Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

MINHA ESPOSA TEVE QUE DAR PARA O PORTEIRO

Click to this video!

Somos um casal muito bonito e saudável, ambos com 35 anos, corpo bem definido e bonito.rnEla (chamarei de Ana), 1,70, morena, pernas grossas, cinturinha fina e bunda redondinha, peitões siliconados, cabelos pretos compridos, além de muito bonita. Acho que ja dá apra imaginar o quanto ela é gostosa.rnEu (usarei Beto), tenho 1,78m, moreno, corpo bem definido, pernas grossas e musculosas (faço maratona). Também sou bonito, o tipo de homem que costuma ser admirado pelas mulheres na rua. rnrnNuma sexta-feira, depois de uma semana cansativa e de muito calor no RJ, marquei com minha esposa de sairmos para beber um pouco e descontrair. Nada de jantar, apenas bebericar em algum barzinho mesmo, de short ou bermuda.rnComo malhamos sempre a noite, ja saímos de casa, quase 19 da noite. Ficamos num barzinho por perto de casa, eu fui de short, camiseta e chinel, e ela, de sainha jeans, bem curtinha, blusa baby look e tamanco alto, pois assim suas pernas ficam ainda mais bonitas.rnBebemos, conversamos e rimos bastante, como sempre fazemos pois temos um bom astral. Ja quase 1 da manhã, ja estavamos rindo a toa com as caipirinhas que bebemos, e nosso assunto era sá sobre sexo, visto que ambos estavam com tesão. Avisei que iria pedir a saideira e a conta para irmos para casa para podermos fuder. Ela me olhou com sua cara de sacana, levantou, me deu um beijo e falou no meu ouvido que queria mesmo chegar logo em casa pois estava doida para fuder, e foi ao banheiro.rnQuando ela voltou ja havia chegado a caipirinha e eu estava pagando a conta, com o garçom a nossa mesa.rnEla, olhou para o garçom, pediu licença e me entregou sua calcinha vermelha, dizendo que estava morrendo de calor por isso teve que tirar a calcinha. Tudo bem que a calcinha dela é minúscula, mas não teve como o garçom não ver e ouvir, pois ela fez questão de falar alto. Como não fico para trás, perguntei logo porque ela não havia tirado então o sutien, e ela disse que ficou com medo de ficar transparente. Perguntei ao garçom se havia algum problema, e ele sem entender nada e com os olhos pulando da cara, falou que por ele não havia problema algum. nisso Ana voltou ao banheiro e voltou com o sutien na mão, me entregando. É claro que o garçom não havia saído da nossa mesa, esperando por ela. Ela, ainda de pé me perguntou se estava transparente a sua blusa. Eu falei que ja havia bebido muito e nõa estava enxergando muito bem. Perguntei ao garçom o que ele achava e o mesmo disse que com todo o respeito, ela estava linda.rnAna, sacana que sá ela, segurou os peitos com as duas mãos como se tivesse colocando-os no lugar e agradeceu.rnEla sentou, acabamos de beber a caipirinha e levantamos para ir embora. O garçom ainda veio tentar nos convencer a ficar mais pois eramos muito bem aceitos na casa. Rimos, agradecemos, eu apertei sua mão agradecendo e Ana por sua vez, fez questão de dar dois beijinhos no rosto dele, claro que roncado os peitos dela no dele e fomos embora.rnDemos muitas gargalhadas até em casa com a aflição do garçom e como o mesmo deveria estar desesperado. Na garagem ja começamos a nos agarrar e meti logo a mão na boceta dela e como imaginei estava ensopada de tesão. No hall, esperando o elevador, nos beijavamos e as mãos não paravam. Quando o elevador chegou, Ana ja entrou de saia levantada e coloquei ela apoiada no elevador e fui chupando a boceta dela té nosso andar.rnEntramos em casa ja sem roupa e logo que fecho a pota o porteiro interfona dizendo que as cameras haviam registrado o que fizemos na garagem e no elevador, e pediu desculpas mas não teria como deixar de registrar no caderno do condomínio, senão iria prejudica-lo. Fiquei sem saber o que falar, apenas pedi a ele para dar um pulo no meu apartamento na hora do revezamento dele, e ele disse que subiria em 19 minutos.rnFiquei pensando no que isso poderia repercutir no condomínio inteiro e falei com Ana. Ela falou para eu não me preocupar que dariam um jeito quando ele subisse. Dito isso, a campainha toca e o Carlos (porteiro) chega.rnMando ele entrar e fecho a porta e pergunto a ele se nao teriamos como fazer alguma coisa para isso não chegar ao síndico e ele me explicou que iria acabar prejudicando a ele. Ana, chega entra na conversa e pergunta o que apareceu na camera. Carlos disse que Ana