Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

SETENTA E SETE COISAS IMORAIS - PARTE 1

Click to Download this video!

IrnQuando era pequeno, acho que com uns dez anos, meu pai e meu tio me levaram prum puteiro. Lembro-me de um comentário, antes de chegarmos, que isso era costume da família, e que quando pequenos ambos haviam ido por conta prápria pra um, os dois mais um falecido tio-avô meu que era da mesma idade dos dois. Primeiro subiu o tio-avô, depois meu pai e depois meu tio. Eles tinham também uns dez, onze anos e eram bem mais corajosos que eu naquela época. Ou talvez antigamente os puteiros fossem diferentes. rnO importante é que naquela tarde eu fiquei pela primeira vez sozinho no quarto com uma mulher. Vendo agora percebo que ela era novinha, não mais que dezenove anos, e estava meio assustada pelo pequeno garotinho estar ali, se despindo para ela. Suponho que putas reclamem, em pensamento, dos clientes velhos demais, mas não sei se reclamam dos extremamente novos. Sá sei que ela foi me mostrando os caminhos, aonde colocar o que, como pegar nos peitos dela e como morder. Pra mim tudo parecia meio surreal, já sabia do básico de sexo a pelo menos uns 3 anos, mas sá era coisa de conversa com amigos de escolinha, e tudo falatário pinçado com detalhes de filmes e revistas de pornografia que um muleque mais novo, o Antonio, trazia pra aula. Mas naquele momento eu realmente tinha minhas mãos numa buceta, uma de verdade, não como nas revistas, toda limpa e depilada, era uma semi-peluda e meio melada, com uma garota de quase o dobro da minha idade com receio se fingia um orgasmo ou se me encarava como um aluno e me ensinava: ?Não, garoto. Mexe assim, á. Isso... nã, mais pro lado, pra esquerda, pra esquerda. Pra outra esquerda?. Não me lembro do nome da garota, mas essa foi minha primeira mulher.rnCresci. E não foi a melhor das crescidas. Meu pai morreu quando eu tinha 19 anos, meu tio quanto tinha 19 e minha mãe aos 22. Acabei com a casa dos dois e a vendi logo depois, não tinha emprego pra pagar as contas nem paciência pra trabalhar de forma digna, como dizia minha mãe todo dia uns dois anos antes de morrer. Acabei alugando uma casinha pequena, pouquíssimo custo, e com a grana que sobrou da casa e das coisas que meus familiares deixaram quando morreram eu me mantenho relativamente bem. De vez em quando arranjo algum trabalho idiota, sá pra passar o tempo e me pagar alguma coisa que eu precise ou queira, mas grande parte do tempo gasto com bebidas, mulheres e livros, se bem que desde os 24 já nem leio tanto como antes. rnrnE mesmo sendo tão vagabundo e irrelevante, havia coisas que eu conseguia sem muito esforço. Beber & comer garotas de graça era uma dessas, talvez fosse meu rosto claramente de sem vergonha ou minha aparência desleixada, beirando ao sujo, que deixasse na visão delas alguma impressão de que eu estava perdido, solitário, e que precisava dum bom colo, dum bom gole e dum bom boquete. Eu nunca recusei, e era assim que quase todo final de semana terminava na minha pequena casa, bêbado, comendo alguma garota velha ou nova, feia ou bonita, rica ou pobre, e era assim que de manhã eu inevitavelmente acabava por chutá-las da minha casotinha, algumas vezes não antes delas me comprarem comida ou bebida. Infelizmente para Vivan a coisa não foi assim. Vivian era uma mulher um pouco mais velha que eu, talvez nos seus 30 anos, nunca pude descobrir de verdade e sá tinha como indicação algumas poucas marcas que começavam a despontar em seu rosto. Cabelos pretos, um nariz longo e batom um pouco mais vermelho que o normal. Tinha pernas longas, bonitas, uma bunda aceitável e seios sá um pouco pequenos, o esquerdo maior que o direito. Em uma noite, num bar não tão decadente quanto imaginei quando entrei, ela já estava lá, sentada sozinha numa mesa, bebendo alguma coisa verde sem gelo. Eu me sentei no balcão, as boas coisas sempre acontecem no balcão, e pedi uma cerveja e uma dose de maria-mole, sempre começo a noite com isso, me dá forças e vitalidades. Fiquei bebendo por uns dois minutos a cerveja diretamente da garrafa e me virei pra maria-mole, Vivian sentou do meu lado naquele momento e ficou olhando enquanto eu virava metade do copo, deve ter gostado do que viu porque quando