Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

CONHECENDO UM CABARÉ RUMO A FACULDADE

Click to this video!

Continuação de Primeira transa rumo a faculdade.rnrnCreio que estávamos na localidade de UMIRIM, logo, logo estaríamos na cidade de Itapipoca.rnPaula não parava de acariciar meu membro, ela estava totalmente despida dentro do carro e eu somente de camisetas, nas mais, além disto, porem nossas roupas estava bem a mão caso fosse preciso eu vestiria o calção e ela sua pequenina sai e blusa. Quando passávamos por algum veiculo contrário, vários dos motoristas e passageiros buzinavam quando viam ou peitos Paula. Riamos a cada buzinada. Paula não parava de manipular meu membro que segui em riste e vez ou outra abaixava a cabeça e mamava meu membro. Vários momentos pedi-a para parar a fim de concentrar-me na estrada. Na velocidade que íamos, uma gozada na poderia ser mortal.rnConversávamos também sobre o que já havíamos realizado em termo de sexo. Puxei o assunto fantasia. Perguntei a ela por que não satisfazia a minha, a de participar de uma dupla penetração. Irada respondeu dizendo que já tínhamos discutido isto, inclusive com Olívia. E que não era nem uma quenga, Prostistuta ou tarada sexual, estava comigo por gostar e blá blá blá! Disse-lhe que não pensava isto dela e completei:rn- É uma fantasia. Você sabe o que é isto? Fantasia a gente faz uma vez e esquece. Nunca propus dar continuidade na transa. E não precisa ser com conhecidos, podíamos perfeitamente contratar um em local discreto e nunca mais o veríamos.rnNão. Não vai ser comigo. rn- E qual fantasia ainda tem por realizar?rnAinda raivosa respondeu:rnDeixa pra lá, já esqueci.rn- Acho imatura tua reação, depois de tanto tempo ainda não me conhece.rnNão é questão de conhecer, esse assunto me ofende! rnAproximei meus lábios para um beijo de conciliação, ela recuou negativamente. Insisti falando:rnNão vai deixar que isto estrague nossa noite vai? Vai estragar esta fantasia? rnEla me olhou sorridente e aceitou o beijo. rnInsisti na pergunta:rn- Agora diga: Qual é a fantasia que quer realizar hoje?rnEla olha pra mim e sorridente responde:rnQuero saber como é um cabaré.rn- Sá isso? rnSorri e comecei a descrever um. Ela me olha de forma engraçada, também sorrir e me dá um monte de tapas nos ombros e cabeça. E chamando de, abestalhado, imbecil, anta e várias outras qualidades e adjetivos. Ela sá parou a pancadaria eu disse ter entendido que a levaria para conhecer um. rnEstávamos chegando a Itapipoca, era noite e o clima estava agradável, Quem vai pela Rod: CE-402 logo na entrada da cidade há um posto de combustível, vestimos nossas roupas e parei no posto para abastecer. rnDesci e perguntei onde poderíamos passar a noite. Fui informado de um hotel e de duas pousadas, aproveitei para perguntar baixinho:rn- Sabe onde tem um cabaré legal por aqui?rnAbismado, o frentista olhou para Paulinha dentro do carro, voltou a me olhar não entendendo nada, respondeu também em voz baixa e apontando com a mão livre da bomba, Ficava práximo o saída oposta da cidade, de quem vai para a BR 222. Paula perguntou-me o que estava falando com o frentista. rn- Perguntando sobre o Hotel ou pausada.rnNão vamos ficar em hotel ou pousada! Quero um motel para poder foder e gritar a vontade. Risos.rn- Concordo. Não fique com raiva, mas vou perguntar:rnO quê?rn- Vamos ficar sá nás dois mesmo? Sorri.rnAcho que tu que está a fim de estragar minha noite.rnConvenci-a ficar no hotel mesmo, mais movimentado com bar, restaurantes e muitas outras atrações para aquela noite para nos distrairmos um pouco.rn18:35h Um belo quarto de hotel, a cama nem se fala. Tomamos um belo banho ensaboamos um ao outro. Depois do banho ficamos no banheiro nos acariciando, estava divino, Não tinha mais interesse em sair, mas queria fazer ? Le uma surpresa. Interrompi as carícia pedindo-a para arrumar-se. Ia mos sair em seguida. Ela reclamou dizendo está muito bom e que não queria ir para lugar algum. queria aproveitar toda a noite do meu lado.rnFalei que era cedo e teríamos muito tempo para curtirmos aquela noite. rnEla estava tirando uma calça jeans par vestir. Pedia para colocar um short colado. Ela me olhou pedindo para