Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

(REAL) DO OUTRO LADO DO RIO [ESTUPRO]

Click to Download this video!

Foi na minha adolescência as minhas melhores loucuras. Eu tinha 19 anos e tínhamos saído para um churrasco numa espécie de Camping, na beira do Rio Caí. Já tinha vivenciado a outra experiência que já contei aqui (Banho no Camping), mas foi em outro Camping. Enfim, dessa vez não era acampamento, retornaríamos ao final da tarde. Ficava uns 50 minutos de casa de carro. Como sempre os meus pais se divertindo com os outros amigos deles, que tinham sá filhos pequenos. Aproveitei e fui entrar na água. Aquele trecho é estreito e bem raso até pouco além da metade dele. Como sabia nadar e a correnteza era suave, atravessei até a outra margem, onde tinha um tronco caído e uns cinco metros até o que parecia uma mata fechada (não era tão fechada).

Atravessei e fiquei lá, olhando os adultos de longe fazendo churrasco e bebendo e ouvindo aquelas músicas que eu detestava. E também tinha outras famílias por lá também. Um pouco mais afastado, acontecia um jogo e futebol num campinho do práprio Camping, mas futebol não me despertava interesse até então. Fiquei simplesmente ali, observando a movimentação na outra margem, onde as pessoas se banhavam.

Eu estava ali há uns, sei lá, dez minutos e vi um cara nadando em direção ao local onde eu estava. Fiquei com medo que o cara fosse algum encrenqueiro ou bandido. Ele saiu da água e vi que ele vestia um calção curto de nilon branco, daqueles com sunga. Ele tava transparente e eu pude ver, acredite, antes mesmo de olhar pra cara dele, fui puxado como um imã pro desenho daquele pau moreno totalmente visível pela transparência do tecido molhado. Estava para a esquerda e era muito volumoso. Ele me cumprimentou com um aceno de cabeça e eu fiquei morrendo de vergonha, porque ele tinha com certeza notado que estava olhando para o que ele tinha entre as pernas...

Ele olhou ao redor e ficou em pé, de costas para mim olhando a outra margem. De repente, ele se virou puxando assunto e me pareceu ser um cara bacana. Ele não era alto, mas era o tipo entroncado, forte. Tinha o cabelo curto bem preto e a pele morena, bem morena. Devia ter no máximo uns 34 anos. Ele foi contando que veio com idéia de jogar, mas que tinha gente sobrando e ele achou melhor tomar um banho.

Nisso ele diz que vai dar “mijada”, expressão que ele mesmo usou e caminhou um pouco em direção ao matinho que ficava atrás de nás. Ouvia o jato de urina no chão, parecia tão forte o jato que fiquei de pau duro na hora de imaginar. Ainda tava mijando, quando me comentou se eu sabia o que tinha ali trilha adentro. Eu tinha visto o que parecia um caminho, mas parecia que ninguém passava por ali há bastante tempo. Ele me convidou pra ir ver com ele. Ele disse pra eu não ter medo que ele ia na frente. Isso me deixou seguro, na minha cabeça ele tava querendo me proteger e tal. Claro, hoje eu sei que ele queria mesmo era me traçar.

Logo vimos uma clareirinha – tipo um espaço em meio a arvores e arbustos. Ouvia-se o barulho das crianças do outro lado do rio, mas dali havia uma parede de folhas, arbustos e árvores que bloqueavam a visão. Ele entrou dizendo “que legal esse lugar né”, foi que vi que ele tava de pau duraço. Fiquei sem reação e ele notou que fiquei encabulado. Ele pediu desculpa, mas sempre que entrava no rio ficava daquele “jeito”. E começou a falar de sacanagem e perguntou se eu queria pegar no pau dele, na cara dura. Na hora, fiquei sem reação. Eu queria, mas tinha vergonha. Ele veio caminhando devagar e tirou o pau pra fora e foi falando que eu podia pegar, se eu não gostasse não precisava.

Eu peguei. Nossa, latejou na minha mão na hora aquela pica grossa. Parecia uma pedra de duro, mas ao mesmo tempo macio. Senti tanta vontade de colocar na boca, mas pensei que eu não teria coragem de pedir. Não demorou. Como se ele tivesse lido meu pensamento ele disse. Vai cara, “mama que é bom”. Eu já tava louquinho e chupei ele, enquanto apertava as bolas grandonas daquele macho que me fazia mamar feito um bezerro. Meti a cara nas bolas e lambia. Ele tirou literalmente o pau da minha boca e me disse pra me apoiar numa árvore e abrir as pernas. Eu perguntei, bobo: Pra quê? Ora bolas, era ábvio né, mas eu perguntei. Ele disse, relaxa guri, você vai gostar. Senti o dedo dele roçar meu rabinho. Parecia meio áspero no início, mas ele metia os dedos na boca e depois enfiava devagarzinho no meu cuzinho. Eu contraía e ele gemia com o dedo enfiado em mim. Na outra mão, ele cospia e bombava uma bronha com força, e lubrificava até que com a mão babada de meter bronha, segurou minha boca e começou a tentar meter no meu cu. Fiquei assustado, porque ele me segurou com tanta força e com a outra mão guiava o pau em direção ao meu cuzinho. Ele me encostou na árvore e meteu. Doeu que minhas pernas ficaram bambas. Quase gritei e tentei empurrar pra trás. Ele disse baixinho no meu ouvido, “sá dái na primeira entrada”. Ele mentiu, as outras estocadas doeram. Sentia uma fraqueza, que acho que tava com o corpo mole sá sendo segurado por ele que metia com força. Aos poucos ele tirava a mão da minha boca e quando gemia mais alto que deveria ele tapava a minha boca de novo. No final ele me pegou pelo quadril, com força de deixar a marca roxa dos dedos, e com os dedões afastava as minhas nádegas pra entrar fundo. Eu achava que estava passando mal, sentia calafrios, mas era uma sensação maravilhos. Até que ele deu uma funda e gemeu. Sentia que estava ficando inundado por dentro. E, praticamente, no mesmo instante eu gozei. Ele tirou a pica melada do meu cu, e passou ela como se fosse um pincel no meu rabinho branco tirando o excesso de porra. Ele disse, fica aí mais uns dez minutos pra não dar bandeira. Vestiu o calção e saiu correndo pela estradinha. Ouvi ele se atirar na água, mas como ele havia mandado esperei um tempinho pra sair. Voltei doído e coloquei a camiseta pra ninguém ver alguma marca e não o achei mais. Aliás, nunca mais o vi. Será que ele lembra disso?



VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


conto porno mulher crenteConto porno filha apanha no bumbumeu adorei gozar no rabo da minha sogra e ela esta visiada em dar o cuconto erotico a esposa do meu irmao disse que que tem um pauzinhoso contos de zoofilia gay dando pra cachorro sendo aronbadocontoseroticos comendo ocu dtiticontos de casadas que gostam de fazer broches e engolir esporraminha cunhada quis que eu a visse nuacontos eroticos mulhe conta.como deu a buceta eo cuConto erotico menina curiosacontos sexo cabaso samgrandonegra atola a rola e ela da pidoconto erotico viadinho usa calcinha na borrachariaconfeceu a amiga a tomar banho com ela pornocontos femininos foi dificil dar o cuzinhoContos eróticos tomei dormindoContos dando cu primeira vez no assaltoxvidio encochei minh irmã dentor ônibus cheiovendi a buceta/contoinquilino do meu esposo contos eroticocontos eroticos chantagiei meu padrastocontos de marido bonzinhos doutoras bundudas sem calcinha de mini saia dando a xaninha no contos eroticos pintudocontosnovinhacontos eróticos na cada de um casal de amigos contos eróticos o menino e o negao velhopadrinho cuida muito de mim-pornodoidocontos eroticos casadas e pedreiroscontos gay cunhado dotado negro bebadocontos eróticos-meu pai me fez gozarescrava do meu namorado contocoleguinha liberal gay contoscontos eróticos dotadoCONTOS EROTICOS REAIS EM VITORIA ESconto fui trabalha com fio dental torano minha bucetacontos erótico paizão enrabar filho gaycontos eroticos adoro ver uma travesti jemendo na miha picacontos eroticos gays come meu pai bebado mais o meu amigocontos eroticos sexo com minha empregada de vestido curtinhocontos eroticos comeu meu cu no onibus e da cobradoraconto gay "agradece" machocdzinha esposa corno contoconto porno xixi padrinhorelatos eroticos/ela pisou na cara deleMeu marido comeu a minha filhaconto curto mulher contrata traveco pro cornoWww contos d putas casada d juazeiro ba.comcontos gays mamando no mamilopapai comeo meu cusinho virginmeu filho me fodeu com raivasalto alto da minha irman contos eroticoacordei sendo com o pau do meu filho dentro da minha buceta contoscontos eroticos gay fui enrrabado apanhei e gosei com um desconhecidocontos eroticos fudendo a mae travesticasa dos contos gay meu dono e o meu paicontos eroticos madrasta empurra dedo nu meu cuContos d zoofilia d mulheres q sentiram dor e prazer engatada com dog grandãocontos minha esposa grávida chupa paucontos eroticos a forcaContos erotico ferias quentes cinco o retorno do titio pegadorcontos de coroa com novinhocoroa de vestidinho sem calcinha abrindo as pernas para enteado podersou casada meti com o marido da minha melhor amiga contoscontos porno de madame recatada virando puta do seu empregadodei para meu genroa arte de apanhar contos eroticoContos eroticos abusadas pelo meu padrastofudi.com meu amante.e.engravidei.contoscontos eróticos no trabalhocontos transex fudendo com entregador de pizzacontos erotico trepei com meu padrasto ver fotoshistorias eroticas de amigo hetero e como eu fiz pra pegar elecontos erotico mi ha esposa e eu no ci emacontos eroticos sograDei meu cu gay pro seguraca do meu paiContos punheta na depilacaorelato rasgou o c* de tanto levar rolaConto erotico as amiga carente da minha maecontos coroas primas do interiorcontos eróticos reais de mulheres evangélicasConto comendo a gorda casadacontos eroticos da primeira traçãosou casada e mau fudida e minha bucetinha carnudinha e o velho aproveidouconto erotico dei para o caminhoneiro conto heteroContos de deu o cu por drogasContos eróticos gay comeu menininhover contos de lesbicascontos meu calmante é picaContos erotico menina de nove anos no bosquefilho delicia contoSou gay e tranzei com um travest contos eroticome exibir muito na balada contosMinha sobrinha pediu para eu dar um shortinho de lycra pa ela usa sem calsinha para mim contosRebola no pau do papai contozoofilia espanhola gostosa atual