Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

KIARAJF - ACADEMIA ERÓTICA!

Click to Download this video!

Quando eu terminei de fazer as provas para o Vestibular, meus pais e eu viajamos para o Nordeste, ficamos 19 dias por lá, já na viagem de ida, eu ia imaginando o quanto seria ruim essas férias, pois eu iria ficar longe do meu priminho gostoso, esses 19 dias pareciam uma eternidade e eu já estava louca para transar e sentir de novo aquele gostinho delicioso do pau de meu primo entrando pela minha boca e depois enterrado por completo na minha xoxota, durante esses 19 dias de férias eu me masturbei todos os dias no banho, para tentar conter a falta de um cacete que eu estava sentindo.



Na volta para casa, a minha vontade de transar e de ser possuída estava incontrolável, logo que cheguei fui buscar o resultado das notas do Vestibular e voltei para casa toda feliz e contente por ter passado de primeira no Vestibular, logo pensei comigo: “Também pudera, com um professor particular todos os dias em minha casa, quem não passa de primeira, não é mesmo?”, meus pais ficaram muito satisfeitos e elogiaram muito os meus esforços com os estudos.



Faltava ainda um mês para o início das aulas e eu fui procurar o meu primo para dar as boas notícias, mas minha tia disse que ele havia viajado e que sá retornaria no início das aulas do ano letivo, fiquei um pouco decepcionada e frustrada com a notícia e logo comecei a pensar em coisas para me distrair até o início das aulas, foi quando resolvi passar na academia e ficar admirando aqueles corpos esculturais, comecei a sentir um fogo subir pelas minhas pernas e deixar a minha xoxota bem molhadinha, era uma sexta-feira por volta das seis e meia da tarde.



Eu tinha exagerado um pouco na viagem, apesar de ter passado o tempo todo com vontade de transar novamente, eu também me diverti muito em minhas férias no Nordeste, então fui conversar com um dos professores, Carlos, um mulatão de 1,80, e tinha trinta e dois anos, ele foi examinando cada pedacinho do meu corpo e disse: “Kiara, o seu corpo está normal, não há nada de mais com ele e você pode fazer os mesmos exercícios de sempre!”, logo pedi para ele: “Carlos, você me ajuda no aquecimento?”, ele muito educado disse: “Claro, te ajudo sim Kiara!”, ao sentir aqueles braços fortes dando apoio as minhas pernas, imaginei como seria uma aulinha particular, a cada movimento me fazia de desajeitada e me jogava no seu corpo, ora no tárax enorme, ora me agarrando à cintura malhada, mas Carlos parecia um religioso, continuava pacientemente orientando meu aquecimento, logo decidi ser mais direta, num dado momento Carlos me pediu: “Estique bem as penas para trás e vai começando a se alongar!”, meio desajeitada, fui escorregando e caí, para não me esborrachar no chão, segurei firme nas coxas do professor Carlos e de leve, rocei meu rosto no volume respeitável sob o short colante, dei um sorrisinho amarelo e disse: “Professor Carlos, o meu joelho está doendo um pouco!”, acho que neste instante ele perdeu o controle, já um pouco agitado, disse: “Kiara vem aqui comigo, que irei examinar o seu joelho!”, logo ele pegou na minha mão e me conduziu a uma espécie de enfermaria, depois que entramos, ele encostou a porta e me perguntou: “Kiara, porque você está agindo dessa forma, eu te conheço a mais de dois anos e sei perfeitamente que você não é assim toda estabanada!”, enrolei-o, dizendo: “Professor, deve ter sido às férias, a comida, a falta de atividade!”, fui conversando com ele e mexendo no joelho, fingindo que estava machucada e ia arrebitando bastante o meu bumbum quando inclinava para frente, logo percebi que debaixo do short de Carlos crescia um cacete bem gostoso, grosso e grande, do jeito que minha boquinha, minha xoxota e meu cuzinho estavam precisando, continuei a provocação, em um movimento bem lento fui enfiando os dedinhos no meu bumbum para desencravar a calcinha, e finalmente Carlos se deu conta das minhas intenções e disse: “Você quer mesmo uma massagem no joelho?”, louca de tesão e quase sem conseguir me controlar respondi para ele: “Quero sim, você faz uma massagem relaxante neles para mim?”, Carlos respondeu já com o pau bem duro: “Faço sim, deite nesta maca que eu irei começar a massagem!”, no momento que ia deitando na maca, Carlos foi até a porta e a trancou de chave.