eu não tentar oferecê-la a alguém, já havia falado que não queria e seria a ultima coisa que esperaria. Brinquei falando:rn- Então quer dizer que mesmo sendo contra espera que aconteça?rnEla me olhou com feições reprovadoras. Dei uma tapa no bumbum dela e disse.rn- Deixa de conversa e te veste logo!rnDei-lhe uma de minhas camisas branca manga longa. Pedi para por um sutiã vestir a camisa deixando alguns botões abertos em forma de decote. Ela me olhou e perguntou:rnO que está tramando em? Não me venha com surpresas desagradáveis!rn- Confie em mim!rn19:20H Na portaria do Hotel, pedi a Paulinha para esperar e fui confirmar o endereço que o frentista me dera. O atendente discretamente olhou para Paulinha, quando voltou a visão para mim confirmou endereço e me cedeu número da casa. Não foi difícil encontrar.rnQuando cheguei, nada denunciava ser um cabaré. Diante da casa Paula pergunta:rnPor que não me disse que conhecia alguém aqui?rnrnJá fora do carro, respondi:rn- Não conheço! rn19:40H A casa era bem modesta mas limpa, ninguém para nos recepcionar. Portas aberta peguei mão de Paulinha e entrei o que a fez chamar-me atenção:rnSe não conheces ninguém como vai invadir a casa dos outros?rn- confie em mim. Vamos.rnOuviam-se vozes no interior da casa. Passamos por vários cômodos todos de portas fechadas, num deles Paula ouviu gemidos sá ai caiu a ficha. Parou de repente e disse:rnSeu safado. Devia ter me falado para eu me prepara espiritualmente. Sorri e dizendo:rn- Tive receio de que recusasse.rnEla passou a prestar mais atenção em detalhes da casa, já chegávamos ao fundo da casa quando uma jovem branca de cabelos longos, sem distinção de cores, nos recepciona dando boa noite, achando que estávamos no local errado, nos informa localidade de um motel. Sorri e disse que estávamos ali para Paulinha conhecer um Cabaré. A Jovem sorriu e disse agora usam o nome de: cassa de massagem. Levou-nos até os fundos apresentou-nos e em voz alta falou a todas que estávamos ali para conhecer a casa.engraçado como mulheres fazem amizades rápido, em alguns minutos Paulinha parecia amiga de longa data. Duas delas pensando em faturar, ofereceram-se para fazer uma demonstração no quarto o que foi recusado por Paula.rnHaviam dois rapazes no ambiente que não tiravam os olhos de Paulinha, ela notou comentou comigo e perguntei com sorriso nos lábio:rnQual dele te agradou?rnLevei algumas tapas. A jovem que ouvira a pergunta falou: Que o moreno era avantajado e sabia fazer bem. Pula riu sem jeito e desconversou perguntando se o movimento era sá aquele senão havia movimento de dançarinas. A jovem que tem um belo corpo, falou que ia haver uma VAQUEJADA e sá na madrugada a casa iria estar movimentada, ao mesmo tempo se ofereceu para um Streep. Concordei na hora, Paula não se opôs. A jovem nos cobrou R$ 20,00, Reclamei dizendo que era sá uma dança. Ela disse que seria bem mais que isto e estava cobrando por que não faz nada de graça para ninguém.rnApás alguns minutos de dança a garota ficou totalmente nua. Sempre dançando desceu de um pequeno palco, caminhou pelas mesas, sentou no colo dos rapazes, foi alisada por eles; ela veio para nás segurou meus cabelos e fez que esfregava sua xana na minha cara, Paula olhava bem de perto. Com as mãos livres, segurei sua bunda pelas poupas e a abrindo expondo seu anus para a platéia. As outras garotas ovacionaram. rnTentei introduzi um dedo no anus, ela recuou e foi para Paulinha. Sentou no colo dela e levou sua boca bem práxima a dela. Levantei e no ouvido da garota cochichei pedindo para ela tentar beijá-la e mamar os seios de Paula. A jovem não a beijou, foi além de pedido. rnMeteu as mãos por entre a camisa de Paula colando seus seios na boca de Paula. Esta os mamou sem cerimônias, quando a jovem voltou trouxe o sutiã da Paula. rnEu atrás de Paula falava para deixar para ver no que dava, eu metia a língua em sua orelha, beijava seu pescoço, tudo para excitá-la. rnA jovem enroscou o sutiã no pescoço de Paula e a fez ficar de pé. rnSempre dançando, esfregou sua xana por todo seu corpo no de Paula, mamou os mamilos duros, lambeu todo os seios, apertou-os, notei que Paula já estava mais que excitada. A jovem não parava de