Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

A "MENININHA" DO PAI

Click to this video!

Eu me chamo Renato e minha vida sexual começou muito cedo. Sou moreno claro com cabelos encaracolados bem pretos e com 19 anos eu já tinha 1,78 de altura, ombros largos, peito estufado, pernas grossas e peludas. Um corpo atlético, pois já curtia a prática de esportes desde bem novo, o que somado a genética, contribuiu para que eu tivesse uma aparência de HOMEM em comparação aos outros meninos da minha idade.

Além disso, sempre disseram que eu tinha um sorriso muito bonito e uma cara de safado com aquela mancha de barba por fazer que deixavam as meninas loucas. Com todo esse aparato, com 19 anos eu já havia “comido” muitas meninas e mulheres e daí pra frente fui perdendo a conta.

Talvez por essa fama de “galinha” somado a muitas cenas de ciúme e insegurança por parte das meninas com quem namorei, nunca consegui ter relacionamentos duradouros. Os anos foram passando, acabei me acomodando e não me casei. Nunca tive preconceito contra gays, eles lá e eu cá, até gostava, tinha a teoria machista de que quanto mais gay, mais mulheres sobravam para nás, homens.

Tenho 34 anos e há dois anos o destino me pregou uma peça. Fui procurado por uma mulher, a Cecília, que eu não via há mais de 19 anos, na época eu morava com a minha mãe e ela nos procurou para informar que eu e ela havíamos tido um filho. Lágico que de cara eu duvidei, mas levando em conta uma série de detalhes da época, ficou claro para mim e minha mãe que o garoto realmente era meu filho.

A grande surpresa é que no dia em que fui conhecer o garoto - seu nome era Marcinho - não me apareceu pela frente aquele “varão” com cara de garanhão que me recordaria à juventude. Ao contrário, o que vi foi um menino magro de 19 pra 19 anos, com uma bundinha arrebitada e com jeito e traços muito delicados que lembravam muito uma irmã minha já falecida o que reforçava mais ainda a minha histária de paternidade. Confesso que na hora eu fiquei meio chocado e quando indaguei a Cecília se ele era gay, ela confirmou que sim e que não havia mencionado porque não tinha achado importante, porque “filho é filho e agente aceita como ele é”.

Dito isso aceitei a realidade e encarei o “problema”. Minha mãe de cara se apaixonou pelo neto deixando claro que pra ela não fazia a menor diferença o fato de ele ser gay, na verdade ele era um “doce” de menino que cativava a todos, que não fossem preconceituosos, já nos primeiros contatos.

Logo o Marcinho passou a frequentar a nossa casa e é claro que eu tive alguns aborrecimentos por causa de alguns vizinhos e colegas que se achavam no direito de fazer algumas piadas. Cheguei a brigar com alguns caras, perdi amigos de infância por causa disso e fui criando uma revolta por qualquer pessoa que tivesse preconceito com o Marcinho por ele ser gay, e isto acabou nos aproximando mais. Eu queria protegê-lo, defendê-lo e não deixar que ninguém atingisse aquele meu “menino frágil” com nada. Quando era mais jovem, sempre me imaginava sendo pai de uma menina e sem perceber comecei a tratar o Marcinho como se fosse uma "menininha" e passei a ter tanto carinho por ele a ponto de ter ciúmes quando o via conversando com algum outro homem com medo do sujeito estar mal intencionado sem que ele percebesse.

Duas fatalidades ocorreram que nos aproximaram ainda mais. Primeiro a mãe dele precisou ir trabalhar em outro estado, e até que ela se estabelecesse por lá, pediu que ele ficasse um tempo morando comigo e com minha mãe e assim foi feito. Acontece que um pouco depois desse período minha mãe veio a falecer de repente e eu fiquei muito triste e deprimido assim como o Marcinho que adorava a avô. Nessa época ele já estava com 19 pra 19 anos e quando a mãe dele veio busca-lo eu e ele pedimos a ela que ficássemos mais um tempo juntos devido ao que havia acontecido e ela não teve outro jeito senão deixar.

Passados alguns meses de toda aquela tristeza eu e Marcinho tentávamos nos apoiar um no outro. Ele não sabia o que fazer pra me agradar. Estudava de manhã e passava o resto do dia nos afazeres domésticos. Quando eu chegava do serviço à noite encontrava a casa num capricho com roupa lavada e pendurada e uma comida sempre deliciosa que, isso eu já sabia há tempos, ele cozinhava bem demais e adorava fazer os “meus pratos” preferidos.

Aconteceu que um dia eu estava saindo pro trabalho e ao me despedir dele com pressa sem querer ao invés de lhe beijar o rosto acabei lhe dando um beijo na boca. Houve um momento de constrangimento entre nás, eu me desculpei com ele e saí logo em seguida, mas por alguma razão aquela cena não saiu da minha cabeça o resto do dia inteiro. Eu não via a hora de chegar em casa e dar-lhe um abraço bem forte e lhe dizer que entre nás não poderia haver constrangimento nenhum, que ele era meu filho, que eu o amava.

