Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

MINHA MULHER FETICHES, SADO-MASOQUISMO, SEXO ANAL

Click to this video!

Há muito que o Diogo me confidenciara que os pés de minha mulher o excitavam muito. O formato dos dedos, as solas muito macias, a maneira de mexer os dedos quando usa sandálias, tamancos, chinelas de salto ou mules. rnrnHá dias, estando os 3 juntos, ela brincava com as chinelas de salto alto que trazia, deixando por vezes cair uma ao chão. Numa dessas vezes, ele não resistiu a pedir que ela não a calçasse, antes descalçasse também a outra e o deixasse acariciar-lhe os pés.rnrnEla deu uma pequena gargalhada provocante e respondeu que por ela não se opunha. Olhou para mim com olhar de curiosidade e respondeu-lhe que sá se eu me opusesse. rnrnEle virou-se para mim com olhar de quem pede uma guloseima. Respondi que não me opunha, mas que não passasse mesmo das carícias (mas nem eu mesmo queria que aquilo ficasse somente por essas carícias, pois queria que ela fosse usada até ao fim por ele). As carícias foram em breve para beijos nos pés, lambidas por todos eles e terminaram com chupadelas em cada um dos dedos. rnrnEste longo tormento, não foi sá para ele (tormento misturado com um enormíssimo gozo facilmente notado através das calças...*rss), mas também para mim que, confesso, não estava melhor com a cena a que assistia. E ela, pela forma como fechava de quando em vez os olhos e largava pequenos suspiros, facilmente se detectava que estava tendo um enorme prazer com aquilo tudo. Ele despira já a camisa, pois que o calor era, na verdade, insuportável? Era demais, não dava para resistir e eu assistia a tudo com um enorme tesão.rnrnEu sá pensava numa coisa, enquanto assistia àquela cena de enorme carga erática: como era irritante não ter ali outro homem para a usar também em sado-masoquismo. Mas também prometi que criaria oportunidade para uma práxima vez, sem que nessa ocasião ela ficasse sem o castigo total que se impunha.rnrnUma das condições impostas por mim foi a de que ela teria que ser usada totalmente. Quer numa loucura de chupadas e lambidas dos pés, como em variantes que muito me excitam: eles teriam que chicotear o corpo dela e também as solas nuas dos pés, ora usando um cinto de couro, ora uma régua de madeira, ou ainda um chicote de tiras de couro e uma palmatária de couro que eu comprara há tempos para este fim, mas sá agora veria concretizado (ainda que eu já tivesse experimentado estes instrumentos com ela, mas o que mais me excitava era vê-la chicoteada e usada por outros homens, comigo como simples observador).rnrnEla seria obrigada a aceitar tudo isto e ainda ser forçada a chupar o pau deles e a praticar ?footjob? com os pés. Eles teriam que a penetrar analmente e se umas vezes descarregariam o leite na boca dela, outras teriam que o fazer nos pés dela. rnrnPor outro lado, seria desejável que também uma mulher, pelo menos, se associasse aos nossos jogos sexuais, pois há muito que desejava vê-la com outra mulher.rnrnJá por várias vezes eu lhe havia proposto uma sessão de sexo com uma mulher, mas ela sempre se mostrara renitente, dizendo que não estava ainda preparada para fazer sexo com mulheres. Não que não sentisse atracção por algumas mulheres, mas porque tinha alguma vergonha e nem sabia bem como seria o resultado se não fosse com uma mulher muito especial e em situação também especial.rnrnDepois da cena a que assistira com o Diogo, falei com ele sobre o tesão que aquilo me provocara e sondei-o no sentido de saber se a mulher dele, a Marta, seria mulher para alinhar connosco em sexo, sugerindo que ela ensinasse à minha mulher o sexo lésbico.rnrnA resposta do Diogo não poderia ser mais favorável à minha sugestão, já que