coloquei o copo na mesa e me virei para ela via um sorriso:rn- Sim?rnrnEla me olhou bem, sorriu e me perguntou se queria mais uma dose. Fiz um pequeno movimento de cabeça e ela pediu pro velho que estava do outro lado mais duas doses ?disso que ele esta tomando?, o bar era um pouco mais claro do que gostaria e eu conseguia ver perfeitamente que a Vivian estava um bocado maquiada, montada pra atacar esta noite, e que provavelmente eu seria o alvo. As bebidas chegaram, brindamos e bebemos, mesmo sem saber o que eu tomava ela bebeu bem, e quando botou o copo no balcão continuou me encarando, com um sorriso:rn- Você é bem novo. Porque bebe assim?rn- Tédio.rnOutro sorriso. Outro gole. Outros dois copos. Outra pergunta idiota. Quando terminamos de beber a cerveja ela já estava bem bêbada, tentava soar agradável mas sem demonstrar muito o quão estava amargurada com a vida. ?Péssimo casamento, trabalho de merda, falta de aventuras, sensação de que o tempo esta passando? foi isso o que pude supor enquanto ela bebia a cerveja e uma gota escorria pelo canto da boca. ?boca bonita? Eu também estava ficando bêbado.rnPara fazer dessa monotonia, longa estária algo curto, acabamos indo pra minha casa e trepamos. A primeira vez foi bem normal, ainda tínhamos uma garrafa de sei-lá-o-que do lado da cama e o ritmo ia devagar, parando ambos para bebermos das garrafas que ela comprou. Depois da primeira a coisa foi ficando forte, talvez porque a bebida havia acabado, a trepada foi ficando mais animalesca e a vergonha-de-mulher-casada da Vivian foi desaparecendo. Ela me mordia e chupava enquanto a cama tremia, e pude ver pela fresta da janela que alguns dos vizinhos do lado ligavam a luz. Ela gritava e pedia, desesperadamente, que eu entrasse mais nela, que eu entrasse mais nela, que eu entrasse mais nela, mesmo que já estivesse bem lá dentro. Vivian era um bocado peluda, e era mais salgada que a grande maioria das garotas e das mulheres. A terceira vez foi mais calma, madrugada e musica agradável, e a quarta, enquanto amanhecia o dia, foi tão barulhenta quanto à segunda, talvez mais pra mostrar pros idiotas que iam trabalhar de manhã que a vida passava rápido pra eles e lenta pra gente. Acabei dormindo com ela em cima de mim.rnrnQuando acordei Vivian já fazia café pra mim. Sentia o cheiro vindo daquilo que eu chamava de cozinha, mas que era sá um pequeno cômodo com um fogão velho e uma geladeirazinha, daquelas tipo frigobar, estranhamente a ressaca não vinha pra nenhum de nás dois, e quando me levantei percebi que ela estava pelada. Havia comprado pães, mortadela e um café bom, e estava de novo sorrindo aquele sorriso da hora do bar. Sentei-me naquilo que chamava de sofá enquanto algum radio duma vizinha tocava musica evangélica. rn- Come um pão.rn- Não.rn- Café?rn- Sim, claro.rnEla pegou o meu café, o dela, sentou do meu lado no sofá e jogou o braço ao redor de mim. Uma mão no meu pau, outra no café. Eu com as duas no copo. Bebíamos um gole de café e um beijo vinha. Não sei por que, mas tinha certa pena dessa mulher. Talvez porque agora, com o sol das nove que entrava na janela ou com o café quente eu percebia que aquele primeiro pensamento da hora do bar, de que ela era uma pobre mulher que via o tempo lhe passar rápido demais era verdadeiro, ou talvez porque em minutos iria pedir para que essa mulher desesperada, sem mais muitas coisas pra se agarrar na vida, saísse da minha casa e da minha vida. Ela me deu outro beijo.rnQuando percebi a comia de novo, no sofá. Os copos de café no chão, a musica evangélica tocando e Vivian gozando enquanto chupava-a, parte do corpo jogado fora do sofá, a voz falhando e gemendo, o sol batendo nos seus cabelos e eu com uma pena imensa dela.rnQuando terminamos no sofá fomos novamente pra cama. E lá trepamos mais uma vez, ela gritando tanto quanto antes pra mostrar pra vizinha evangélica que esta era uma casa do diabo, onde pessoas tentavam se agarrar a qualquer outra coisa terrena. Meus lábios sangraram quando ela me mordeu um pouco mais forte, e dessa vez acabei comendo-a pelo rabo também, afinal por que não, não é? No fim da segunda vez ela deitou bem do meu lado, os olhos brilhando com o sol do meio dia e me disse: Ainda com Tédio?rnrnEu não podia mandar esta mulher embora.

