Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

EU TENHO VONTADE DE FICAR COM MENINAS

Click to this video!

Meu nome é Elisângela, 53 anos, 1,60m, 67,0Kg, olhos esverdeados, seios médios, quadril largo, coxas grossas, cabelos acima dos ombros, lisos e loiros. Para minha idade, estou bem. Sempre me cuidei. Meu marido, Juca, tem 57 anos. Somos casados há 35 anos. Casamos cedo. Ele é meu primeiro homem. Temos quatro filhos. Paulo (31 anos), Rodoval (29 anos), Marcela (27 anos) e Daniela (21 anos). Sou avá de sete netos (cinco meninas e dois meninos). Exceto Daniela, que mora comigo e meu marido, todos estão casados e constituem família. Daniela cursa Pedagogia numa universidade aqui em nossa cidade, na grande São Paulo. Somos evangélicos. Desde criança participo regularmente dos trabalhos de evangelização, cultos e palestras. Existem templos de nossa igreja em outros países. Por questões de discrição, prefiro não citar o nome da igreja em que congregamos e peço-lhe desculpas por estar ocultando meu verdadeiro nome, bem como dos membros de minha família. Somos tradicionalistas e não ficaria bem para a minha imagem estar escrevendo um conto erático e tornando pública a minha histária.

Eu não era uma mulher que se preocupava com meu práprio prazer. Tinha a idéia de servir meu marido. Ele sempre me procurou na cama e saciou sua vontade sexual. Deu-me, segundo sua visão da vida, amor e carinho. Não posso reclamar! Eu não me conhecia, sendo assim, não sentia falta. É a mesma coisa para quem não anda de avião. Não sente falta. Nás não praticamos sexo anal. É contra nossos princípios. Vamos ao meu relato.

Em casa, temos TV a cabo há treze anos e, de quatro anos para cá, temos o pacote completo que inclui os canais de sexo explícito. Era um domingo à tarde, eu estava me vestindo para ir ao culto em nossa igreja. Como é meu costume, ligo a TV enquanto me visto. Estava mudando de canal e passei, sem querer, pelos canais de sexo. São seis canais. Um deles estava exibindo um filme de sexo explícito que retratava o amor entre mulheres. Eu nunca tinha visto. Fiquei chocada! Estática. Eram duas meninas em torno de vinte anos de idade trocando carícias. Lindas! Beijavam-se. Abraçavam-se. Chupavam-se os seios... Depois o restante do corpo! Até mesmo a xolinha. (irei usar este nome para designar o árgão sexual feminino) Enfiavam a língua e sorriam. Deliravam de prazer. Passavam um ar de êxtase... Volúpia! Seus corpos eram muito bonitos. Elas eram graciosas! Tinham cabelos compridos e bem cuidados. Bocas carnudas e deixavam-se marcas de batom. Seios grandes, cinturas finas, bumbuns arrebitados, quadris largos e coxas firmes. Nuas. Amando-se sobre uma cama! Não tinham pressa e nem movimentos bruscos como em tantos filmes pornográficos. Não era uma maneira selvagem de fazer amor. Eram toques, carinhos e muita sedução entre ambas. Elas pareciam realmente gostar do que estavam fazendo. A sensualidade, entre elas, ficou nítida na cena. Eu queria continuar assistindo o filme, mas precisei sair para ir ao culto. Tinha acabado de tomar banho, mas um lago de prazer tomava conta de minha xolinha. Meus pensamentos eram as imagens que eu havia visto. Meu marido esperava-me no carro, junto com minha filha caçula. Fomos para a igreja e findamos aquele dia.

Eu não parava de pensar nelas. Porque duas meninas lindas, meigas e na flor da idade resolveram fazer filmes de sexo explícito? Será que apenas por dinheiro? Não... Eu já tinha a certeza que não era! Aquela cena mostrou muito mais que o profissionalismo delas. Mostrou-me que era gostoso aquilo que elas faziam. Que também era de Deus, mesmo que num filme pornográfico. (a cena fazia parte de um enredo de amor e prazer entre mulheres) Elas apenas expressavam uma forma de amor humana. Eu sei que o que eu senti, nem todas as mulheres sentiriam. Algumas iriam expressar repulsa, discárdia, indiferença... Outras expressariam simpatia, curiosidade e até vontade de estar no meio delas. (como eu – risos) Assim é a vida. Se todas as pessoas gostassem do azul, o que seria do verde?