estava sem roupa e que eu estava fazendo sexo oral nela. Ana perguntou se chegou a dar para ele ver quantas tatuagens ela tinha. Carlos disse que não, então Ana tirou a saia e falou para ele. rnOlha aqui, tenho esta aqui em cima da bunda, esta no umbigo e estas flor bem aqui na virilha. Qual você gosta mais?rnCarlos sem saber o que fazer, disse que eram todas lindas, nisso Ana se aproxima de Carlos, e fala:rné melhor vc olhar de perto apra ver qual fica melhor. Nisso ela pega a mão dele e vai puxando ele até o sofá, ela senta no sofá de pernas abertas e puxa Carlos para cima dela mandando ele começar a analise pela flor da virilha.rnCarlos sem jeito olha para mim, e eu para deixar ele a vontade, digo que a da virilha é a mais gostosa, pois é uma flor com cheiro de boceta, e completei:rnCheira sá apra ver se não estou falando a verdade.rnCarlos entendeu e começou a passar a mão na boceta de Ana que ficou rebolando e gemendo. Daí ele começou a chupar sua boceta. rnPronto, agora estava dada a largada. Carlos chupava a boceta da Ana com uma vontade que parecia que ia arrancar ela do corpo dela. Ana gemia pra caralho e dizia: nossa, que chupada gostosa.rnEu que estava com o pau duro, tirei minha roupa e levei meu pau até a boca da Ana, que chupava como uma louca de tanto tesão que ela estava. Nõa demorou e ela tirou meu pau da boca e deu um berro, anunciando o gozo. Ela apertou o minha pica que ficou até doendo. Quando aprou de gozar, ela mandou eu tirar o pau de perto dela que ela queria era uma pica diferente, nisso agarrou o Carlos e foi tirando a calça dele e quando colocou o pau dele para fora ela arregalou os olhos e falou:rnnossa, ganhei na Megasena. Olha amor, o tamanho dessa piroca, e apontou a mesma para mim. Dei uma curvada apra ver e realmente era uma piroca e tanto, no tamanho e grossura. Fiquei até intimidado e falei: É.... se deu bem hoje heim.rnNisso Ana ja estava com a pica pede na boca e chupava hora com carinho e outra como força. Estava muito tarada...rnEla chupou por um tempo e parou falando:rnEsta gostoso demais chupar esta pica mas eu quero ela e arregaçando a minha boceta.rnFicou de 4 e pediu... vem Carlos, mete aqui, vem.rnCarlos olhou para mim, e eu falei:rnSá começa devagar para ela acostumar, mas sei que ela vai pedir para você socar essa piroca toda dentro dela mesmo. entao mete bronca.rnCarlos apontou a piroca na boceta da Ana, e sá colocou a cabeça devagar. Assim que a cabeça entrou o Carlos deu uma socada sá da piroca na boceta da Ana, enterrando até o talo nela. Ana deu berro e pulos para frente, mas Carlos segurou ela pelas ancas e não deixou ela sair. Ele segurou ela firme e ela se contorcia tentando tirar, e Carlos segurando ela firme disse:rnNão adianta se debater. Você não queria, agora aguenta ela que ja entrou todinha. Relaxa porra.rnAchei abusado da parte dele mas ao mesmo tempo sei que ele estava certo e não falei nada.rnAna me olhou e falei. rnEle esta certo. agora aguenta. Foi vc quem começou com isso.rnEla ficou um pouco parada e Carlos ainda segurando ela firme, até que depois de quase 1 minuto parados, ela virou a carinha pra trás e falou olhando para o Carlos.rnAgora vai... começa a socar essa piroca na minha boceta seu puto. Me rasga com essa piroca que ja to toda arrebentada mesmo...rnCarlos começou um vai e vem socando a piroca toda na boceta da Ana, que gemia e falava tudo quanto era de palavrão. Não demorou muito e os 3 gozaram. Ana gozou aos berros, logo depois Carlos tirou a piroca da boceta dela e derramou suaa porra abundante em cima da bunda dela e eu vendo aquela piroca enorme gozando em cima da bunda da minha mulher, não aguentei e gozei na boca da ana, que se esparramos no sofa, dizendo que iria ficar parada para se recompor.rnCarlos colocou sua roupa e se despediu. Fui leva-lo até a porta e perguntei o que daria para fazer e o puto em disse para eu nõa em preocupar pois não tem gravação, apenas as cameras para o porteiro ver o que esta acontecendo.Sá que registra as coisas são os olhos de quem esta vendo o monitor. rnDei uma risada, e falei a ele que estava de parabéns pela estratégia e pela piroca e perguntei se havia algum problema se Ana quisesse mais algum dia, depois que ela se recomposse, pois imagino que iria dicar assada por alguns dias.rnEle falou que uma mulher como a Dona Ana, não tem como se negar um favor desse. Ainda mais com um amrido gente boa como eu.rn