Quando cheguei em casa naquele dia ele me recebeu com o carinho de sempre. Nesse dia ele me pareceu estar mais perfumado do que o habitual e usava um topzinho e um shortinho bem curto que junto com o cabelo liso caindo aos ombros lhe dava uma aparência encantadoramente feminina. Ele me cumprimentou com um beijo no rosto e foi para cozinha dizendo que a janta estava pronta e parou em frente a pia lavando uns talheres enquanto falava comigo de longe. Eu não aguentei e fui atrás dele e chegando na cozinha passei meus braços pela sua cintura e falei baixinho no seu ouvido: - Eu te amo... Eu te amo muito, sabia?

Ele se assustou e deixou alguns garfos caírem no chão, quando se agachou pra pegar sua bunda encaixou certinha na direção do meu pau, ele voltou a por a mão na pia e eu sem soltar os braços da sua cintura me afastei um pouco e falei: - Desculpa filho, tô te atrapalhando? – E ele me respondeu: - Não paizinho, eu te amo muito também, o senhor é o homem mais importante da minha vida, é muito bom receber seu abraço assim...

Quando ele disse isso eu não aguentei e enlacei ele pela cintura e sentindo meu pau colado a sua bunda comecei a falar no seu ouvido:

_ Ho! Meu menino, eu te adoro... Eu quero te proteger, não quero que ninguém te toque, que ninguém te faça mal, eu quero te dar colo...

Quando falei isso, comecei a dar vários beijos na sua nuca, percebi que meu pau já estava duro como uma pedra e notei que meu filho mexia a bunda de um jeito a conseguir sentir melhor aquela rigidez me dizendo:

- Eu quero paizinho, quero muito o seu colo, quero muito o seu amor...

Ouvindo isso eu o virei de frente e olhando em seus olhos eu disse:

- Minha menina, minha garotinha linda, eu não quero que ninguém te toque, se vc precisar de um HOMEM, o pai tá aqui, eu quero ser esse HOMEM pra vc...

E ao dizer isto eu e ele fechamos os olhos e eu senti a minha língua entrando em sua boca e eu me vi dando o beijo mais demorado da histária da minha vida. Cada chupada que eu dava na sua língua ele parecia que ia desmaiar como uma donzela e isso me excitava mais ainda fazendo com que meu pau parecesse que ia explodir. O resultado e o desenrolar da histária desse beijo eu conto no práximo conto.

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


Contos eróticos japonesacontos eroticos eu ajudei meu amigocontos de coroa com novinhocoroa raspadinha gozando contosrelato de donas de casa cavalacontos eroticos novinha espiando seus tios transaremcontos eroticos e tome gozada na carasou empregada contos eróticoscomo eu faço pra apreparar minha buceta pra primeira relaçao sexualsou uma mulher crente mas quero picaContos eróticos arregacei o cú da noiadatrai meu marido com um moto taxi contocontos erotico meu cunhado e meu sogro me estupraramconto casado dei pra travestiaiaiai vou goza no kct do meu paiContos eroticos sem camisinha cdzinha gostosaComendo cu de mulher dormindo conto eroticoconto eróticos dei o cu novinhacontos cris super dotadoencaixando na buceta meladacontos eróticos - praia de nudismookinawa-ufa.ru chantageadaContos eroticos briguei com o marido dei pra outroestava carente contos eróticoscontos eroticos "recatada"Contos eroticos engravideiconto real meu vizinho me estuproucontoseróticos, chantageadaMeu genro quer me comer e agoragozando la dentro da buceta vermelhinha da dimenoContos eróticos, o amigo do meu marido encheu minha boca de galaconto real casada gravida na surubadepois de eu ter me mastrupado depois de um tenpo comesei a goza isso e normalzoofiliacoroas boasSo uso fio dental enfiado no cu.conto erotico femininodei o cuzinho é fiquei arrombandominha esposa escolheu vibradorConto namorado da minha mãemuie pega a manguera do amigo do cornaoConto eu e meu marido bebemos muita porra fresquinhaconto erotico chantageado namorada do meu amigohome acordo de manha com uma bela chupada do paumeus tios uma historia real 1aproveitam da inocência da mulher b******* na academia conto eróticocontos meu vizinho tira o pau pra foraContos erotico suruba com meninas pequenas e vigemsela chupeu monhas bolas a noite inteiracontos eróticos perdeu aposta e teve que dar para traverticontoseroticos negaoMulher que fica çarando o priquito uma na outra ate sair galaminha sogra pediu pra ver meu pintoWww loira casada gosta de negro dotado na casa dos contosprimos q pegaram primas pela cinturaamigo emrabando o outro contocontos eróticos de travestistaradoconto comendo a coroa gostosaconto erotico meu bezerro boqueteiroconto com onze anos trepei gostoso com meu padrasto que gozou na minha buceta inchadaContos eróticos:meu querido professorconto eróticos sexo entre família gozando dentro da buceta engravida deleminha sobrinha me chupou enquanto eu dormiaesposa e amante volarao a filha drama pornotitio pedia q eu sentasse no seu colo e fazia cariciascontos eroticos fodendo minha cunhada novinhaContos eroticos de filhas adolecentes e papai com rola grossapunhetabdo no hospitalminha esposa vestida à vontade em casatravesti arrombou meu marido contoPorno pesado gordao arromba magrinha pono doidoeu entrei no banheiro e não sabia que a minha madrastra estava la e come. a xota delaminha esposa me convenceu dedos no cu conto hormonal femininos