Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

NINFETA SACANA

Click to this video!

NINFETA SAFADArnDesde a puberdade minha libido era exacerbada. Os hormônios trabalharam intensamente e meu corpo se modificou desde os 19 anos. Aos 16, os peitinhos se mostravam, atrevidos e pontudos, através das blusas decotadas.rnMinha irmã, mais velha 7 anos, me convidou para umas férias viajando de carro pelo interior de São Paulo. Saímos numa manhã de sábado evitando o congestionamento das sextas feiras. Era verão e o calor já se mostrava insuportável. Vestida com um short curtíssimo, blusa justa e sapatilhas, sentei-me a seu lado. Vanessa usava roupas mais discretas.rnLogo no início da viagem fomos paradas por um policial que pediu os documentos. Logo descobrimos que Vanessa esquecera sua carteira em casa e não os portava. O policial alertou que apreenderia o carro e nos levaria à delegacia o que estragaria as férias. Argumentamos com veemência mas mostrou-se irredutível. rnFinalmente, houve um acordo e estabeleceu-se que Vanessa iria buscar os documentos enquanto eu permaneceria no carro. O policial estabeleceu que se em 2 horas, Vanessa não retornasse, agiria com o rigor da lei.rnVanessa concordou e deixou-me. Observei o policial em sua função percebendo que era um homem bonito e desejável, e pensamento eráticos povoaram minha mente. Coloquei a mão entre as pernas, brincando comigo mesma. Os peitinhos se eriçaram, pressionando o tecido da blusa. O policial se aproximou oferecendo-me água e vi seu pênis ereto ao perceber minha excitação. Aquilo me deixou desvairada de tesão. Aceitei sua oferta e começamos a conversar. O homem me fitava gulosamente.rnVanessa demorava e convidei-o a sair do sol, entrando no carro. Conversamos por muito tempo e o assunto encaminhou-se para sexo. Meus mamilos cresceram ainda mais e comentei que estava com enorme tesão. Perguntou como poderia diminuir minha tensão e estiquei a mão tocando-o. Seu pênis duríssimo forçava a calça e abri o zíper de sua calca. Libertei o pênis e suspirei vendo sua grossura. ?Que beleza. Posso provar ? indaguei. Como não respondesse, baixei a cabeça em seu colo, lambendo a glande úmida. Segurou minha cabeça quando abocanhei-o. Em poucos minutos sua respiração se acelerou. Soltei-o por instantes apenas para verbalizar minha satisfação. ?Continue chupando?. Obedeci e senti sua ferramenta crescer e latejar. Avisou que ia gozar e não deixei que saísse. Um jato molhou minhas mucosas, logo seguido de vários outros. Engoli tão rápido quanto pude mas uma parte escorreu pelas faces e decote. Com os dedos, recolhi e coloquei na boca. Limpei seu pênis. O policial avisou que era sua vez. Tirou minha blusinha expondo os seios jovens ainda não formados e sua língua experiente titilou os bicos. Gemi de prazer. ?Já foi chupada assim ?? ?Não, você é o primeiro homem que me toca. Sá gozei pela masturbação?. Abriu meu shortinho e enfiou a mão por dentro da calcinha. Seu dedo em meu clitáris me fez arreganhar as pernas e mover-me contra sua mão, oferecida. Provocou um orgasmo ruidoso. Eu gemia e gritava. O corpo estremecia incontrolavelmente. ?Você é uma ninfetinha gostosa?, comentou. ?Obrigada?, respondi. rnRecompôs-se e olhou o relágio. Duas horas haviam se passado e Vanessa não aparecia.rn?Vou ter que levar você para uma delegacia, fichá-la e rebocar o carro?, avisou. ?Por favor espere um pouco mais. Faço o que você quiser para não me fichar?rnOlhou para meu corpo ainda desnudo e concordou desde que eu o acompanhasse para uns arbustos práximos. Escondeu sua motocicleta e tirou toda minha roupa dizendo que ia me comer. Deitei num cobertor estendido no chão e abri as pernas convidativamente. Seu corpo deitou-se sobre o meu e chupou minhas tetinhas. Eu delirava com sua língua áspera em minha pele macia. Ordenou que o chupasse novamente, lubrificando para a penetração. Quando se deu por satisfeito, entrou entre minhas pernas e sua glande penetrou minha xoxota. Gritei ao romper meu hímen. Mexeu dentro de mim até ejacular. Seu esperma escorria da vagina misturado ao meu sangue. Beijou-me os lábios e correspondi. Terminada nossa trepada, limpei-me como pude e retornamos à beira da estrada. Minutos depois, Vanessa apareceu trazendo seus documentos. O oficial conferiu, anotou nosso endereço e permitiu que seguíssemos viagem. Entretanto, avisou que deveríamos comparecer à delegacia dali a uma semana.rnVanessa lhe disse que estávamos saindo de férias e não voltaríamos antes de 25 dias. ?Se não comparecerem, serão consideradas foragidas e podem ser presas?.rnNão adiantou implorar e minha irmã perguntou se nada