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


casadas safadas me deu a calcinha usadas contos eroticosenche esse cu de leite contoscache:GAEDmAeFVBUJ:okinawa-ufa.ru/m/conto_18319_fodendo-gostoso-minha-paciente.html cache:GAEDmAeFVBUJ:okinawa-ufa.ru/m/conto_18319_fodendo-gostoso-minha-paciente.html baixa menina dano abuceta para o imao maodona jandura conto eroticodei o cu po meu pone contos eroticos pornoContos eróticos teens gays chupando o filhinh da minha amigatitio disse q ia fazer passar a vontade de fazer xixi contos eroticosfiz amor com minha irmao cavaloenfiou seu pau com tudo no meu cu gritei de dor videos pornocasada reclamando do vizinho contos eroticosContos eroricos esturpo seios mordidascontos erotico castiguei a buceta da vadiaContos eroticos de irman eirmaoviajo da bundona aqui na Dona a mostrando o c*conto erotico mano pauzusdocontos perdendo a virgindade com o pedreiro e encanadorcontos eroticos: sobrinha no colocontos eroticos de avôdona florinda so ela dona florinda vaginaconto erotico virei escravo de minha professora safadacontos eróticos deu pra outro não quero maismulher de vertido con as pern.a reganhdaputinhos seduzidos contosrelatos reais eróticos - saciada em casahistorias de afilhdas trepano com padrinhotia peruca gosta de chupar pau e a buceta sai muita gozacu fudidos aregalados fotoscontos eroticos com escravas sendo humilhadacontos eroticos comendo minha vovozinha na chantagemesposo liberando a esposa para viajar contoconto peguei a coroa dona do cormecioa primeira vez que comi meu amigocontos apanhando do tutorconto eurotico namorada chupeteiracontos fiz titio gozartroca troca de homens adultos contosamo ser rasgada fisting contoConto erotico negao casada loiracorno obrigado a chupar pica contoContos eroticos gay vacilei fui fudido o cabaçogozei dentro da minha mae bebada drogada contos eroticoscomi o marido de minha prima ma cama delaMinha netinha sentou no meu pau contos eróticoscontos de no dedinho do padrinhoContos como foi a primeira punhetinhaconto erotico traindo a namorada debaixo das cobertas no escuroconto erotico transei com a sogracutuquei a buceta da mamae contosconto etotico xota da tiamagrinha com tatoo na bundaursao tio roludo contocontos fode-me paicontos eroticos sbcchupei a bucetinha carnuda dela contoscontos eróticos meu namorado deu o curso para não comerem minha bucetatContos eroticos sou madura vadiameu tio um coroa safado contoseduzudo e fudido contos gaycontos eroticos sadomasoquismo com putascontos eróticos só no cu das coroashomem casado,sendo penetrado gostoso no frango assado.sobrinho mandando ve no cu da tia contosSogro gay conto eroticofui experimentar e virei puta contos gayConto erotico meu pai me cobiçandocontos eróticos minha esposa ficou pelada na frente do sobrinhocontos não aguentei o pau do meu pai inteiro dentro de mimcontos eróticos eu e minha mãe nos amamos feito loucosTravessa gostosa lavando a b***** em casa com cama escondidaContos eroticos com chingamentoenrabaram minha,esposa na piscina sem eu ver contos eroticoscontos eroticos de sogras na faixa 47 anoscontos eróticos teen apostaver conto erotico de filho com mae evangelicacontos eróticos com mulher baixinhaContos gay perdi o cabaço com coroaconto estuprando a exconvenci meu primo a me fuder bem novinha contosxvideos pomo. as subriass