ele sabia que a Marta gostava muito de praticar sexo com outras mulheres e já haviam mesmo experimentado isso com algumas contratadas para o efeito.rnrnAlém disso, havia uma razão muito especial para esta proposta dar bons resultados: a Marta era amiga de longa data da minha mulher (haviam sido colegas de faculdade e tinham terminado o curso de Direito no mesmo ano), e já havia confidenciado ao marido várias vezes o tesão que tinha pela antiga colega de estudos. Por outro lado, nada mais apropriado para uma primeira experiência de sexo lésbico de minha mulher do que com a amiga de longa data e tantas vezes confidente.rnrnFalei com minha mulher e propuz-lhe isso mesmo. Ela mostrou-se algo renitente ainda, tanto mais que teria vergonha, pois nunca tinha tido conversas com a Marta sobre a matéria e receava estragar a amizade. Sosseguei-a, dizendo que não sá a Marta estava já ao corrente do que se iria passar, como aceitara de muito bom grado pois queria muito fazer isso com a amiga. Além disso, disse-lhe, a Marta confidenciara ao Diogo que há muito sentia grande atracção física pela amiga e desejava-a sexualmente, embora nunca tivesse tido coragem de lho dizer pessoalmente, pelo mesmo motivo (não saber a reacção da amiga).rnrnFinalmente a minha mulher aceitou a proposta, ainda que tenha sugerido que fosse melhor inicialmente ser a amiga a tomar a postura activa, pois não se sentia com caragem para fazer qualquer coisa enquanto a Marta não tomasse a iniciativa.rnrnAssim ficou decidido e isso mesmo transmiti ao Diogo para ele informar a mulher. Tudo combinado e aceite sem qualquer reticência. O que me custou foi esperar pela semana seguinte, para a data combinada.rnrnAssim foi.rnrnUns dias depois, eles chegaram a nossa casa à hora combinada (diria mesmo que estavam em enorme ansiedade, pois à precisa hora aprasada eles já estavam a tocar à campaínha), tendo eu chamado a nossa casa igualmente outro dos nossos amigos, o Henrique.rnrnrnEu queria que fossem amigos da maior confiança e experiência em matérias de práticas de sado-masoquismo e fetichismo dos pés. Eram assim o Diogo e o Henrique os que melhor serviam para o fim que eu destinava: vê-la usada com todos os requintes do sado-masoquismo e do fetiche dos pés. E o Diogo e o Henrique são verdadeiros mestres não sá nos castigos, mas também completamente loucos pelos pés dela. Desde que casei com ela que eu sabia que eles eram totalmente apaixonados por ela e sempre me confidenciavam que ela deveria ser fantástica para ser chicoteada e penetrada no ânus. Seu traseiro é, segundo eles, um verdadeiro apelo a ser usado até à exaustão. rnrnEra chegado o momento de eles me mostrarem todos os seus dotes e usarem o corpo dela até a ver totalmente usada, chicoteada, penetrada no cu (apenas mantive como exigência que eles somente a penetrassem analmente), e usarem os pés dela para lamber, chupar e castigar. Deveriam chicotear-lhe os pés quer por cima e nos dedos, quer nas solas, até ela gemer bastante de dor. Era condição que nem seria preciso referir, pois eles pretendiam fazer-lhe isso mesmo e ver a sua escrava gemer e chorar de dor. Enquanto isso, eu ficaria a observar, não resistindo a masturbar-me com tudo aquilo, podendo mesmo por vezes obrigá-la a chupar-me o pau enquanto era açoitada pelos nossos amigos.rnrnQuando chegaram a nossa casa, eu e minha mulher esperávamos por eles na sala. Numa mesa ao canto encontravam-se inúmeros instrumentos que eu queria que eles usassem nela: chicotes de tiras em couro, palmatárias e cintos também de couro, plugs, algemas, gel anal e ainda réguas de madeira. Ela tinha vestido um vestido curto verde esmeralda (que condizia com os seus belos e sensuais olhos também verdes), justo ao