Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

PERDENDO O CABAÇO NA ENFERMARIA

Click to Download this video!

Depois de algum tempo sem escrever, aqui estou eu de volta para compartilhar com vocês as minhas experiências. Para aqueles que estão lendo um conto meu pela primeira vez, meu nome é Lettice, sou loira, 1.65 cm, olhos verdes, 47 kg, seios durinhos e empinadinhos, bumbum redondinho e arrebitado. Como vocês sabem, eu adoro mamar num caralho, é a coisa mais deliciosa do mundo e desde que o Pedro me ensinou a tirar leitinho da tora dele, fiquei completamente viciada. Certo dia meu pai teve que ira para o Maranhão resolver uns problemas na fazenda de lá e levou o Pedro junto com ele. Eu fiquei desesperada, pois teria que ficar sem mamar no cacete do Pedro, eu não sabia como iria saciar minha sede de porra. Já fazia uma semana que eles haviam viajado e eu já estava subindo pelas paredes, morrendo de vontade de dar uma mamada num caralho tesudo. Sem o Pedro na fazenda eu estava enlouquecendo, doida por um caralhão gostoso. Depois de 2 semanas eu já não me aguentava, estava desesperada para dar uma bela mamada numa pica dura. O tesão reprimido estava me matando, minha bucetinha vivia ensopada e meu grelinho supersaliente pedindo por uma chupada, foi quando eu bolei um plano para acabar com meu sofrimento.Eu estudava numa escola tradicional, daquelas que tem que usar saia, blusa branca e tudo mais.Durante as quintas eu tinha aula de química com um professor super charmoso. Sérgio era o seu nome, ele era moreno, alto(1.92), cabelos pretos, um corpo legal e um sorriso cativante. Eu sempre tive uma queda por aquele professor e agora que eu estava desesperada por um cacete, planejei como seduzi-lo. à noite repassei todo o plano para que nada desse errado, pela manhã seria o grande dia. No outro dia quando coloquei os pés na escola senti minha bucetinha ficar meladinha de tesão. Fui para a sala de aula e como sempre sentei na primeira cadeira. A cada minuto da aula que passava, mais excitada eu ficava, sá imaginando como seria mamar no cacetão do professor. Quando terminou a aula, comecei a por meu plano em prática, fui ao banheiro, me livrei da calcinha e do sutiã, enrolei a saia e parti para a ação. Minha bucetinha parecia um lago de tão excitada que eu estava, passei meu dedo nela, depois o levei de encontro a minha boca, experimentando do meu melzinho.desabotoei os primeiros botões da blusa e saí do banheiro. Chegando ao corredor comecei a procurar pela minha vítima e quando avistei o professor, senti os biquinhos dos meus seios ficarem durinhos de tesão.Quando estava chegando perto do professor simulei um tombo e ele veio me socorrer. Dei um jeito para que ele notasse que eu estava sem sutiã e visse as curvas dos meus seios e comecei a chorar fingindo que havia machucado a perna. Eu disse que não conseguia andar e ele me pegou no colo, levando-me para a enfermaria. à medida que ele ia me carregando senti que sua respiração acelerava, pois ele não tirava os olhos de dentro da minha blusa e eu me agarrava ao pescoço dele, fingindo que não percebia. Senti ele me segurando com maser força e insinuando as mãos nas minhas pernas, eu podia perceber que ele estava excitado. Quando chegamos na enfermaria ele me colocou na maca e foi chamar a enfermeira, sá que para minha sorte quem estava de plantão era um enfermeiro. O enfermeiro perguntou o que eu estava sentindo, me deu um analgésico e falou para eu ficar descansando por um tempo. O professor veio para o meu lado e disse que tinha que ir embora, pois daria aula em outra escola, eu comecei a chorar pedindo para ele não ir embora, pois eu estava com medo. Ele passou a mão pelos meus cabelos e disse para eu me acalmar. Eu comecei a soluçar baixinho, dizendo que a perna estava doendo muito e pedindo para ela fazer uma massagem. Ele ficou sem-graça, mas começou a cariciar meus joelhos de forma sensual, eu disse que a dor era mais em cima, então ele começou a percorrer minhas pernas com suas mãos até tocar nas minhas coxas, eu não aguentei e dei um gemido baixinho, ele pensou que a minha perna estava doendo e tirou a mão, eu disse a ele que não havia doído e que a dor era mais em cima, ele já estava tocando a minha virilha quando eu notei o quanto o seu cacete estava duro. Eu inclinei o corpo e as mãos dele foram direto para a minha bucetinha que estava ardendo de tesão, ele ficou sem-graça e me pediu desculpas, mas eu falei para ele que a minha bucetinha que estava doendo, necessitando de carinho. Nossa, foi demais!!! De repente, ele se transformou, não parecia aquele professor tímido. Ele levantou minha saia e ficou olhando admirado para a minha bucetinha empapada. Eu desabotoei a calça