Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

A MINHA PRIMEIRA VEZ FUI EU QUEM A DECIDIU

Click to this video!

Encontrava-o muitas vezes no elevador do prédio onde moro. Era um velhote com mais de sessenta anos, alto, bem constituído, cabelo curto todo branquinho, áculos sem aros e muito bem vestido. Tinha sempre um sorriso bonito para mim e um bom dia ou boa tarde.

Mas sá comecei a reparar nele depois daquela vez em que o elevador já levava quatro pessoas, eu não queria entrar e ele disse que não havia problema, havia também lugar para mim. Estavam lá mais duas senhoras e uma criança e eu fiquei bem encostado ao velhote, pois as mulheres, embora não tivessem dito nada, olhavam-me com ar de quem não me queria ali. Eu estava de lado para a porta, encostado na parede, o velhote de frente, encostado na outra parede. Eu sentia o seu cheiro agradável do aftershave, reparei nos seus olhos azuis por trás das lentes e não consegui evitar que a determinada altura, quando o elevador parou noutro andar, a minha mão roçasse o seu baixo ventre e, quando chegamos à saída e me virei para a porta também não evitei que ele se encostasse ao meu rabo. Aliás, retardei um pouco a saída para saborear o momento de grande tesão.

E a partir daí, cada vez que ia para o elevador, esperava sempre encontrá-lo e ficava feliz de o ver, sorria também para ele, chegamos a trocar algumas palavras. Achava-o atraente, sentia tesão por ele, comecei a bater punhetas imaginando que fazia sexo com ele. E meti na cabeça que aquele velhinho simpático me iria tirar a virgindade. Estava farto de me masturbar sozinho, estava farto de ser virgem e isso tornou-se uma obcessão. Decidi que o ia fazer com eleÂ… sá não sabia como.

Um dia em que subiamos os dois sozinhos, ganhei coragem, fingi que me desiquilibrava para a frente e carreguei no stop. O senhor José (é este o seu nome) aguardou pacientemente, com o seu sorriso bonito, que eu voltasse a pôr o elevador a andar mas eu cheguei-me a ele, abracei-o pela cintura, beijei-o na face. Passado o primeiro momento de surpresa sem reacção, e, como eu não o largasse, abraçou-me também, envolveu-me nos seus braços e começou-me a beijar, os seus lábios tocaram os meus, a sua língua entrou na minha boca e eu sentia o meu pénis duro a querer rebentar com as calças. Ousei apalpar-lhe o rabo, meti a mão na frente para sentir a sua verga. Foi quando ouvimos vozes a falar que o elevador estava parado e batiam na porta. Naquele prédio são todos muito apressados, ninguém gosta de esperar. O Sr. José afastou-me, carregou no botão e o elevador parou no meu andar mas eu não saí. Acompanhei-o até ao oitavo andar, segui-o sem dizer palavra. Meteu a chave na porta, abriu-a e convidou-me a entrar apenas com o olhar e um gesto de cabeça e, mal a fechou, colei-me a ele, queria continuar a beijá-lo sem parar.

Foi-me conduzindo pelo corredor, entramos num quarto com uma cama grande e uma tv de plasma enorme na parede. Tirou-me o blusão e a camisola, eu sempre colado nele, murmurou que eu era lindo, deixei que se abaixasse para me lamber o peito e chupar os meus mamilos. Retirei-lhe os áculos, ele ajoelhou na minha frente, lambia a minha barriga enquanto me desapertava o cinto. Baixou-me as calças, levantei os pés para me livrar delas completamente, esfregava o seu rosto nas minhas cuecas, sentia-o a absorver o meu cheiro, a inebriar-se com ele. Lambeu as minhas coxas, voltava para as cuecas e eu já não aguentava mais, a minha pila estava dura como o aço e eu quase a explodir. Finalmente baixou-me as cuecas e o meu caralho ficou livre, teso e empinado ao máximo. Soltou uma exclamação de surpresa, não devia estar à espera que já fosse tão grande e bem grosso. E lambeu-o todo, e os ovinhos também. Empurrou-me para a cama, deitei-me de costas, com as pernas abertas e os pés a tocar o chão, ele de joelhos a mamar, a sugar o meu pau, as suas mãos sábias a percorrer o meu corpo, subiam até aos meus lábios, ao peito e aos mamilos, desciam até á verga e aos tomates, apalpavam-me as nádegas e as coxas e eu estava louco para ejacular. Mas ele sabia prolongar o acto e eu sentia o seu prazer de saborear aquele momento, mas, finalmente, concentrou-se apenas no meu pau. Uma mão apalpava o meu saco, os dedos mexiam os meus ovos, a outra fazia movimentos de vai e vem na minha verga, puxava a pele para deixar a cabeça rosadinha à mostra para a sua língua lamber e a sua boca quente chupar e sugar todo o meu leitinho. E o meu corpo estremeceu, explodiu, a minha cabeça ficou completamente atordoada e ele engoliu todo o meu esperma e ficou ali, a abraçar-me pela cintura, a sua cabeça deitada no meu ventre, a sentir o meu cheiro, a contemplar o meu pénis que começava a encolher.