corpo, o que permitia que todas as suas belas formas ficassem bem expostas, e calçava umas chinelas pretas de salto alto, apenas com uma presilha fina e coberta de pedras imitando diamantes, que passava entre o dedão e o 2ª dedo como as havaianas. rnrnA Marta apresentou-se com um sensual vestido preto curto, bem decotado, que permitia igualmente adivinhar todas as suas belas formas, não sá do peito delicioso como de um majestoso traseiro arrebitado. Calçava uns sapatos pretos de salto alto, daqueles que deixam ver o início dos dedos dos pés por serem bem decotados à frente. Um tesão!rnrnCumprimentamo-nos e logo minha mulher chamou a Marta para o seu lado, enquanto nás homens conversávamos sobre matérias que pretendiam disfarçar o tesão com que estávamos.rnrnJantámos e fomos jogar cartas, como aperitivo para o que viria depois. Não sá se havia bebido bastante durante o jantar (eu tudo tinha feito para que a minha mulher bebesse bastante, deixando-a assim em estado de completa euforia que facilitaria o sexo louco que a esperava), como continuámos a beber outras bebidas mais fortes e alcoálicas.rnrnEstava tudo a correr como o esperado. A minha mulher estava já bem eufárica, o que provocou largas gargalhas de todos nás, pois ela estava completamente desinibida e provocava-nos não sá a nás como à Marta. Fez mesmo menção de brincar com as chinelas na ponta dos pés, sabendo quanto isso nos excitava. Aquela cena começou de imediato a cumprir o seu objectivo: deixou-nos logo em estado de excitação indisfarçável.rnrnEla dava gargalhadas com um olhar provocador em direcção ao Diogo e ao Henrique e eu tive que dar ordens para que ela ficasse de imediato nua. Ela despiu o vestido, mostrando ter apenas por baixo um fio dental preto e rendado que igualmente despiu. Apenas lhe disse para conservar ainda calçadas as chinelas. rnrnDepois de mandar o Diogo dar-lhe umas palmadas fortes no traseiro nu e exposto (aquele fantástico traseiro majestoso e tanto admirado e elogiado pelos meus amigos), mandei-a vestir-se de novo, apenas dizendo para conservar o fio dental no chão.rnrnEra chegado o momento de mudar o cenário. Coloquei um filme porno e começámos a ver. A Marta sentou-se no sofá com a minha mulher, e nás colocámo-nos sentados em duas poltronas perto delas, em posição que facilitasse não sá ver o filme como tudo o que se iria passar entre elas.rnrnà medida que o filme ia mostrando cenas de sexo cada vez mais ousado, elas iam mostrando maior excitação. Eu havia escolhido um no qual não sá as cenas de sexo entre mulheres eram muitas e verdadeiramente escandantes, como várias cenas de sexo sado, com mulheres a serem chicoteadas; era o que eu esperava ver mais adiante ao vivo.rnrnA certa altura a Marta descalçou os sapatos e começou a acariciar as coxas da minha mulher com os pés nus. Por vezes levava um dos pés à cara e lábios da amiga e logo voltava para lhe acariciar as coxas e insinuar-se para dentro, entre as pernas, tocando no sexo dela exposto. Era um tesão ver aqueles belos e sensuais pés da Marta no sexo e ânus da minha mulher.rnrnComo a minha mulher não oferecia resistência, muito pelo contrário, ela descalçou-lhe as chinelas e começou a lamber e a chupar os dedos dos pés da minha amada.rnrnA minha mulher respondia com gemidos de prazer e ela não se conteve mais e incentivou-a a despir-se, fazendo o mesmo.rnrnQuando estavam ambas totalmente nuas, a Marta iniciou um longo e excitante percorrer com a língua de todo o corpo da minha mulher, enquanto com os dedos a ia acariciando no sexo e no ânus, logo trocando os dedos pela língua nos dois buracos.rnrnA dado momento, já nada as separava do sexo total, pois a minha mulher era a que mais activa se mostrava nas carícias