Ele começou a massagear e a acariciar o meu joelho e logo foi subiu pelas minhas coxas, chegando à virilha e provavelmente ele ficou sentindo o calor que minha xoxota emanava, eu via o seu rosto se contorcer de tesão e seu pau parecia querer pular do shortinho apertado, olhando para mim ele perguntou: “Está gostando da massagem?”, respondi para ele cheia de tesão: “Estou sim, sua mão está uma delícia nas minhas pernas!”, ele continuava me massageando e eu apenas mordia os lábios, calada e esperando o passo seguinte, logo Carlos suando de excitação e também por causa da sala abafada, puxou meu short e me deixou peladinha da cintura para baixo, olhando para mim ele disse: “Kiara, você é muito gostosa, hoje o tempo todo na aula você ficou me provocando, é impossível continuar resistindo a essa sua gostosura!”, logo que ele terminou de elogiar o meu corpo, ele separou as minhas pernas e começou a mamar gostoso na minha xoxota, lambuzou toda a sua boca na minha xoxota encharcada de tesão, sua boca passeava, mordiscando meus lábios, sua língua aos poucos lambia cada pedacinhos da minha xoxota já super molhada e louca para ser penetrada, Carlos ficou debruçado ali pelo menos uns 19 minutos, me deixando a cada segundo mais louca de tesão e eu sentia um prazer incrível, mas a necessidade de ser penetrada sá crescia.



Quando Carlos levantou a cabeça, metade da sua cara estava melada, do nariz ao queixo, ele deu um sorriso e seus olhos faiscavam, mirando a entrada da minha xoxota, logo disse para ele: “Sobe na maca, deite em cima de mim!”, eu fechei as pernas e fiz com que ele subisse na maca, não havia muito espaço e os ferros da armação rangiam, parecia que tudo ia desabar, mesmo assim ele subiu ficando deitado em cima de mim, atolando sua boca no meu pescoço, chupando e me lambendo, enquanto encostava o seu cacete duro na minha xoxota carente, sua língua parecia ferver e Carlos disse: “Kiara, você está muito tarada, os seus peitinhos e a sua xoxota estão um tesão!”, Carlos foi descendo e passou a morder meus peitos, por cima do top, meus mamilos estavam tão endurecidos e projetados que ele não precisava se esforçar muito para mordiscá-los, tomada pelo tesão, estiquei o braço, até agarrar o pau que ainda estava escondido dentro do short, pressionando-o com força Carlos soltou um gemido e se colocou de cabeça para baixo, metendo o cacete na minha boca, eu abocanhava aquele colosso por sobre o short mesmo, tentando visualizá-lo na minha mente e Carlos se deliciava novamente na minha xoxota molhadinha, eu já havia quase rasgado seu short quando murmurei: “Tira o seu pau pra fora, quero vê-lo, quero toca-lo e chupá-lo todinho!”, Carlos desceu da maca e começou a abaixar o short vagarosamente, de repente saltou um caralho gigante, lustroso na ponta, bem grosso e delicioso.



