Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

CUZINHO SACIADO II

Click to this video!

Cuzinho Saciado II (favor usar este que está corrigido)



Reportamo-nos ao conto anterior, o Cuzinho Saciado, onde terminei relatando a sansacional gazada, deitado de bruços numa cama de hotel com um macho insaciável em cima. Pois bem, a suáve tortura e o imenso prazer continuaram. Depois de gozar e inundar meu cuzinho, meu macho ficou ali, com todo o peso de seu corpo sobre o meu, descansando. Eu sentindo o pauzão enterrado no rabinho em precesso de lento amolecimento, escorrendo um pouquinho de porra nas minhas pernas, porque, com tudo dentro anda, não liberava o caminho para o restante do líquido jorrar.



O cacetão demorava para desfalecer, não queria sair da gruta encantada. Passados longos minutos, senti o volume diminuir. Meu macho soltou um longo suspiro de satisfação. Num gostoso adeus do cuzinho para o pauzão delicioso, dei uma suave e delicada mexida, empinando a bundinha contra seu corpo, contraindo o cuzinho e apertando o mastro entalado com força. Ele respondeu ao adeus, empurrando ao máximo, pressionando seu corpo sobre o meu. Disse no meu ouvido com uma voz forte e rouca: quer mais? Demorei um pouco para responder, e o fiz repetindo o gesto anterior, suave e languidamente, virando a cabeça para trás, encostando no seu rosto e empinando bem a bundinha. Uma perfeita putinha.



Foi o suficiente para sentir lá dentro o volume começar a aumentar e a ganhar vida. Ah é, quer ser comida duas vezes sem tirar de dentro, quer minha potranquinha? Quer? Gemi, rebolei lentamente e empinei novamente a bundinha, falando com o meu garanhão por gestos, apertando o cuzinho, soltando gruinhidos, gemidos e ruídos desconexos. Sua vara já estava pronta, nunca tinha visto e sentido tanta vitalidade. Parece que acordou maior e mais voraz. Abra mais e empine esse bundinha, potranquinha, você vai sentir uma pica como nunca sentiu, empurrando tudo até o fim. Enlace minha pica com esse cuzinho, aperte, vai gostosa.



Nâo me controlava mais, estava inteiramente submisso ao meu garanhão. Gemia, rebolava, gingava, empurrava a bunda contra o seu corpo e contraia o cuzinho, num prazer imenso. Queria tudo dentro. Sentia uma sensação indescretivel, um calor tomando conta do meu copor suado, aqule pau me levava ao delírio, entrando nas profundezas do meu rabinho feliz.



Ele fudia de uma maneira diferente, sempre com o pau pressionado bem dentro, fazendo movimentos curtos, sem tirar. Entre duro e mole, fazia bem mais de uma hora que eu estava com o rabinho preenchido, inteiramete tomado por um cacetão dominador. Meu pau estava mole, o prazer modou de lugar, passou para o cu, da entrada às profundezas do canal, centimetro por centimetro. A sensibilidade era total. Gozei! Pela primeira vez uma gozada inteiramente anal, empinando, mexendo, gemendo, contorcendo-se e sentindo a força de uma macho dentro de mim. Ele percebeu, e disse: isso, potranquinha, goze, goze na vara do teu macho. Rebole, aperte assim, assim, isso gostosa. Agora você é minha mulherzinha.



Passou o calorão mágico, mas não passou o prazer. Meu garanhão delicioso continuou a meter, indo até o fundo e agora com movimentos mais longos. Agora é a hora de retribuir e comecei a mexer novamente, queria beber o líquido do meu garanhão pela segunda vez sem tirar de dentro. Goze mais, goze potronquinha gostosa, quero você gemendo mais.



Aperte esse cuzinho como uma buceta, aperte. Na tentativa de dar prazer e obedecendo as ordens do meu macho, o calorão mágico voltou. Em resposta as suas tocadas, eu dava aquela mexida longa, empinando a bunda para receber a pica com mais prazer e volúpia, contraindo, apertando, delirando de prazer.



Virei para trás a cabeça, ele perguntou tá gostando minha potranca, tá? Tou, agora quero ser sua mulher, sua fêmea. Goze, encha sua fêamizinha de porra. Ele pegou minha cabeça e me beijo, um feijo de língua profundo. Chupava minha língua com força. Boca contra boca, cuzinho com um pau maravilhoso e o meu pau, naquele momento fora de atividade, me senti uma verdadeira fêmea, satisfazendo seu macho e sendo satisfeita.