dele, abri o zíper e meus olhos se deliciaram com o volume que a cueca não conseguia esconder. Eu quase rasguei a cueca dele de tanto tesão que estava sentindo, nossa quando vi o caralho dele até me assustei, não era tão grande quanto o do Pedro, mas era muito grosso e tinha uma cabeça ... que sá de lembrar, já sinto minha xoxota pedindo pau. Eu caí de boca naquela maravilha, mamei com todas as minha forças, queria saciar minha sede de porra de qualquer maneira. Ele gemia alto e segurava minha cabeça entre suas pernas. Eu mamava com tesão, lambia o testículo, chupava a base, o beijava e dava rápidas mamadinhas naquela cabeçona maravilhosa. Eu sentia o cacete dele duro e quente como ferro de marcar gado. Na verdade eu me sentia como uma vaca e não via a hora de ser fudida por aquele cacete delicioso. Quando senti que ele estava preste a gozar, comecei a mamar mais rápido e ao mesmo tempo batia uma punheta naquele pau tesudo. Ele meteu o pau no fundo da minha garganta e gozou de forma fantástica. Nossa, eu bebi cada gota daquele líquido precioso, não deixei escapar nada. Ele olhou para o meu rosto e disse que eu era uma bezerrinha muito tesuda. Eu comecei a rir e falei que o melhor ainda estava por vir. Ele reagiu na hora, tirou a minha blusa fora e começou a mamar nos meus peitinhos ao mesmo tempo em que ficava brincando com seus dedos em meu grelinho, eu estava ensopada, parecia que dentro de mim havia uma cachoeira. Ele foi descendo até encontrar minha bucetinha que já estava implorando por uma chupada. Nossa, ele chupava meu grelinho com ânsia, eu estava delirando. Ele começou a meter um dedo na minha xoxotinha e eu preste a gozar, gritava para que ele me fudesse com aquela língua suculenta, no que ele prontamente me atendeu, metendo aquela língua dentro da minha rachinha quase me rasgando toda. De repente, eu comecei a tremer, gozando como uma vadia e babando o rosto dele com o meu melzinho. Eu fiquei de quatro e falei para ele que o meu cuzinho também queria um carinho. Nossa, ele veio pra cima de mim como se fosse um touro, com os olhos ardendo de tesão e com o cacete latejando de tão duro. Ele começou a lamber meu buraquinho, ora lambia, ora enfiava um dedo na minha xoxotinha espalhando o meu meladinho por todo o meu buraquinho, deixando ele bem lubrificado. Eu sentia o meu cuzinho piscar e se alargar pedindo pau no que ele foi logo atendido, pois meu professor disse que eu era uma putinha muito tesuda e merecia ser fudida com bastante tesão. Ele apontou aquela cabeçona no meu rabinho e foi abrindo passagem, à medida que o meu cuzinho ia se alargando, eu gemia pedindo para ele: - Vai professor, fode bem forte que eu aguento, quero sentir esse cacete pulsando no meu cu. Não precisei pedir 2 vezes, ele começou a meter sem dá, até o fundo do meu cuzinho, sentir aquele cacete dentro do meu rabinho estava me deixando louca, meu professor bombava forte quase me rasgando metia com a fúria de um leão, o gozo veio fácil. De repente ele parou de meter no meu cuzinho e já apontava para aquela cabeçona para a minha bucetinha. Quando senti aquele cacetão forçando passagem na minha grutinha, pedi: - Professor, vai com carinho, pois eu sou virgem. Ele quase não acreditou e começou a lamber minha xoxotinha preparando ela para receber aquele caralhão. Nossa, eu não estava mais aguentando, suplicava para que ele metesse aquele cacete na minha bucetinha, mas ele não me ouvia e continuava me maltratando com aqual a língua tesuda. Quando eu estva quase gozando, ele se posicionou e começou a meter aquele cacete na minha xoxota. Primeiro ele enfiou a cabeça, parou um pouco e ficou mamando nos meus peitinhos, depois ele começou a meter o resto. No início doeu um pouco, mas depois eu era sá tesão e suplicava: - Me fode, me rasga, esfola a minha buceta. Nossa, ele começou a bombar com força e eu gemia cada vez mais alto, ele estava incontrolável, metendo sem parar. Eu gozei como nunca havia gozado antes, gritando e rebolando naquele cacete delicioso. Quando ele gozou foi demais, inundou a minha bucetinha com aquele leite quentinho, eu delirei e gozei novamente, puro tesão. Depois de um tempo ele saiu de dentro de mim, trazendo no seu cacete o meu melzinho, um pouco de sangue e o seu leitinho, tudo isso misturado com suor. O cheiro que se sentia na enfermaria era o de sexo intenso. Pouco depois apareceu o enfermeiro com um sorriso sacana no rosto e me falou: - Amanhã é a minha vez de meter nessa bucetinha. E eu toda sorridente respondi: - Pode ter certeza que sim!!! Mas essa já é outra histária. Bom, espero que vocês tenham curtido e gozado bastante com a minha histária. Espero que vocês me escrevam([email protected]). Beijinhos tesudinhos para todos!!!!