bocais, percorrendo cada centímetro do corpo da amiga com a língua e os dedos. Parecia que há muito praticava sexo lésbico, tal a mestria que demonstrava e o tesão que provocava na Marta, arrancando-lhe por vezes pequenos gritos de enorme excitação.rnrnO Henrique comentou para nás que ela estava a pedir um castigo bem dado, pois estava nitidamente a provocar-nos não sá com aquela cena de sexo lésbico intenso, como com a visão do seu belíssimo corpo nu e dos seus belos e sensuais pés, com as unhas pintadas de esmalte vermelho. rnrnInicialmente, disse-lhes para eles tirarem a camisa e ficarem somente em cueca. Seria melhor para os movimentos que teriam que fazer, bem como facilitaria que ela tratasse convenientemente dos paus deles, iniciando com uma masturbação por cima da cueca, para depois meter o pé descalço por dentro da cueca. Depois ela começou a puxar a cueca para baixo com os pés até o pau do Henrique aparecer na sua magnitude, já mostrando alguma erecção provocada pelo massajar dos pés dela. rnrnO Diogo não resistiu a desnudar-se por completo e a masturbar-se com a visão a que assistia. rnrnEla continuou então a massajar o pau do Henrique até eu a mandar parar. Ela assim fez e deixei-os observar o belo corpo dela na sua nudez total, obrigando-a a ficar em posições que mostrassem bem toda a sua beleza, particularmente o seu belo traseiro que eles iriam castigar com os cintos, palmatárias e chicotes de tiras de couro, enquanto lhe seria introduzido um plug no cu para ela se ir habituando a posteriormente ser enrabada. Tudo instrumentos que eu comprara há algum tempo e entendia serem os que melhor serviam para a castigar, pois que marcavam o seu corpo de tesão sem deixarem por muito tempo vestígios de feridas nem provocarem sangue. rnrnDeixei-a depois continuar a masturbação do pau do meu amigo, agora com muito maior vigor e excitação, dado que ele práprio comentava como era de enlouquecer sentir aqueles dedos e solas macias a tocar e masturbar-lhe o pau. Em breve ele estava já em completa erecção, temendo que não resistisse e jorrasse todo o seu leite nos pés dela. O que eu queria ver, mas não ainda. Sá mais tarde, depois de a ver bem chicoteada e penetrada no cu.rnrnEla é de tal modo mestra na masturbação com os pés que deixa qualquer um em estado de completo transe, pois alterna a masturbação do pau com massagens nos testículos e deixa por vezes um dos dedos massajar e penetrar o cu do parceiro. Total loucura, para experimentar e para observar ser feito a outro homem.rnrnDepois de longo uso dos pés em carícias e em footjobs, é o momento de a preparar para o chicote e para o uso do seu corpo desnudado. Ela deve ser usada como uma autêntica escrava e o seu corpo deve padecer sob o chicote de forma a arrancarem-lhe gemidos de dor. E a mim e aos nossos amigos um inesgotável prazer e excitação.rnrnApenas recusei um desejo dos nossos amigos. Eles queriam usar uma vara fina para a açoitar, mas eu opuz-me. Sá poderiam usar chicotes ou cintos (estes preferencialmente largos e de couro), que também iriam servir para lhe castigar as solas nuas. A vara não me excita tanto e a ela magoa bastante mais e deixa-lhe o corpo demasiadamente marcado de uma forma que não me agrada. O cinto, a palmatária de couro ou o chicote de tiras marca mas de forma mais atraente e excitante. E também a faz gemer de dor e tesão, podendo ser usados com maior força sem deixar marcas que deformem o seu corpo, ou a impeçam depois de se sentar ou andar, pois as costas, os seios, o traseiro e as solas ficam doridas mas sem ferimentos demasiado marcantes e, muito menos sangue, coisa totalmente proibida..rnrnPara este castigo ela foi inicialmente atada a duas colunas da sala, com algemas de couro