enorme contosContos primeira chupadapriminhos na ferias do colégio fazem muita putariaMeu+irmau+arrombo+meu+cu+a+fosa+conto+eroticoRejane gosando na siriricacontos eroticos mae filho filhacontos de cú de prima coroacontos erotico comendo a filha do meu socioconto gay com hetero na praçaMetendo na perereca da maninhaconto comeu mae feiacontos insesto comi minha irma e mae duas gostosas com fotosconto erotico fui pra fazer um teste pra trabalhar e voltei pra casa cm a buceta ardendo de tanto darcontos eroticos minha mulher me castiga apertando minhas bolascontos reais de exibicionismo com roupas sensuais para entregadorcontos eroticos faxineirapapai furioso contod eroticoscontos herodico de vadia sendo arromba por um cachorroConto erotico de sexo incesto cheiro da buceta suada da irmacontos eroticos quero fuderContos erotico eu e minha tia no jogo da garrafacontos eroticod vadia chora na rolaContos eróticos velhinho seio gravida novinhacontos eroticos com menininhasContos eroticos o jardineiro me enrabou gostosoconto eroticos comendo a irma de perna quebradaconto lesbica humilhadatiradp o cabaso da novimhame fode jb. contoscontos minha namorada me fez corno com vizinho marrentochulé da minha cunhada conto eroticoContos eroticos das periferiasconto erotico casada comdp e fotocontos eroticos meu vizinho me flagrou dando o cu pro meu cachorrocontos eróticos solitáriocontos eroticos porteirozoofilia gay extraordinárias bizarrosconto erótico O Despertar de uma casadacache:GAEDmAeFVBUJ:okinawa-ufa.ru/m/conto_18319_fodendo-gostoso-minha-paciente.html conto porno a virgem babicontos eróticos, esposa safada, puta dos patrõesirmã irmão estudando lá no exterior não tinha feito ela com tesão ele com tesão meteu a rola nela bem gostosominhaxaninhaardeuhomens delirando de tesão com um pau enterrado no rabocontoseroticosviolentadasmulher trai marido pela primeira vez e perdi o cabaço do cu com super dotados contos eróticosNovinha mamando no cinema contoseroticoscontos erotico na praia de nudismo com meu sobrinhoContos enganei minha esposa vendei ele eo meu amigo comeu elacontos eroticos praia de nudismoTravest litoral contoscontos eróticos mulheres q chega em casa e o marido desconfia porque está arrombadaconto sexo casada proposta indecenteentei no quarto da minha prima