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


Contos gays o colega pauzudocontos dei pro pastor alemocontos mamae noa aguentou meu paucontos de sexo fisting objetoscontos eroticos fudendo a mae ño campismoo sobrinho do meu marido comeu meu.cucontos de corno. bipassivosconto erotico no mato com os garotocontos eroticos tive que dar pro homem da funerariaMinha vizinha me deixou ver ela transando contostive que comer ela /contoContos sou viadinho dos tios e amigos delesZofilia Homem fodendo forte acadela ela chora sentido dorcontos eroticos de sogroeu meu primo e minha mulher contosCasadoscontos-flagrei.con erotico comi lora greluda por 10 pilacontos gay transformado em putacontos minha enteada minha amantecontos tranzei com a minha netaComi um cu fedodo contoscontos porteiro me comeucontos minha esposa me ensinou a ser cornocontos eróticos com mulatasdos contos eróticos perdi minha mãe pornosogrowww.contos eroticos mae e filhocontos eróticospagando minha primeira dívidao ocu e bucetacontos eróticos amigo gay e um hetero praia nudistaconto erotico esposa con muita dor n pau d molewuecontos eroticos excitantes- a filhinha choronapassando lápis na bucetacontos eróticos gozei dentro da buceta da bia Costaconto erotico viadinho de shortinho e calcinha com mendingocontos eroticos coroas punhetando o pirralhoestuprada pelo caminhoneiro contocontos eroticosirmazinhaliguei o aspirador na buceta contosSubrinha sapeka adora usa ropinha provokante para da para mimcontos comendo o cuzinho da fazendeirameu namorado transamos devagarinho contosContos homem fudendo a vizinha lesbicasobrinha sapeca tomou no cu contoorgias em romaContos eroticos louco por seios procadocontos orgia com pobresconto+fui+arebentada+negro+meu+maido+adorouSou casada fodida contoler relatos de garotas que gosta de "loirinhas greludasNovinha Bebi porra do meu amigo contocontos exitantes de sexo na marrra delicioso historias reaischupando rola ate goza e dando a bucetacontos eroticoscontos sadicos castigando a putinha com vibradormeu pai me castigou me comendi econtoCoroa rabuda de manaus contando seus contos eroticoscontos beija minha boca cheia de porracontos eróticos de bebados e drogados gayscomo fazer pra minha namorada veste shortinho curtoFoderam gente contos tennsfiquei 2 semanas sem masturbação quando masturbei explodiu porra para todos os ladosTennis zelenograd contowww.cunhadaraspadinha.com.brcontos eroticos cunhadinhoscomi minhairmãzinhade criação.com conto eróticoCamila minha enteada Tirei o c***** dela bem gostosocontos de meninas que adoram ser estrupadas por todos dà casaconto e historia real como cume a minha sogra e o filho gueycontos pornos com homens de ruas e patricinhascontos eróticos pai iniciado filhaContos eróticos mães com a buceta peluda e cheiro fortecontos eroticos de incesto: manha mae me ensino a Transar 2pediu pra ver a buçeta da aniginhaXVídeo saiu com aquele negão irmãzinha bem miudinhaConto erotico de mulheres com muitos homens e muita surracantos historias transei com minha sobrinha de 11aninhosconto transei com meu pai na despedida de solteiraEu fui forçada a fuder contos eróticos com fotoscontos vi minha irma com pausudolalargado na bucetacom o mel do gozo na boca24 cm contos pauMinha sobrinha sentou no meu pau peludo contoeroticocontos eroticos de madame cm entregadocontos eroticos nordesteconto porno peoes no cioah e. mist traSado no chuveiroEntro na bucetinha da minha sobrinha pequena todas as noites e encho a bucetinha dela de porraContos me exibindocontos eroticos incesto bebadominha enteada inocente conto eroticocontos de meninas que adoram ser estrupadas por todos dà casaminha vozinha tava chifrando meu avo com o mendigo contocontos eroticos pagando divida do filhometendo na irmã dormindo boa f***contos eroticos sou crente mas tenho um fogo no cusou casada e mau fudida e minha bucetinha carnudinha e o velho aproveidou