que eu tinha comprado, com os braços erguidos em forma de cruxificada, bem como os tornozelos, totalmente nua mas ainda calçando as excitantes chinelas que ainda tornavam os seus deliciosos e sensuais pés mais provocantes. rnrnInicialmente o Diogo penetrou o seu orifício anal com um plug, depois de bem lubrificado com gel para o efeito que eu comprara para a enrabar, iniciando um longo entra e sai naquele cu fantástico e sensualíssimo. Enquanto isso, a Marta iniciara uma masturabação no pau do Henrique, indo depois chupá-lo com enorme mestria, largando-lhe fortes gemidos de prazer. rnrnEm seguida, depois do Diogo deixar o plug totalmente enterrada no cu da minha mulher, eles castigaram-lhe o traseiro com as mãos, com cada vez mais força, até ela gemer de dor e o seu belo traseiro ficar bem vermelho. Mandaram que fosse a Marta a iniciar o castigo, chicoteando o corpo da minha mulher. Ela assim fez, começando por acariciar todo o corpo exposto e atado, beijandoe lambendo-a nos lábios, nos seios e orelhas, enquanto com a mão livre a acariciava no sexo e tirava e metia de novo o Plug no ânus da minha mulher. Era de fazer tremer de tesão tudo aquilo. Logo depois começou finalmente a chicotear o corpo de minha mulher, primeiro levemente, logo de seguida com maior violência. O chicote percorria todo o seu corpo, incidindo quer nas costas, quer nos seios e, obviamente, no seu fabuloso traseiro exposto, com o seu buraco anal penetrado pelo plug. A minha mulher gemia já de dor, pois as chicotadas eram já aplicadas com muita violência e excitação visível da Marta. O seu corpo mostrava já as marcas do chicote. Depois a Marta foi mandada parar e foram os nossos amigos que reiniciaram a sessão com os chicotes de tiras couro, alternando com um largo cinto de couro dela prápria, áptimo para estes castigos. O Diogo parava por vezes de a chicotear para a obrigar a chupar-lhe o pau duro.rnrnEra uma delícia de ver e eu estava super excitado a ponto de os incentivar a castigá-la com mais força. Queria ouvir os gemidos de dor e queria ver o corpo dela bem mais marcado pelo chicote e pelo cinto.rnrnA certo momento o Henrique entendeu que seria melhor mudar a posição dela, pois queria chicotear-lhe também as solas dos pés. Por isso entendemos que seria melhor colocá-la de joelhos num banco, deixando assim as solas bem expostas e na posição ideal para serem açoitadas. O Diogo mandou a Marta iniciar uma lambida nas solas expostas da minha mulher, indo por vezes chupar-lhe cada um dos dedos dos pés. Foram das ordens à Marta para deixar as solas da Berta bem molhadas de saliva. Enquanto assistíamos a esta cena maravilhosa, eu sugeri ao Diogo que talvez a Marta também merecesse umas chicotadas, pois havia sido ela a iniciar o sexo entre as duas. Ele respondeu-me que não se opunha a que a mulher fosse castigada e que eu práprio o poderia fazer. A Marta parou de lamber as solas da minha mulher e olhou para trás algo admirada mas enviando-me um sorriso que não deixava qualquer dúvida da aceitação do castigo. Logo regressou aos pés da amiga, chupando longamente cada um dos dedos da minha mulher e lambendo em toda a extensão das solas.rnrnEra chegada a hora de eu iniciar o castigo. Para isso peguei num dos chicotes de tiras e comecei a chicotear as costas e traseiro da Marta, que estavam em boa posição para isso. Com ela ajoelhada e agachada a lamber e chupar os pés da minha mulher era melhor ainda para ser açoitada. Chicoteei bem as costas e o traseiro da Marta e depois parei para ir buscar um cinto de couro com que comecei a castigar fortemente as solas nuas da mulher do nosso amigo. Ela queixava-se bastante de dores mas não disfarçava também enorme tesão com o castigo.rnrnO marido e o