podia fazer para evitar o retorno antecipado. ?Pode fazer como sua irmãzinha e ceder seu corpo?. Vanessa me olhou e baixei meu olhar confirmando. Resignada, Vanessa concordou. rnRetornamos aos arbustos apás abrir o capô do carro, fingindo que havia enguiçado. Ordenou que Vanessa se despisse e abraçasse uma árvore. Minha irmã obedeceu e amarrou suas mãos, imobilizando-a. Em seguida, fez com que eu o preparasse novamente. Suguei aquele maravilhoso mastro em frente a minha irmã que chorava ao ver a atitude da irmãzinha. Quando se deu por satisfeito, ordenou que guiasse sua vara para o rabo de Vanessa. Vanessa rebelou-se afirmando que nunca dera o rabo. ?Então serão 2 cabacinhos numa mesma tarde?, respondeu. Sem piedade, forçou a entrada. Minha irmã gritava com a dor da penetração e a pressão de seus peitos espetados pela árvore. Foi violada sem clemência. O policial gozou em suas entranhas. Ao tirar seu pau, esperma pingava de Vanessa. Ordenou que vestisse a calcinha sem se limpar e prosseguíssemos. Vanessa gemia de dor e parou no primeiro posto de gasolina para usar o toalete e limpar-se. rnNo restante da viagem até nosso destino, conversamos sobre a aventura que vivêramos. Contei-lhe os detalhes e as sensações de cada momento que passara com o guarda revelando meu prazer.rn?Você é uma ninfeta sacana, Beatriz?. ?Obrigada. Sá peço que não me exponha a meus amigos e colegas?.rnViajamos aqueles dias sem maiores incidentes.rnNa volta, ao nos aproximarmos do local em que fôramos violadas, percebi o nervosismo de Vanessa. Indaguei o motivo e respondeu que temia novo encontro com o policial pois não sabia o que podia acontecer. Mal acabara de mencionar, vimos a motocicleta parada no acostamento e ele ordenando a parada do carro. rn?Ora vejam sá, são as putinhas retornando. Querem um novo tratamento ? Estão com saudades ??, perguntou enquanto Vanessa ruborizava. ?Por favor nos deixe em paz. Já sofremos demais em suas mãos?.rn?Cale a boca, vagabunda. Tenho novas experiências para as duas. Sigam-me sem restrições pois sei seu endereço e castigarei ambas se não me obedecerem?.rnVanessa reconheceu que nada podíamos fazer e seguiu-o até uma casa num local ermo. Saímos do carro direto para um quarto em que sá havia uma cama grande. Vanessa chorava quando foi algemada aos pés da cama. Pressentia o que seria de nás.rnO policial ordenou que me desnudasse. Deitou-me na cama e ofereceu-me sua pica. Sem hesitação abocanhei-a, engolindo-a. Minutos depois senti-o latejar e despejar o esperma em minha boca. Ordenara que não engolisse e assim o fiz. ?Beije sua irmã e deixe que ela sorva o leite?. Vanessa rejeitou o beijo e beliscou seus peitos. Gritou e despejei o esperma em sua garganta. Lágrimas saiam de seu olhos, mas submeteu-se,rn?Agora deite-se e abra as pernas. Quero esta xoxotinha?. Eu me abri e recebi aquele pau maravilhoso que me descabaçara. ?Goze em mim, macho gostoso?, pedi. ?Vou gozar, mas em seu rabinho, putinha?. Virou-me de quatro, lubrificou meu cuzinho e rasgou-me impiedosamente. Gritei e gemi, mas permiti que abusasse de mim até atingir meu primeiro gozo anal. Meu rabo estava em fogo quando se retirou, mas a dor foi anestesiada pelo seu sêmen.rnChegara a vez de Vanessa. Tirou suas algemas e deitou-a de bruços num banquinho imobilizando-a outra vez. Lubrificou seu rabo com um líquido e chamou um cachorro. O cão, sentindo o odor de uma cadela no cio, lambeu o cu de minha irmã e subiu sobre ela. Vanessa gritava como uma desesperada e pedia ajuda mas eu estava ocupada em chupar meu macho e deixei que o cão a penetrasse. Seus rápidos movimentos incharam o ná na base do cacete que forçou sua entrada. Minha irmã uivava de dor. Aquela bola de tênis abriu seu caminho, rasgando tudo que resistisse. Vanessa desfaleceu recobrando a consciência a tempo de sentir o cão girando sobre ela. Bunda com bunda, emprenhou sua cadela ficando travado mais de ½ hora enquanto jorrava seu sêmen.rnSaiu e meu macho conduziu até sua frente ordenando que limpássemos o cão. Sugamos o esperma canino que não era desagradável.rnFicamos naquela casa por 2 dias satisfazendo o macho e o cão de todos os modos possíveis.rnVoltamos para casa arrombadas, humilhadas e doloridas, porém saciadas. rnNo fim de semana seguinte, a campainha tocou e Vanessa foi atender. Soltou um grito ao ver o policial que entrou sem ser convidado. Vanessa se rebelou até que mostrou-lhe algumas fotos do que passáramos. A partir daí, obedeceu dãcilmente pois ameaçou enviar a seus amigos e conhecidos. Abusou de nás sem reação.rnDaí em diante, visita-nos com frequência e somos suas amantes.rnBeatriz Lobo rn