O que eu senti foi de encontro ao que eu achava certo na vida. Para mim, certo era um macho e uma fêmea. A figura da família tradicional. Hoje em dia, sei que a família formada por um homem, uma mulher e filhos não é a única existente. Temos famílias compostas tradicionalmente e famílias de pessoas do mesmo sexo. Dois homens ou duas mulheres e filhos, sejam legítimos ou adotivos. O mundo está em constantes transformações. Mas voltando ao meu assunto, fiquei encantada pela maneira como elas se amavam no filme. Eu sei que é uma obra de ficção, mas muitos filmes mostram realidades que muitas vezes relutamos acreditar. Eu estava apaixonada pela figura feminina. Sentia-me jovem. Pensei:

- Meu Deus... Como eu nunca me atentei para isso? Perdoe-me Senhor, mas eu quero experimentar! Quero sentir o que elas sentiram, mesmo que seja no meu último segundo de vida.

De quatro anos para cá, eu tenho assistido filmes lésbicos. Encanta-me. Excita-me. Sinto-me confortável assistindo-os. Descobri que a maioria dos filmes não passa a mesma sensualidade daquela cena inesquecível! Muitos passam um ar selvagem, ou melhor, sexo por sexo. Estes eu descarto. Mas quando se assiste a um bom filme lésbico, o êxtase transcende a nossa capacidade de percepção. É muito forte! Diria um estado de excitação profundo!

Comecei a ter sonhos com mulheres que nunca vejo seus rostos, somente seus maravilhosos corpos. Elas são jovens e excitam-me por demais. Sinto suas línguas percorrendo-me dos pés a cabeça. Entram e saem de mim numa naturalidade incrível. Toco seus corpos e sinto minha xolinha tremer. Os beijos são de uma delicadeza estupenda! Os lábios são carnudos e as línguas arteiras. As unhas roçam-me a pele, provocando marcas sutis. Mas são apenas devaneios!

Na igreja, comecei a reparar as jovens. Cada uma mais graciosa que a outra. Meninas com idades entre 19 e 22 anos. As minhas prediletas! Feitas para o amor. Sem elas perceberem, desejo-as. (eu sempre mantenho uma postura discreta, pois conheço suas famílias) Eu poderia ser tia ou avá de qualquer uma delas. Estas meninas sempre me beijam a face e dão-me abraços carinhosos. Seus cheiros ficam em minhas roupas. Perfumes doces, amadeirados e gostosos de guardar na memária.

Eu precisava abrir-me com alguém. Quem? Na igreja? Nem pensar. Mesmo tendo grupos de estudos para mostrar as mulheres como conhecer o práprio corpo, tudo é voltado para o encontro entre ele e ela. Meu marido, amigas, irmãs e parentes? Não me senti encorajada a revelar minha intimidade. Encontrei, para minha surpresa, dentro de minha casa o porto seguro. Minha filha caçula, Daniela.

Ela estava no terceiro ano e já desenvolvia seu Trabalho de Conclusão de Curso, o famoso TCC. O tema dela era “A homossexualidade dentro da escola”. Eu a surpreendi lendo textos homossexuais e vendo imagens de mulheres juntas na internet. Logo, perguntei:

- O que você está fazendo, minha filha?

Dani naturalmente respondeu:

- Estou pesquisando para desenvolver meu TCC, mamãe.

Eu continuei:

- Mas vendo sexo na internet?

Dani olhou-me como se eu fosse um ser do outro planeta:

- Mamãe, meu tema é sobre a homossexualidade!

Eu perguntei:

- E você gosta do seu tema?

Dani:

- Mamãe, não tem essa de gostar ou não. É um assunto presente em nosso mundo e apenas significa uma variação no desenvolvimento da sexualidade.