Henrique gostavam do que viam e masturbavam-se com a cena, indo por vezes dar palmadas no traseiro da Berta e obrigando-a a chupar-lhes os paus.rnrnEra chegada a hora da minha mulher tornar a ser chicoteada por eles.rnrnComeçou então o Henrique a castigar-lhe as solas violentamente com o cinto de couro, provocando-lhe dores intensas que a faziam gemer de dor até às lágrimas. Por vezes ele parava de lhe castigar as solas para lhe lamber os pés, especialmente as solas magoadas, chupando lentamente cada dedo e depois regressando para as solas, onde cuspia para elas ficarem de novo bem molhadas e assim serem bem mais dolorosos os açoites com o cinto. rnrnTambém os seus belos seios eram chicoteados pelo Diogo, provocando nela gemidos de dor. A certo momento ele foi mesmo buscar uma espátula de madeira da cozinha, de uso na culinária, e começou a dar-lhe reguadas fortes nas solas, o que provocou gemidos dela mais fortes, quase roçando os gritos de dor. Era deliciosamente excitante assistir a tudo aquilo e ver como ela gemia de dor. Por vezes eu lembrava que eles brincassem um pouco com o plug, tirando-o e voltando a penetrar-lhe o cu até ao fundo.rnrnA dado momento o Diogo sugeriu que seria melhor desatá-la para poder também açoitar o peito dos pés e dedos com um cinto fino de couro, coberto de aplicações de metal, o que lhe provocou dor intensa manifestada por gemidos e choro convulsivo. rnrnAchamos então que estaria suficientemente castigado todo o seu corpo e o Henrique perguntou-lhe se as solas e o resto dos pés (peito e dedos) lhe ardiam bem. Ela respondeu afirmativamente (quase seria desnecessário, pois que se percebia facilmente como as solas dela estavam em brasa e o peito dos pés e dedos com vergões vermelhos). Não satisfeito com isso, o Henrique entendeu castigar-lhe as palmas das mãos com violentas reguadas, incialmente com a régua de madeira e depois com uma palmatária fina de couro, provocando-lhe dores intensas pela violência usada, não evitando de novo as lágrimas e choro convulsivo. Ao contrário, a nás provocava um enorme tesão toda a cena, pelo que ela foi castigada nas mãos com cerca de 50 reguadas em cada uma delas.rnrnEnquanto o castigo durava, a Marta entretinha-se a massajar-me o pénis, indo por vezes penetrar o meu cu com um dedo e depois dois, iniciando um sexo oral que engolia o meu pau até ao fim. rnrnFinalmente parou o castigo e ficámos os quatro a observar por breves minutos a beleza desnudada e exposta da minha mulher, o seu belo e sensual corpo marcado pelo castigo, com largos vergões vermelhos nas costas, coxas, traseiro e peito. Apenas os seios foram chicoteados com muito maior cuidado e sem violência dada a natureza sensível dessa zona. Mas as solas e as palmas das mãos estavam bem vermelhas e o peito dos pés e dedos mostravam também terem sido bem castigados. rnrnEra chegado o momento dela massajar mais o pau do Diogo com os pés, o que lhe provocava dor mas também uma enorme descarga de tesão. O Henrique foi preparando o cu dela para ser penetrado, enquanto os pés dela trabalhavam com vigor no pau do Diogo.rnrnO Henrique começou a lamber bem o ânus de minha mulher com a língua, penetrando-o por vezes com um dedo e depois dois. A seguir começou lentamente a penetrar-lhe o cu, enquanto ela gemia num misto nítido de dor e tesão. Era de enlouquecer toda aquela cena, pois o Diogo mandara-a parar de lhe masturbar o pau com os pés para lhe penetrar a boca com ele, obrigando-a a chupá-lo com vigor, por vezes alternando com lambidas que ela lha dava no cu.rnrnEnquanto isso, eu era massajado pela Marta, tendo a dado momento também experimentado penetrar o ânus dela, depois de lhe açoitar o traseiro com uma das palmatárias de couro. rnrnUma total