alisá-la. Foi para trás de Paula passou, segurou-a pela cintura e fez que copulava. Eu já não me aguentava mais, minha cueca estava toda melecada. A jovem apertando os seios de Paula, a exibiu para que todos a vissem, inclusive os dois homens que estavam boquiabertos com a sena. rnSempre ao ritmo da musica, a jovem por trás e segurando os longos mamilos da Paula, que a tudo consentia, a jovem desabotoou o short e foi descendo-o por traz, baixou o suficiente para alcançar sua xana na bunda de Paulinha, Copulava como se enrrabasse Paula, nesta hora a jovem que estava no quaro quando entramos; entra na roda mamando um dos peitos de Paula, esta levou as mãos aos seios impedido pela jovem que se fazia enrrabá-la. rnEu não aguentava mais de excitação. Já com o membro de fora, aproximei-me já jovem que copulava a bunda de Paula e tentei meter nela. Ela saiu de imediato pegando suas roupas espalhadas pelo chão e indo para dentro de casa, Paulinha se recompôs imediatamente. rnA potranca que acabara de chegar reclamou em tom de brincadeira:rnrn# Pô sá por que eu cheguei! Volta aqui sua vaca. Todos sorriram.rnFiquei injuriado por eu ter acabado com a festa, devia ter ficado na minha, queria o que por R420,00? Sentamo-nos e Paula falou:rnSe tu não tivesses chegado a tempo, eu teria gozado com elas.rn- Quer que eu a convide? Vamos levá-la para o hotel ou Motel! Vamos?rnPaulinha me olha com agradecimento, beija-me e diz:rnNão seu bobo. Estava bom aqui por que estava com platéia, estava exitante.rn- Queres que eu a convide para mais uma seção? Desta vez digo que é pra ir até o fim!rnNão. Quero sair daqui. Estou morrendo de vergonha.rnFui até a jovem de cabelos sem cor definida, agradeci, paguei inclusive o Streep da Jovem. Brinquei com algumas das mais afoitas que reclamavam nossa saída e saímos.rnNo corredor reencontramos a jovem que saia do quarto, agradeci e perguntei se ela não queria nos acompanhar no hotel. Paula me olha com ar reprovador. A jovem disse que não pode sair sem a permissão da proprietária e ela não se encontrava ali.rnDentro do carro com a janela do passageiro aberta, coloquei meu membro para fora e pedi a Paula para me fazer gozar. A jovem estava na porta e sorrindo assistiu a tudo e olhava para ver se não vinha alguém. Gozei rapidinho na boca dela, Paula com a boca cheia de espermas fez questão de olhar para a garota, a fim de que esta a visse engolir tudo e se despediu. rnA jovem respondeu a despedida da seguinte forma: rn#Malucos! Votem logo! Ainda tenho muito ensinar! Caiu na risada.rn21: 50 Paramos no hotel para trocamos de roupas e irmos jantar. Novamente esfregamos um as costas do outro. Lembrei da excitação da Paulinha e que ela não havia gozado. Nesta hora lembrei-me de uma amiga que conheci no site. Certo dia, enviei a ela um curta metragem pornô, em que a jovem era massageada ante de enrrabada. Eu oferecia a Alana massagem idêntica, Ainda não recebi resposta. rnEm uma ligeira massagem desci o corpo de Paulinha até as panturrilhas, subi vagarosamente até a junção de suas grossas coxas, concentrei=me ali sem tocar sua vagina.descia e votava até ali. Em determinado momento eu abria suas nádegas e encostava língua em seu cuziho, ela empinava a bundinha e eu voltava a acariciar suas pernas. Vi em cima da pia um áleo corporal, não o suficiente para massagear todo o corpo de Paulinha, mas ajudaria bastante. Levantei-me lentamente sem tirar as mãos de seu corpo, meu membro encaixou entre suas coxas, ela as abriu para facilitar o encaixe. Devido a altura dela sá a cabeça de meu membro entrava na sua boceta, o restante ficava de fora, eu teria que me esticar para penetrar algo mais. Paula passou a baixar-se para que entrasse mais dentro dela. O Box de banheiro era pequeno, não dava para procuramos posição melhor. Pedi a ela para sairmos, encostei-a na pia de rosto de frente para o espelho, por trás dela, meti com força dois dedos na boceta fiquei no entra e sai empurrei-a pelo pescoço práximo ao espelho e disse:rn- Olha ai a tua cara de puta safada!rnEla abre os olhos, sorrir e pergunta: rnEra assim que eu estava lá no cabaré? rn- Não. Estava pior. Sorrimos.rnApanhei o vidro de áleo e de shampoo, pedia para deitar-se