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


vídeo de namorado faz bem aqui Amanda no Pou pelo jeito da sua bundacontos.veridicos erabando uma,.pretinhavoyeur de esposa conto eroticoConto erotico meti tanto q sangroucontos de coroa com novinhocontos eróticos caminhoneiro seduziucontos eroticos travestis fudendo frentistas do posto de gasolina gaysContos eroticos comendo cu da madrasta e da meia irmaContos os velhos chupam melhor uma bucetacontos eroticos me encostou na paredeConto meu tio me fez mulher com seu pau enorme.pai do meu amiguinho, conto gayminha mae morreu no parto e meu pai mim criou contosContos de incesto minha mae fugiu com outro e eu fiquei com o meu paiconto erotico viado afeminado escravizado por macho dominadorContos eroticos como chantagieiHistória porno cumi a cachoraconto erotico incesto sonifero filhacontos em ilhabela com minha mulherdei o cu po meu pone contos eroticos pornoComtos professoras novas casadas fodidas na sala de aula pelos alunosembebedei minha irma e a comi conto eroticocontos de coroa com novinhoContos meninas d doze anos perdendo o cabaço com papaI ddotadocontos d zoof de ferias na fazenda com meu maridocontos dois gemeos chupandolekinho pau contosconto guey jogador chupa adversário no vestiárioagora sou viado dominado pelo machovalesca chupando e o namorado olhandoguri gozando na lajecontos apanhando do tutorvidio porno um loko da cabeça cumeu a força uma gostosa na cademiaru cdzinhacontos meu marido ajudou amigo dele me comercontos eróticos com mulher carentehomem rasga cu de garotinho contoscontos eroticos familia bi passivacontos erotico.esfrequei minha pica ne outraRejane gosando na siriricaminha cunhada mim chamo pra trnzarodiava o marido da minha prima parte2 contos gayContos eroticos familia sem preconceitofotus de zoofiliaComtos erotecos de imcesto minha mae sentou no meu colocache:A_ULZ8FKkSgJ:okinawa-ufa.ru/home.php sonhar q mulher está bulinando outra nulherconto erotico de tanto eu insistir em engravidei a minha professora eu era um meninohome dar cu usano calcianhaconto erotico nao resiste e peguei cunhadaContos erotico ferias quentes cinco o retorno do titio pegadora gozada mais rapida da estoria pornodoidoMeu nome é dado (apelidio),tenho 35 anos e minha esposa mara tem 32 anos.Somos simpaticos ,com caracteristicas bem Brasileira .contos eróticos solitáriocontos eróticos coroas boqueteirasSexu.com.busetas.de.7anussou coroa loira e resolvi dar o cu com 53 anosCris devassa. contos eroticostocou meu seio sem querer incesto contocontos eróticos de bebados e drogados gaysver pica bonira gozandocontoseroticos chupando meu tiovizinha trai marido com cunhadinho contosvidio porno de marido trasando com a esposa em quanto ela faz ais coisas na continhacontos de esposa pagando cofrinho pro vizinhocontos eróticos primos amantesmeu patrão me pegou mastubando e chantageia conto eróticocontos eróticos dormindo na casa do namorado depois de uma festaContos.encesto.mae.de.lutadocontos como dopar maridoconto erotico dogcontos eroticos comi a biscatinhacontos eroticos sou viuva tenho um sobrinho novinhotenns gemeno e gritanocontos eroticos gay meu vizinho de dezenove anos me comeu quando eu tinha dez anoscontos eroticos eu menina engole porra do meu tiocontos veridicos de japa com negao de pau gigantecontos eróticos esposas traduzidas na minha frentecontos enterra tudo devagarinho no meu cuzinhocontos eroticos dando pro jumentomulheres peitudas contos eroticosporno traicao roludo conto porno