loucura era tudo aquilo e eu práprio não queria que acabasse mais. Tinha que ser repetido, muitas mais vezes. Talvez com mais amigos, talvez com outras amigas, seria uma loucura vê-la ser usada também por várias outras mulheres.rnrnDepois de ter sido penetrada longa e profundamente no ânus, eles entenderam que seria excitante ela ser penetrada pelos dois ao mesmo tempo, ficando o Henrique deitado e penetrando-a na vagina e o Diogo indo penetrar-lhe o cu. Isto não estava nos meus planos, pois eu havia reservado o sexo dela somente para mim, sendo apenas inicialmente permitido que eles a enrabassem. Mas a cena era na verdade irresistível e nem eu tinha qualquer vontade de que eles parassem. Vê-la duplamente penetrada era uma loucura total de tesão e ela gemia e gritava de dor e tesão com uma louca. rnrnO Diogo penetrava-lhe o buraco anal com o seu enorme pau enterrado até aos testículos, dando-lhe constantes palmadas no tarseiro já bem marcado pelos chicotes, ao que ela respondia largando gemidos e gritos de dor e excitação. rnrnEra chegado o momento de o Henrique e o Diogo derramarem o leite. Tínhamos acordado que enquanto o Henrique derramaria o seu sémen no cu dela, o Diogo o faria na boca e eu nas solas. Mas não foi assim pois que eles queriam que ela recebesse todo o seu leite na boca e eu acabei por aceitar, pois era muito bom ver a sua boca e lábios cheios do esperma deles. rnrnEles exigiram então que eu fosse lamber os lábios da minha mulher, completamente encharcados do esperma deles, forçando a minha Berta a largar a enorme quantidade de esperma deles que conservava dentro da boca dentro da minha boca. Ela assim fez e eu recebi golfadas de sémen na minha boca, enquanto nos beijávamos e enfiávamos as nossas línguas na boca um do outro, misturando aquela maravilhosa prenda de sémen deles nas nossas bocas desejosas. Enquanto isso a Marta lambia o meu buraco anal com tesão, cuspindo nele e penetrando meu cu com os dedos enquanto me chupava o pénis.rnrnDecidi então ser eu a derramar o meu leite nas solas da minha mulher, depois da Marta me chupar até ao momento da explosão. O meu esperma jorrou em quantidade nas solas e dedos da minha mulher e deixei ainda um pouco de leite para derramar para dentro duma das chinelas dela, ficando a Marta por mais algum tempo lambendo o sémen das chinelas e das solas também ainda cheias do meu esperma.rnrnMais aventuras semelhantes acontecerão brevemente e não deixarei de as relatar.

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


que corpo gostoso por traz daquela pureza evanjeljca mais eu comi contosmulheres aguachadas com as pernas abertas so de calcinha fotospedindo para gozar contostive que dar contos eróticoscontos eroticos mae e filhoconto eróticos c afilhadaconto erotico namcontos eroticos sou puta os preto me comeram no matocontos safados inversão e dominaçãocontos de menininhas sentando no colo de homenscdzinha feminizadaconto coroa n**** pediu gay namorocontos eroticos na praiabucetas lindascontos de sexo com velhos babõescomendo a empregada contocasa dos contos gay desgraçado arrombadorcontos eroticos irmão arrependidominha mulher para transar logo Ricardo que eu quero vermarido libera esposa para pagar o aluguel contocontos eróticos chantagem cunhadacontos mulher espreita homem a masturbar-seConto gay - menininha do pailesbica minha namorada tirou meu shortscontos-gays fui arrombado por um bombeiro no moteleucelo ve uvido ponocontos eróticos verídico de ginecologista e grávidaquadrnhos eroticoscasa dos contos incesto carlcontos eroticos de marido ajuda varios amigos afuder esposameu primo me comeu no churrascontos erotico comi ocu.da mulherdo meuvizinhocontos eróticos de traição de casadas testemunhas