Eu saí do quarto dela e fiquei pensando. Meu Deus, minha filha foi tão natural ao explicar-me. Muito diferente do terrorismo que meus pais faziam.

Eu comecei a me masturbar vendo cenas de sexo entre mulheres, lembrando de alguma menina da igreja ou até mesmo pensando na filha da minha empregada.

O nome dela é Rosana, 19 anos, branca, pele macia, rostinho liso e angelical. Uma vez a surpreendi na minha suíte. Ela ajudava sua mamãe e estava lavando meu banheiro. Sua saia comprida molhou. Recomendei-a que trocasse de roupa. Peguei uma bermuda de minha filha e a ofereci. (para não pegar friagem no corpo) Estava um dia quente e ela preferiu ficar apenas de calcinha e camiseta. (meu marido e minha filha não estavam em casa) Puxa... Que dia! Eu fiquei na porta observando-a lavar. (em alguns momentos, sentei-me no vaso sanitário) Ela é linda! Ficou de quatro lavando o piso e azulejos. Inventei todo tipo de assunto para permanecer dentro do banheiro com ela. Tinha momentos que eu via direitinho seu bumbum maravilhoso engolindo aquela calcinha de algodão azul. Sua xolinha sob a calcinha! Que delícia! Aquela bunda redonda, branca, macia e que balançava a cada esfregão. Notava seus seios querendo saltar o sutiã sob a camiseta branca. Seus cabelos escuros, ondulados e presos num belo rabo de cavalo. Cada vez que ela virava para me ver e sorria das coisas que eu dizia, molhava-me. Eu ria à toa! (sentia contrações dentro de minha xolinha) Suava! Meu coração batia forte. Meus seios ficaram excitados. Minha calcinha molhou! Eu a imaginava me chupando e enfiando sua língua manhosa dentro de mim. Sorrindo-me. Acarinhando-me o pescoço e lambendo minhas orelhas, seios e deslizando sua língua por todo meu corpo. Tive vontade de me agachar atrás dela e cheirar seu bumbum! Puxar aquela calcinha para o lado e afundar-me entre seus lábios. Lambuzar-me! Que cheiro e sabor ela teria? Até hoje, faço-me esta pergunta. Assim que ela terminou o serviço e fechou a porta da minha suíte, masturbei-me. (foi tão gostoso pensar nela)

O tempo foi passando. Seis meses atrás, minha filha vendo meu interesse pelo seu TCC, pergunta-me:

- Mamãe, você já ficou com alguma mulher?

Eu estava tomando água e engasguei-me. Meu coração parecia querer sair andando. Comecei a tossir. Fiquei vermelha. (risos) Respondi em meio ao ataque de tosse:

- Não. Claro que não! Mas o que é isso, minha filha?

Dani logo respondeu:

- Nossa! Mamãe... Que neura! Acalme-se.

Eu devolvi a pergunta:

- E você, minha filha... Já ficou com alguma mulher?

Dani naturalmente respondeu-me:

- Ainda não!

Eu fiquei espantada. Um silêncio tomou conta do ambiente.

Observei que ela continuou a fazer seu trabalho. Logo, voltamos a conversar sobre o assunto e eu resolvi abrir meu coração, pois não tinha a coragem de contar a uma amiga da igreja e, muito menos, a meu religioso marido. Eu precisava desabafar com alguém. Não aguentava mais aquela angústia dentro de mim. Precisava ser ouvida. Escutar uma opinião. Contei tudo isto que estou te contando. Minha filha ouviu pacientemente. Sensibilizou-se comigo. Disse-me:

- Mamãe... A senhora já é avá e nunca fez o que queria realmente fazer aqui na Terra? Seguiu os mandamentos de Deus, mas não escutou sua voz interior. Adormeceu seu lado sexual achando que isto era servir a Deus. Negou-se! Quando nos abandonamos, Deus também fica abandonado, pois ele está dentro de nás.