Olhando para aquela preciosidade, pulei da maca e disse: “Senta naquela cadeira, quero mamar bem gostoso o seu cacete, quero sentir o gostinho doce do seu pau na minha boca!”, Carlos maluco de tesão, foi sentando na cadeira, eu fui para perto dele e ajoelhada caí de boca naquele cacete delicioso, de cara tentei engolir ele por inteiro, pude sentir o gosto do líquido que saía timidamente da cabeça daquele delicioso cacete, a excitação era tamanha que impedia a minha concentração no boquete, eu precisava daquela vara pulsante em mim e perguntei para Carlos: “Você tem camisinha?”, ele respondeu: “Eu não costumo andar com camisinha no bolso, mas naquele armário sempre tem, pois a minha academia faz campanha de prevenção!”, rapidamente fui ao armário e peguei algumas, afoita abri uma delas, deslizando a camisinha no cacete de Carlos, logo me dei conta da real dimensão do cacete, comprido e grossíssimo, tirei o top e disse: “Mete bem gostoso na minha xoxota, ela está muito carente e querendo engolir o seu cacete todinho!”, ele louco de tesão disse: “Vou te comer todinha e fazer você delirar de tesão!”, escalei aquele homem, que se agitava na cadeira, Carlos me segurou pela cintura e me puxou violentamente contra seu corpo, enterrando o pau de uma sá vez dentro de mim, a penetração foi deliciosa por causa da lubrificação abundante, eu comprimia os músculos da minha xoxota, pressionando o cacete de Carlos, sentindo-o escorregando, se esfregando nas paredes da minha xoxota, à medida que minha xoxota secava, as estocadas eram mais lentas e exigiam um maior esforço, percebi que o caralho estava me esfolando por dentro, mas não podia parar, continuei rebolando naquele mastro plastificado.



Voltando a si depois de me arregaçar com aquele começo impetuoso, Carlos passou a me beijar calorosamente, enfiando a língua no fundo da minha boca, embaixo me bombava com movimentos regulares, enterrando o pau até o fim, me lembrando de como era bom ser arrombada pelo cacete do meu primo.



Carlos me fudia bem gostoso e logo gozamos juntos, eu de forma prolongada, soltando gritinhos e gemidos, que depois tememos que alguém tivesse escutado, desmontei do cacete de Carlos, que levantou para tirar com muita dificuldade a camisinha apertadíssima de seu pau, ao ver o cacete reluzente livre, logo disse: “Que cacete lindo você tem, enfia ele na minha boca!”, ajoelhei de novo e abocanhei-o por inteiro, tendo matado as saudades de ter a xoxota invadida por um cacete latejante, me apliquei nas chupadas, o gosto havia se misturado ao do preservativo, mas a porra que se espalhara compensava o que tinha de desagradável, depois de chupar bem a cabeça, passei a lambê-lo por inteiro, da base à pontinha, o saco eu acariciava com as mãos, mexendo nas bolas, ele nem chegou a amolecer, ficou debilitado por um instante, mas logo começou a endurecer dentro da minha boca, voltando a sua grossura máxima, estava uma delícia, os meus lábios apertavam- no e com as mãos no bumbum de Carlos eu induzia-o a foder bem gostoso a minha boquinha.



Ficamos vários minutos nos divertindo oralmente, até que Carlos me disse: “Preciso comer a sua xoxota novamente!”, me arrepiei toda de tesão e disse: “Vem, fode o quanto você quiser, ela é todinha sua!”, peguei outra camisinha e segurei seu cacete pela base, vendo-o totalmente esticado, não aguentei e abocanhei a cabeça novamente, com metade do pau dentro da boca eu esfregava minha língua na cabeça e no que conseguia alcançar daquele tronco latejante, saciada coloquei a camisinha na ponta e comecei a desenrolá-la, parecia que não ia caber, Carlos sentou na cadeira e esperou, mas eu queria variar, me debrucei na maca e disse: “Quero o seu pau no meu cuzinho, vem mete nele como você fez na minha xoxota!”, a reação de Carlos foi rapidíssima, numa fração de segundos senti o cacete protegido forçando meu cuzinho, eu me assustei com o diâmetro daquela vara e contraí o meu cuzinho, praticamente impedindo a penetração, Carlos então pôs em prática sua experiência, logo disse: “Para você não sentir dor, primeiro vou excitar o seu cuzinho e deixá-lo bem tarado!”, delicadamente encostou um dedinho na entrada e iniciou movimentos circulares, forçando vagarosamente a entrada, toda tarada eu logo disse: “Que delícia, o seu dedinho está entrado todinho no meu cuzinho!”, quando ele conseguiu me penetrar, tirou o dedo e meteu o dedo novamente logo em seguida, dessa vez pondo outro, deixando o meu cuzinho mais aberto, ao tentar o terceiro, me fez dar um gritinho abafado nos panos da maca, Carlos retirou ambos e voltou à posição original, encostando o cacete no meu rabo.