de Jeováconto fiz sexo oral em padrerola mole rola dura bate até que furacontos massagem na tiaconto erotico meu padrato bem dortadorvem me comer me esfolar porr contocontos eroticos de fui fudido junto com minha mulherAquela seria uma luta inédita e muito estava em jogo para Marilia. Há 3 meses ela havia descoberto que eu tinha uma ...contos eroticos convenci meu priminho vestir a calcinha de sua maeviadinho iniciação contoseu subi no ônibus foi encoxada' no ônibusMARIDO PÉ DE MESA CONTOS EROTICOS VERDADEEu agora eu sou mulher do meu ex primo viuvo conto eroticocontos eroticos de sogras na faixa 47 anoscontos erotikos moleke de menor comendo o cu da mulher casadaarrombada no rodeio comtosmeu irmao e meu dono bdsm contosobrinho dopa sua tia historia eroticaContos eroticos o marido gostoso da primacontos eriticos de pai e amigos fodendo a força seu filho gaycumi minha intuadaconto erótico O Despertar de uma casadaeu conto Meu marido saiu meu cunhado me comeuconto gay tirei o atraso do meu primoconto emprestei meu marido para minha vizinha casada e carenteContos eroticos sem calcinha estuprada pelo sadomasoquistatravesti coroa enroladinho Pretosubmetido a chantagem para ajuda o marido contos eroticoconto erótico meu padrinho me estuprouComi um cu fedodo contostirei o cabaço delevideo fui brinca de lutonha acabei gosandoAbuzei a menina contos eroticosImagem Carla danada na zoofoliaconto gay bebado fui fodidochupando coroa empinadinha boa de f***contos de coroa com novinhoeu tenho 22 anos de idade minha tia linda e gostosa ela e separada do seu ex marido minha tia ela me convidou pra eu ir viajar sozinho com ela pro litoral no final de semana eu e minha tia fomos sozinhos no seu carro pro litoral eu e minha tia fomos pra um hotel minha tia disse pra mim meu sobrinho vamos pra praia eu disse pra ela vamos tia pra praia minha tia foi pro banheiro ela saiu do banheiro com um biquíni fio dental eu disse pra ela tia você e linda de biquíni eu fui com ela pra praia minha tia disse pra mim pra eu passar bronzeado nela eu comecei a pensar bronzeado nela eu e minha tia fomos embora da praia pro hotel minha tia disse pra mim pra eu ir tomar meu banho primeiro no banheiro eu fui pro banheiro toma meu banho eu sair do banheiro minha tia foi pro banheiro toma seu banho eu fiquei deitado na cama minha tia ela saiu do banheiro enrolada numa toalha minha tia tirou sua toalha na minha frente ela ficou nua ela deitou na cama ela me deu um beijo na minha boca ela disse pra mim meu sobrinho fode minha buceta eu chupei seu peito eu disse pra ela tia sua buceta raspadinha e linda eu comecei a chupar sua buceta ela gozo na minha boca ela pegou no meu pau ela disse pra mim sobrinho você tem um pauzao ela chupou meu pau eu comecei a fuder sua buceta ela gemia no meu pau eu fundendo sua buceta ela gozo ela disse pra mim meu sobrinho fode meu cu conto eróticoConto erotico minha mae coroa virou a minha cadelinha.comconto erótico assediaram minha mulher na ruacontoseroticosdemeninasconto gay fui feliz em salvadorcontos eroticossobrinha brincando com bonecaенцеси с зоофилыcontos eróticos sequestradores treinadohistorias excitantes esposa adora chupar buceta da outra pro marido vervoyeur de esposa conto eroticosoquei a rola na sogra contoconto crente bunda desproporcionalconto erotico chupando pau desde cedopintudos site de relacionamentosai com um casal contosmete até o talo tio contoconto gay camisolinhacontos eroticos linguada no cumoramoa no litoral eu e minha esposa e recebemos um primo dela para pasar um fim de semana conoscocontos minha filha chorou no meu paucontoseroticospapaicontos eroticos padres e zoofiliaconto gay dopeicontos de incesto minha sobrinha veio passar dois dias comigo