Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

FAZENDO UM DIQUE REMASTERIZADO

Fazendo um dique



No conto anterior ( O caseiro do Pequeno) vocês viram que o caseiro Paulo nos flagrou no remanso quando íamos começar nossa sessão de putaria, e contou-nos que já tinha visto muitas vezes o que fazíamos, não teve alternativa, tive que dar para ele também, e cá pra nás, gostei, pauzão grosso, duro, ele me carregava e terminava o serviço dentro do lago. Durante a semana conversando com seu Rui, este me diz que agora vai ficar mais difícil ir à chácara e levar-me, não queria me ver espetado pelo caseiro, mas, acabei convencendo-o que seria melhor irmos mais alguns domingos e com isso convenceríamos ate as mulheres que estávamos realmente fazendo o dique, conforme o Paulo falou. Depois paulatinamente começaríamos a faltar aos domingos, sem que ele percebesse que foi por sua causa. A ideia era ganhar tempo para convencê-lo a levar-me todas as vezes qiue ia a chacara. Seu Rui entendeu e ainda levou-me mais três domingos seguidos, eu gostava, por que ao chegar o Paulo já estava a nossa espera, ficava esperando trocarmos de roupa e juntos subíamos o rio. Quando chegávamos, ele puxava o barco amarrava-o e vinha com muita sede para cima de mim, com sua verga duríssima, chegava metia ela no meio das minhas coxas, me sarrava um pouco, depois fazia chupá-la, aproveitava que estava lubrificada e a introduzia no meu cuzinho que a essa altura estava piscando mais que vagalume. Eu me retorcia todo urrava, gemia, enquanto ele forçava a cabeça para entrar, mas, depois eu me largava, sá sentia ela deslizar buraco adentro ate seu saco encostar-se em minha bundinha. Ele me agarrava com força e carregava-me para dentro dÂ’água, com a vara espetada, falava ao meu ouvido que estava a dias sem transar esperando pelo meu rabinho, queria comer meu cuzinho por muito tempo ainda, cu gostoso, voce nasceu para ser comido, voce gosta de rola, e bombava ate encher-me de leite. Caia na água e ia nadar um pouco, depois ficava sentado na margem do outro lado observando-nos, enquanto eu estava ocupado, dando um trato no pau do Rui. Seu Rui gostava primeiro de chupar-me bastante e ser chupado ate me dava leitinho de vez em quando, sá depois e que ele penetrava meu buraquinho, bombava um pouco, trocava de posições varias vezes, sempre admirando minhas nadegas, ele sempre pedia para eu abri-las com minhas mãos enquanto ele apreciava e degustava-a com sua vara. Eu gostava de servir a ambos, tinham estilos diferentes, Paulo era mais rústico, não gostava de muitas delongas, umas poucas chupadas na rola, e ia direto espetar a vara no meu cuzinho, com um pau mais grosso, duro como uma estaca, bombava sem parar ate abastecer-me, carregava-me para dentro do lago onde gostava de terminar o serviço. Já o seu Rui, era o oposto, gostava de fantasiar bastante, chupava meu buraquinho e gostava que eu chupasse rua rola, metia pouco, mas, fazia varias penetrações, pedia que eu ajoelhasse e ficasse com o rosto rente a areia, abria minha bundinha e chupava meu buraquinho, como criança chupa uma chupeta, deixava-me completamente mole, excitado, virava-me fazia uma penetração tipo frango assado, bombava um pouco, deixava-me de lado e introduzia de novo, bombava mais um pouco e novamente trocava de posição, sempre terminava o serviço deixando-me de quatro. Eu ia nadar e limpar-me, e lá dentro dÂ’água, Paulo chegava começava a passar a mão na minha bunda, levava-me para a parte mais rasa eu ajoelhava e mamava gostoso naquele belo pau. Depois ali mesmo ele cravava sua ferramenta no meu orifício e o vai e vem ficava frenético, eu sentia sua vara crescer dentro de mim e depois as ejaculações vinham em abundancia. Eu acho que era por ciumes que o Rui não gostava de transar na frente do Paulo, ele sabia que o caseiro por ser mais jovem tinha mais pegada, seu pau ficava duro mais rapido, era mais grosso e maior, enquanto ele demorava para pegar embalo, ficava mordendo, lambendo por muito mais tempo. Algumas vezes seu Rui ia ate onde estavamos e enchia minha boca com seu pau, ficava acariciando-me passando as mãos em minha cabeça, perguntava se estava tudo bem, enquanto isso Paulo no vai e vem se acabava massageando e enchendo meu o meu rabinho de leite. Lavava-me e ia com seu Rui ate perto do barco, ele reclamava não ter mais privacidade, é chato estar transando com outro olhando, não gosto disso. Muitas vezes eu pedia para ficar mais um pouco e procurava ir para dentro dagua onde o Paulo novamente atracava meu rabinho, completava o serviço deixando-me contente, tinha recebido o pauzão do Paulo mais uma vez, e seu Rui tinha me chupado bastante. Em compensação na segunda feira eu recebia uma carga dobrada de chupadas e de rola do seu Rui, ele ficava exausto e suava, eu ficava com o olhinho ardendo de tantas penetrações. Aos poucos fui deixando de ir à chácara, Paulo sempre perguntava por mim e seu Rui alegava que era por causa da escola, tinha muitas lições para fazer e como trabalhava sá podia fazê-las aos domingos. Passava-se muitos domingos e eu pedia ao Rui que me levasse para a chácara, ele não gostava, mas eu alegava que se não fosse de vez em quando o caseiro podia pensar que era ele seu Rui que não queria, e ficaria com bronca. Quando ia o caseiro chegava e logo perguntava por que demorou tanto não gosta da chácara? Gosto, mas estou abarrotado de lições, por isso venho de vez em quando. Vá se trocar vou te mostrar como ficou o dique que você ajudou a começar. Subíamos o rio, muitas vezes sá nás dois, seu Rui não gostava de ver-me na vara de outra pessoa, e nem de usar-me sob os olhares de outros. Quando íamos sá os dois eu me largava na vara do Paulo, ele falava que agora tem prazer em trabalhar para seu Rui, sabe que no fim de semana eu venho para abastecer sua rola com meu cuzinho guloso e aproveita para tirar o atraso e eu também, era comido de todos os jeitos, aguentava aquela super vara e ainda rebolava com o cuzinho todo preenchido. Paulo gostava quando vinhamos sosinhos deixava eu mamar a vontade, ele tambem aproveitava para realizar seus sonhos e chupava meu cuzinho como mestre deixando-me totalmente excitado. Mamava a vontade, e metiamos dentro e fora dÂ’água, eu saia com o cuzinho ardendo e dilatado de tanta rola. Pena que outra dessa sá daqui mais de um mês, se o seu Rui consentir em levar-me. Depois eu conto mais.