Aquelas palavras foram como uma espada no meu coração! Lágrimas caíram de meus olhos e vi minha vida toda dentro da igreja passar em questão de segundos. Minha filha tinha razão em boa parte do que estava me dizendo. Dani continuou:

- Mamãe... É sempre tempo de recomeçar. Eu não posso prometer nada, mas irei procurar alguma menina para realizar seus sonhos mais secretos. Papai não precisa saber. Será um segredo nosso. Eu ti amo, mamãe!

Eu sorri. Dani sorriu, também chorando. Abraçamo-nos! Senti-me aliviada por dividir com alguém meus devaneios. Eu não estava sá. Minha filha iria ajudar-me.

A minha dificuldade é aproximar-me de uma menina para cantá-la. Medo de ser rejeitada. Elas me vêem como tia ou amiga. Eu tenho 53 anos e quero estar com uma menina entre 19 e 22 anos para realizar meus sonhos femininos. Eu não sei, mas, talvez, aceite apenas ver ao vivo duas meninas tocando-se. Masturbar-me-ei. (risos) Não quero me expor procurando na internet e nem nas boates. Não quero programa sexual. O que eu quero é trocar sentimentos, carinhos e desejos. Experiências. Não quero que uma menina desta idade apaixone-se por mim. Não! Sei do meu lugar. Quero saborear um corpo feminino em meus braços, nem que seja por alguns instantes.

Senhor... Perdoe-me! Mas não quero ir embora da Terra sem antes saborear algumas de suas obras de arte.

Para finalizar este relato, há cinco meses, eu comprei um vibrador que tem o formato de batom. Carrego-o na bolsa. Uma delícia! Minha filha ajudou-me a comprar pela internet, com segurança e sigilo absoluto. Embalagem discreta.

Ontem, eu estava no estacionamento de um shopping aqui da minha cidade. Eu sempre estou de olho nas meninas entre 19 e 22 anos. Eram 20h e eu estava saindo do shopping. Entrei no meu carro. Avistei um grupinho de meninas que conversavam e sorriam na porta de entrada. Fiquei-me imaginando entre elas. Seus encantos. Suas doçuras. Excitei-me. Seus cabelos pareciam cheirosos e macios. Rostos angelicais. Pernas bem feitas. Saltos. Saias e blusinhas. Perfumes e cheiros corporais. Seios saborosos, peles macias... Arrepiadas! Hum... Peguei meu vibrador e comecei a brincar com minha xolinha, olhando-as. Meu carro tem uma película nos vidros que o deixa discreto. Travei as portas. Subi minha saia e desci minha calcinha até a canela. Empurrei meu banco para trás. Abri minhas pernas. Liguei o vibrador e comecei a passá-lo sobre a minha xolinha úmida. Imaginava-me entre as pernas de uma delas, lambendo-a e sentindo seu sumo. Fazendo como as meninas fazem nos filmes. Minha língua entrava e saía. Quando voltava, o seu sabor trazia. Delícia. Elas pareciam ter as xolinhas lisas, úmidas e meladas. Se forem do mesmo sabor da minha, tudo de bom! Os beijos e os cheiros de seus corpos pareciam ser divinos! (meu vibrador estava entrando e saindo de minha xolinha, acarinhando-me o clitáris!) Uau... As contrações em minha xolinha aumentavam. Meu quadril remexia sobre o banco do carro. Mordia meus lábios inferiores. Meus seios pareciam dobrar de tamanho. Um calor percorria meu corpo e tomava conta do ambiente, embaçando os vidros. Uma das meninas abaixou-se para pegar seu isqueiro que caiu. Nem notou, mas sua calcinha eu puder ver. Branca e cavada! Melei-me. Aaaaah... Como é gostoso ter um orgasmo! Fechei minhas pernas e apertei o vibrador no meio delas. Meu pescoço apoiava no encosto do banco e meus olhos estavam fechados. Minha respiração acelerada.

As meninas entraram no shopping apás fumarem seus cigarros e deixarem suas marcas de batom neles. Eu estava encharcada! Anestesiada dentro do meu carro. Parecia estar nas nuvens. Tirei meu vibrador e desliguei-o. Chupei e guardei na minha bolsa. Liguei o ar condicionado. Abri uma fresta nos vidros. Ajeitei meu banco. Subi minha calcinha, verifiquei a saia e retoquei a minha maquiagem frente ao espelho. Quinze minutos depois, segui para uma reunião na igreja.