Nessa tentativa, deixou a gentileza de lado e me arrombou mesmo, enterrando seu caralho em um segundo até o talo, eu mordia os panos, apertava o colchãozinho da maca com as mãos e resistia bravamente, meu cu estava sendo desbravado por um cacete colossal, ele parecia fora de si, metendo sem controle, arrebentando minhas preguinhas, testando a elasticidades dos meus músculos, o seu saquinho encostavam na minha xoxota, mostrando o quão fundo aquelas estocadas iam, somente depois de uns 5 minutos de sofrimento comecei a me acostumar e a aproveitar a sensação de preenchimento proporcionada por Carlos, tentei rebolar mas era impossível, apenas recebia as pancadas do professor impiedoso, porém, era uma sensação átima, um pau latejando no meu cuzinho, espremido e pedindo passagem, era quente, era grosso e muito melado, o suor de Carlos pingava nas minhas costas, evidenciando o esforço que aquele homem fazia para desbravar meu cuzinho, logo disse: “Mete tudo no meu cuzinho, estou gozando com o seu pau no meu cu!”, gozei deliciosamente pela segunda vez, sentindo por inteiro o cacete de Carlos no meu cuzinho.



Carlos continuou comendo o meu cuzinho e depois de um tempo disse: “Que cuzinho delicioso, vou gozar bem gostoso, estou quase gozando!”, quando ele disse que já estava quase gozando, pensei: “Uma transa como esta exige um final bem gostoso!”, convenci-o a interromper a foda e logo disse: “Goze na minha boca, quero engolir a sua porra todinha!”, louco de tesão Carlos tirou o pau do meu cuzinho, logo em seguida tirou também a camisinha e mandou: “Abra bem a boca e chupe bem gostoso o meu pau todinho!”, cumpri suas ordens obedientemente, primeiro deixando a cabeça do pau na língua e depois engolindo o máximo que pude, seu caralho tremia na minha boca, soltando pinguinhos de porra, que sá me animavam a mamar mais e mais, eu deslizava a língua sobre toda a extensão do cacete, até que Carlos disse: “Bebe minha porra, estou gozando dentro da sua boca!”, Carlos me segurou pela cabeça, enterrando por inteiro o seu caralho na minha boca, quase impedindo minha respiração e começou a gozar, o primeiro jato de porra foi direto na minha garganta e outros se espalharam dentro da minha boca, o pau se libertou a tempo de soltar outros esguichos no meu rosto, eu buscava cada gota, saboreando aquele gostinho doce da porra espessa de Carlos, enquanto punhetava-o em busca dos últimos pingos, alguém bateu na porta, ficamos calados e quietos e depois saímos na surdina, Carlos entrou no vestiário dos professores e eu fui para o vestiário feminino, com uma ardência deliciosa na xoxota e no cuzinho e um gostinho maravilhoso de porra na boca.



Bom pessoal, foi assim que comecei a experimentar as delícias de transar com outros homens e de poder sentir o gostinho doce de outras porras, não deixem de ler a sequência de outros contos.