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


visitando a cunhada casada mais velha contoscontos anal de mulher virgemcontos quando eu gozei damdo a bundaMinha ginecologista contos eroticosporno oooooo vai vai aiii caralhopais se esfregando na filha shortinho cortodos foderam ela contosbucetas insasiaveis em contocontos eróticos virei marido da minha irmãpura foi dar pra cavalo e acaba com a buceta estoradaconto gay sobrinho viro esposafotografando para um amigo conto euroticoa mae da minha namorada contoscontos eroticos buceta arrombadaprino doido vaidiaxMeu namorado virou corno contos teendando para um desconhecido conto gayconto erotico fui pra fazer um teste pra trabalhar e voltei pra casa cm a buceta ardendo de tanto dardou para o meu irmao contosFui enrrabar minha esposa o pau não subiu o que façoconto erotico priminhao cu da morena saio sague de tanto fura porno doidocontos gay infancia garoto menino. eroticoManinho me arrombou gostosomorena cabelos pretos seios durunhos e aureulas escuras deliciacontos abusada pelo tiowww.xconto.com/encestocontos o pau do enteadoporno club contos eroticos de meninos gaysConto eu peguei meu genro me brechando no banhoContos mamae é a puta da familia e dos vizinhosconto comendo viuvaCorno ama namorada use chortinho de lycra marcando buceta contoscom amigo na praiaconto eroticocontos eroticos comendo burra no sitioconto erotico maeminhas netinhas gêmeas virgens contoscheiro calcinha mar massagem conyocontos eroticos dando pro pai heterocontos erotico trepei com meu padrasto ver fotosvi minha filha sendo arrombada contossoquei a pica na boca da sogra e chupei os peitos dela contoContos eróticos menino menor sendo abusado gozada dentroContos erotico ferias quentes cinco o retorno do titio pegadorconto erotico vestida com calcinha vestido no cine eroticoContos de incesto de meninas de 14 aninhos em Belém do Parácontos-teu pau entrando com força no meu cuzinhogozada na boca sueliconto erótico de casada que chegou em casa completamente arrombada e o marido percebeuContos erotico ferias quentes cinco o retorno do titio pegadorcrente velha chantageada contos eróticos http://contos eroticos mulher pega carona e estrupadaNovinha Bebi porra do meu amigo contozoofikia contis eriticos homem aosixonado pela eguacontos eroticos comendo cu da mamae a mando do papaicontos se caga na pica e gostamenage com primo contocontos eróticos enrabei minha irmã nun dia de friominha iniciação gay contosAdvogada casada e estuprada contosContos eroticos a filha da empregadacontos erotico gay quando mim focarao a bebe leite de varioscontos eroticos travesti me rouboucontos de cú de irmà da igrejameu primeiro swingcomi a lesbica contofenandinhapornoConto trepei com o cachorro e meu maridoconto erotico viado velho humilhado por macho dominadorcontos comi a japonesa rabuda casadacontos eroticos caminhaocontos porno travestis estupros sadomazoquismocasada reclamando do vizinho contos eroticoscontos eróticos chupeicontos eróticos sou mais p*** das p**** meu marido sabe dissocontos eroticos, venerava meus mamiloscontos eroticos gay.treinadorgozadas na boca do menino contosfudi as dua sobrinhas de nove e onze anos contoconto eróticos espiando o meu pai