Minha filha está ajudando-me na busca por uma menina. Quando eu, ou até mesmo minha filha, tivermos novidades, escrevo para você.

Pessoal, por hoje é sá! Fique em paz e obrigado pela leitura. Beijos.

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


A melhor foda da minha vida, contoscontos eróticos troca de casalcontos da casa eroticos de mulheres tendos os cachorros ou lobos lambendo suas calcinhas e fodendo elascontos eroticos de mulher casada cagonacontos eroticos sogro filho e noraMeu irmão chupa minha maeContos greludas de fiozinho enfiadocontos eróticos 69 com ex cunhadacontos me ensinaram a bater uma siriricaContos eroticos de amigos q fuderam as amigasconto erotico minha esposa deixa calcinha aparecer na festa do sitio esposafiodentalcontoencoxei minha tia peituda (contos).contos eroticos tia marta morena coroa tenho bunda grandeconto a tia da piruaconto erotico minha esposa com o pateaocontos eróticos miha mulhere fica masturbando vendo travesticontos eroticos cm chantagia minha intiada para mim da a sua bocetinhaContos eu e as colegiasprimeiro conto de aline a loirinha mais puta e vadiaajudei meus amigos com a mae contoContos eróticos: menininha da a buceta pro camioneiro bem dotadocontos eroticos bumda arebitadasCasadoscontos-flagrei.contos eróticos jogando com a amiganoite pono nata dormiuminha vizinha de calcinha me chama em sua casa contos eroticosconto erotico loura com 3 africanosestou ficando louco pela filha de minha mulher incestocontos eróticos meu filhocontos enrabado na saunaconto erotico construcao estupradacontos eroticos comi meu amigocontos eroticos incesto lesbicas zoofilia eu, minha mae e o cavalocontoseroticos foi fuder no mato e foi comida por malandroscontos erotico trai meu marido com um estranho no onibusPornodoido passistasler c/ erot/ com as cunhdas da da roçaCalcinha cheirosa da sobrinha contoeroticoconto erotico com tia da bibliotecacontos eroticos fio dendal da esposa com tesaominha priminha titio contos eróticosconto gay acordado pelo dotadocontosinha xota fica molhadinha quandovejo na rua uma picaminha sogra minha esposa duas vadia contos eroticosbanho acompanhado contos eróticoscontos eróticos no colo pra me tercontos eroticos gay dei minha bunda pro filho da vizinhacontos eróticos de novinhas dando para garanhõescontoseroticos chupando meu tiohistorias eróticas os irmanzinhos na piscinafoi buscar a cunhada para a festa e meteu gostoso nelacontos esposa bunduda so traz problemasChantagem com mulher de salto conto eroticofudeno a sobrinha que domiacontos porno gay sobre conhadosprimeira vez em fraldas tesãocontos de coroa com novinhosou casada meti com o marido da minha melhor amiga contosContos de ninfetas sem calcinhame encoxaram a noite bunduda,troca troca no orfanato contos eróticos gayfui enrabado pe lo o yravesti na baladatransando com a namorada mais perfeitacontos comi o cu da mamãeconto erotico viadinho de calcinha dormindo no sitioliberei minha noiva loira pra dois contospm me comeu contocontos erticos do irmao com tesao por que a irma sentou no colo delecomendo a cunhada linda das coxas grossas e peitos lindos contos eroticoscontos eroticos sexo com minha empregada de vestido curtinhogostosa de shorte mostrando as beiras da bucetamalhadinha de cabelo vermelho malhadinha malhadacontos eroticos lingerie brancagozei gostoso e tive que ir pra casa com a buceta cheia de porra. contos eróticoscontos erótico comi minha amiga qusndo fui estudarEu morava sozinho na cidade a filha do meu amigo ela veio do interior pra ela ser minha empregada conto eroticoconto erotico acampando com a filhaContos gay me iludiu e me comeu