Dava aquela mexida delciosa e recebia a enterrada do cacetão lá dentro, sentindo o prazer da cabeça aos pés, sempre irradindo do cuzinho, que naquele momento mágica fazia o papel de buceta. Gostoso, como é bom receber um pau assim. Goze na sua mulherziha, goze, goze, macho gostoso.



Ele urrava de prazer. Gozamos ao mesmo tempo, a minha segunda gozada anal maravilhosa, cheia de contrações e de corrente elétrica, com um pauzão tudo enterrado, sentindo todo o ímpeto de uma macho maravilhoso. Ele caiu ao meu lado. Meu cuzinho sentiu alívio e vazio ao mesmo tempo. Aberta a porteira, a porra jorrou nas minhas pernas, lanbuzando minha bunda e o lençol, já úmido de suor.

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


contos eróticos minha buceta pegando fogo i.piscandocontoseroticosdecalcinhafotos de coroas branvas.dr sutian e.causinha na camstocando punheta no maracanaContos d uma mulher virgem amarrada no curral e estupradaContos eroticos minha buceta mela muito minha calcinha quando me esitocoroa casada depilada contosconto erotico a filha curiosaComtos mulher fodida pelo marido e o filhocontos eroticos abusada levando tapaTrasando com atiacoroas de buceta quadril e coxas enormes dando para cachorroContos eroticos meteu o cu no pau do irmao que tava dormindocontos erotico gay punheta no cuzinho do netinho pequenoConto enteada nao aguentou tudotoda raspada na praia de nudismo contosContos erotico ferias quentes cinco o retorno do titio pegadorContos zoofila comi mia professoraxoxota doce contoscontos comi a irma gravida gostosa rabuda peludarelatos sexo eu e minha filha novinhacontos de mototaxista e gayconto chupei a bucetinha da minha sobrinha de sete anos que ficava na minha casacontos erotico real na cidade de campinas esposa e estuprada na frente do maridocontos er¨®ticos incesto ensinei minha filha a ser cadelaMulher quadril fino buçeta arreganhada vídeo de gorda lavando o rabo ensaboadoputona da pro chefe marido nem desconfiacorno safada do Pará corto eróticostia dando pro negao contoFudeer minha avosimpatia comer cunhadaxanimhaContos eróticos te amo tioContos Marido virou viado na lua de melAdora mamadas contoseroticoscontos negao limpando quintal da casadaFotos de gostosas de vestidinho colado dirigindo carroconto eroticos vendo a foder minha irma no papai betinhasou uma putinha gostosa da familiacontos foi a melhor foda que tivecontos eroticos gay vadiacontos de punheta com botastodos foderam ela contosContos eroticos de calcinha fio dental saia rodada no coletivodiana sentindo pica pela primeira vezgozando dentro do tamanco contoswww.Contos Eroticos de sexo gay incesto pai estrupando filho virgem gay sexo violetos em contos.comContos erotico ferias quentes cinco o retorno do titio pegadorcontos de crossdresser me seduziu e me fez putaokinawa-ufa.ru chantageadacontos eroticos incestos primeiro foi o meu irmão agora e meu paique cu mais apertado agora chora contocontos eroticos dominou toda a minha familiacontos eroticos de negros em hospitaisDesvirginando a sobrinha de 18 anoscontoseroticos.esposa abudada no onibuscomendo aenteada de cbelos cachiadoscconto erotico de netinho decinco anoscontos como presenciei um cachorro fudendo uma cadela até engatarconto porno mulher putaporno babalu pede pra não gozar antes do tempoconto minha mulher e um cao d rua fodendocontos eroticos comi meu cunhadox video.com madrasta me mandou eu lamber o seu cuzinhofofinha putaria goiania contoszoofilia negao comenorme pau deixando putia loucacontos eroticos gay meu vizinho de dezenove anos me comeu quando eu tinha dez anosmoreninho hetero marrento contovidios pornu mulhe qUe gota de trasa vetida com fataziacontos eróticos namorada safadaconto incesto minhas irmãs gritaram no meu paucache:XIRRUtFC4SYJ:https://idlestates.ru/conto_12285_fui-estuprada-por-minha-culpa-parte2.html conto flagrei minha mãe dando para um bem dotado