no piso do banheiro. Ela entendeu. Completei o vidro de áleo com sahmpoo e iniciei a massagem. Pelos ombros, massageei toda suas costas, chegeui em seu bumbum, meu membro havia derramado bastante lubrificante naquele reguinho, comente com ela e perguntei:rn- Sentiu ele no reguinho?rnSenti! rn-Quer sentir mais?rnHuhum!rnJuntei com os dedos o restante de liquido seminal que estava nas parede de suas nádegas juntei no centro de seu cuzinho e meti ele para dentro com o dedo médio. Meti até encostar o dorso de minha mão.rnHummmmm. Que coisa gostosa.rnRetirei o dedo e passei a cabeça de meu membro para deixar ali mais liquido. Ela tentou empinou a bundinha pensando que eu ia penetrá-la. Quando recuei ela disse:rnFaz isso não, tu vai me matar de tesão.rn- Ainda nem comecei.rn [email protected]

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


contos eroticos de homem chupando a buceta esperadaporn contos eroticos enteada gangbangcontos eróticos locador com comeu a inquilinaemprestou a esposa e ela ficou grávida contoContos eroticos fui comido na locadora d videos pela travesti pauzudaContos eroticos seios machucadosesposinha submissa apanhando na bundaconto menina safadinha anoseu fui arrombadocontos eróticos vestido de langeriesContos minha irmã e minha putaporno comendo a buceta da gostosa emsima dos retalhosmenininha conto eroticoxvidiofodendo entisdacontos pedi meu cabaco para um velhoconto eroticos comi minha vizinha de 7aninhosmulher casada e evangelica dando o cu,contos sexsubindo na escada de saia para ajuda pintor pornominha sogra usando lycraamelhor buseta de bashia do mundo gosanoRelatos sexuais me encoxando na cozinha e o corno na salahomens hetero bebado se engana e passa.a noite com travesti roludocasa dos contos eroticos meu marido trabalha eu meu filho rodulo me foderecebe conto erotico de casais de mais de quarenta anos por emailporno mulheris con a perna meia canbotacontos gay menino hormonio virou mulhercontos eróticos zoofilia f****** cadelinha de ruaGoiás borracheiro endereço conto gay de calcinhaGozei no pau do meu irmão dormindo contoscontos eroticos coroa forróDeixei meu irmão de pau duro quando sentei no colo dele contos eróticosmeu primo pegou no meu penis de 10cmConto erotico comi minha aluna virgememprestou a esposa e ela ficou grávida contoDei a bucha pro meu sobrinho virgemmorena de seios gigantes e cintura fina fundendo com um homemtodos gozarao na minha bucetacontos eróticos de bebados e drogados gayscontos eróticos comi minha vizinhaboquete no casado contocomi minha irma q nei peitos tem ainda contosbucetinha esposa ccbhome subimisso bebi xixi da rainha conto erotico incesto sonifero filhacontos eroticos convenci meu priminho vestir a calcinha de sua maeconfia minha madrasta no pornô chorando gostosacontos minha mulher pagou minha divida com a bundazoofilia bruda com mininasesposa torcendo de biquini em casa conto eroticome larga lençou bom diacontos eroticos vestido coladohistória verdadeira de sexo entre homens bi sexual no banheiro metrô trem ônibusfudi a bundinha da juju com minha rola grande contoscontos abobrinha na bucetacontos eróticos de padrasto comendo enteada ainda bem pequenaconto de botei a minha irmã bem novinha pra chora com a pica grande no cu virgeduas irmas com peitinhos crescendo e o irmao chupandocontos eroticos comeram minha noiva e transformaram ela emcontos eroticos de negros na praia de nudismocontos eroticos putinha pagando a conta do paiconto sou. chupeteiraespiando minha tia safada.htmlconto esposa se transforma na casa de swingcontos eroticos - alta grandona bundudacontos eróticos de pai fudendo filha no carrocontos eróticos fragei meu tio comendo minha tiaporno conto relava aquele peito em mimcontos eroticos comendo a velha horrosa dormindocontos eróticos da secretária cadela de coleira do patrãoPorno contos familias incestuosas orgias tradicionaisvamos lá tem uma loira chupando a b***** da outra na boa f***contos eroticos travestis fudendo frentistas do posto de gasolina gayscontos eróticos na saída do paredão comendo c* virgemporno contos eroticos fui enrabada pelo meu irmaoContos eroticos transcrossdressing miudinhafetiche mulher atola cueca no rabo do cara