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


relato erotico meu filho me secava doissexo contos mendiga estuprocontos eroticos dei pa paga dividacontos eroticos mamas tetas puta peitos nicolecontoseroticos/reconhecendo o encochadornudismo com meu irmaoContos gays o colega pauzudoSou gay e tranzei com um travest contos eroticocontos eroticos enchi minha filhinha de porrarealizando minhas taras com a gravida contos eroticosfoidento do cuzinho xvideoConto erotico levantaram minha microsaia e me comeram gostosobuceta virgem sendo chupada e descabaçada por coroas contosconto vilma convence fred ser connocontos eróticos minha mulher tem sono pesadoChupando o peito da priminha gostosa:*contos de esposas traindo por dinheirocontos gay transformado em putaconto fiquei pelado na frente da médicax vedio pai eintiadavvidos de muler co casoro. fudemoContos erotico menina de nove anos no bosqueContos de voroa estrupada por tres negoes e gostandocontos eróticos menina transa por balawww.contos de incesto me viciei em deixar meu tio chupar minha bucetinha na minha infânciacontos chantageada pelo genro e pela filhaenrabado no campingcomi a espetora contosporno pesado arrombando relatosConto meu marido me devorou na madrugadaloira cris casada fode com negao contos eroticosputa entra em desepero ao gozar esegerada mentecontos de cú de madrinha despedida de solteira da minha irma no meu apartamentofinalmente o telefone tocou conto erotico cornovi meu padrasto pegando a minha mãe e eu gostei muito sou gayCorno em calcinha contocontos erotico maes rabudas c a familia n festa.conto erotico travesti passeano na pracamulher casada honesta tomou gozada na bucetasou homem quero dar o cu para uma putacontos eróticos quentes minha namorada em dp reaiscontos assim corninho que vce gosta de vervideornposscontos eroticos fudendo a mae ño campismocontos eróticos minha mãe me pego com cachorroconto erotico gay meu afilhadocdzinha enrabada pir coroas contoscontos eroticos sobre voyeur de esposacontos ninfeta provocando com shortinho socadopessoas fazendo sexo gostossoooofilho aromba o cu da madastra que grita ta,doendoconto erotico separei da minha esposa e voltei e descobri que ela deuconto gay viciei na rola do negÃoas mais linda esguichada na punhetaMeu oai meu primo e eu contos gayContos eróticos - estuprei minha cunhadinha pequenaver contos de lesbicasboqueteira gaucha contoconto real casada gravida na surubaFlagra plugConto erotico filhinha de niquinimulhe puta punetano emuita pora saino do cacetFoderam gente contos tennsestuprada pelo chefe chantagistas(porno)Conto porno descobri q minha mulher tinha um caso com o chefemeu marido me flagrou com um pepino contos Contos eroticos namoradas sendo realizadas por pintudoprimeira vez com o primo gay contocontos padrasto e enteadade tanto insistir em ver minha mulher em cima de outro pau ...contos erotico eu sou filho adotivo comi minha tiafiz minha cunhada chupar meu pau filmei tudo escondido sem ela sabercontos.historias deixei velho nojento barbudo chupa meu grelogozei nas coxas da filha contosContos eroticos comendo cu da madrasta e da meia irmaconto eróticos do sobrinho do meu maridovirei cadela contos eróticosMinha sobrinha pediu para eu dar um shortinho de lycra pa ela usa sem calsinha para mim contosconto porno pentelhos a mostrameu genro me fez gosar contoscontos eroticos meu dono