Se alguma garota ou mulher quiser trocar experiências e saber mais sobre mim me escrevam e se tiver alguma garota que tenha também iniciado a sua vida sexual com o primo, adoraria trocar mails. Anotem o meu mail e me escrevam: [email protected] - Beijos com carinho Kiara!

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


conto erotico catador de papel comendo.buceta da novinhase masturbar antes de durrmi faz bemconto erotico Conto de um corno manso da Mãe e Filha IIMulher quadril fino buçeta arreganhada casadas piranhudas e cornos submissosconto erotico viadinho pego usando calcinha no sitiocontos eróticos eu meu melhor amigocontos eroticos com absorventecontos eroticos minha esposa minha cunhada e eucontos consolei a mulher do meu amigoconto branquinha casada trae com negoescomtos de vagabundas que gostão de fuder home pelado com nome ketlynContos de Capachos e submissos de garotasFotos de pirozoes de machosmeu irmao tirou minha virgindadeContos eroticos de casadas safadas que traime arrombou o rabo contos casadaconto erotico bucetas folozadacontos eroticos a calcinha mijada da ermaconto minha titia popozuda tomou banho comigo contos eróticos trair namorado atrãomostrei a buceta toda babada pro papai brincarconto erotico gay coroa dominador castiga viado novinhocontos eróticos trair namorado atrãocontos eróticos jogos de sedução mãe e filhoeu confesso sou puta desde novinhacontos eroticos de prima chupando saconora putacontosconto lebisco minha amiga pagou uma postituta par comer a buveta delacontos eroticos - isto e real. parte 1contos eróticos sobre irmã bucetudamae gostosa contoscontos eroticos: Descabaçada pelo velho e o negao no onibuschantagem zofilia e insesto conto eroticoxvideo mobile meu pai me castigouconto erotico fiquei trancadoconto erotico gay tv a cabopais se esfregando na filha shortinho corcontos eróticos chupei a bocetinha da menininha vendedora de docescomo arrombar um cu virgem ticajaponesas babys fazendo zoofilanoite maravilhosa com a cunhada casada contosCasadas na praia contoconto erotico deidinheiro a minha maecontos eroticos gays zoofiliameu cachorro mecomeu a forcacache:fqKHdRAEKq0J:studio-vodevil.ru/mobile/conto_27513_bebi-demais-e-virei-corno-na-praia.html moramoa no litoral eu e minha esposa e recebemos um primo dela para pasar um fim de semana conoscoMaduras babando na rola dos novinhos contoseroticosContos dei o cuzinho para a travesti fabiola voguelxxvidio pai fudend afilh afrentConto o zelador e meninoconro eroticos casei e minha mulher transformou sua esposacontos de lambidas gostosacontos cunhadas gostosascontos gays nas dunascontos de cú por medosono no cu das duas safadascontos gozando primeira vez orgasmo 19 anosconto de encesto a supresa de mamaecontos gay footjob forcadocontos de esposa arrombada dormindopau cheiroso contoconto corno cruelo tio ceduzino adolecente metendo odedo priguitinhaContos eróticos mãevovozinhas esfreca buceta com buceta uma na outracontos reais mulher casada no cine porno aroucheencontrei minha prima baixinha bunduda sozinha na balada contos eroticoscontos minha mulher me traiu contosPiroca de 25cm - conto eroticoenche esse cu de leite contoscontos eróticos eu estava com um capo de fusca muito inchadomarcio buceta fabiana em porto AlegreContoseroticos cavalocontos eroticos sinistroscontos japonesa rabudacontos eroticos tirando virgindade de netinhacache:HVsxZOrs15AJ:http://okinawa-ufa.ru/m/conto_12619_quando-eu-dei-pela-primeira-vez.html+"dei pela primeira"contos eroticos sobre voyeur de esposaContos eróticos menino menor sendo abusado gozada dentroContos descobri que minha esposa ve fotos de homens nus na internetcomendo as duas filhar contosprofessora furacao fudernoex cunhada safada casada com presidiário