Levantei-me, ele sentou-se na cama, olhou-me nos olhos, voltamo-nos a beijar na boca, desapertei-lhe os botões da camisa.Tinha um peito forte e macio, coberto de pêlos brancos. Mamei nos mamilos, despi-lhe a camisa e ele deitou-se para trás, de olhos fechados. Arranquei-lhe os sapatos, desapertei-lhe as calças e puxei-lhas pelas pernas abaixo, despi-lhe os boxers, deixei o velhote completamente nu. Ele tinha o corpo coberto de pêlos brancos, mas não muito grandes, mesmo os pentelhos também eram apenas um pouco maiores que os restantes. E ainda era muito bem constituído, os ombros largos, a cintura mais estreita, sem barriga, as pernas longas com umas coxas ainda fortes mas também muito macias e boas de apalpar. Ele fazia grandes caminhadas e frequentava o ginásio para se manter em forma. Chegamo-nos para o meio da cama, bem abraçados, pele com pele, língua com língua, quase pés com pés, sá que eu era um pouco mais baixo. Explorei todo o seu corpo com a minha língua. Tinha um pénis largo e gordo, com a cabeça completamente destapada e uma racha muito aberta, não muito comprido, mas muito fofo e delicioso para mamar. Os ovos eram grandes, dava para os pegar um a um e jogar com eles.

Virei-me de costas, encostei o meu buraquinho na sua piça, senti a pressão Â… oh quem me dera que me furasse Â… mas o pau dobrava e eu tentava outra vez e outra vez. Sentei-me nele, a cabeçorra no meu anus, mas nada, dobrava, partia. Era delicioso para lamber, chupar, mamar, mas nunca atingia aquela rigidez e dureza que o meu tinha. Segundo ele me explicou depois, o seu pau era bom para meter em mulher, mas não dava para furar o meu rabo virgem e apertadinho.

O Sr.José pegou um preservativo e enfiou-o no meu pau. Depois, com um dedo cheio de um creme qualquer, meteu-o no seu olho do cu e pôs-se de quatro. Eu, de joelhos, fui por trás, ele colocou-se à altura certa e com a mão guiava o meu caralho para entrar no seu buraco. A cabeça entrou rápido e ele gemeu alto, pediu para eu ir mais devagar. Obedeci aos seus comandos, fui avançado ao ritmo que ele queria, até a enterrar toda, todaÂ… e depois foi sá bombar, bombar e ouvi-lo gemer baixinho. Era bom demais e eu nem acreditava que um puto como eu estava a enrabar um cavalheiro tão distinto e respeitado! E estes pensamentos ainda me davam mais tesão e mais força na verga e, chegou uma altura que eu acho que perdi a consciência e socava, socava aquele cu com toda a forçaÂ… os gemidos do velhote pareciam muito longinquos, a minha cabeça flutuava e tudo terminou num grande climax, a minha esporra a ficar presa dentro do preservativo.

Estava todo transpirado, deixei-me cair na cama, exausto. O velhote veio, com muito carinho beijou o meu rosto, afagou-me os cabelos, retirou o preservativo da minha piça semi-rígida, deu-lhe um ná e atirou-o para o chão. Deitou-se ao contrário, ficamos na posição 69, o seu caralho gordo estava teso, a sua boca engoliu o meu, lambeu e chupou todos os vertígios de leite que tinham restado. Curioso como ele nunca queria porra no cu mas na boca adorava, engolia e lambia!

Depois deitou-se de costas e eu concentrei-me apenas no seu pénis. Com uma mão punheteava o mastro, com a outra manipulava o saco, jogava com as bolas, e com a boca chupava a cabeçorra, percorria-a toda com a língua. Não demorou muito para eu perceber que ele ia ejacular, pelo movimento dos ovos que pareciam me querer fugir, o mastro a tremerÂ… acelerei o vai e vem e o leite começou a jorrarÂ… muito, muita porraÂ… não fazia ideia que os velhotes largavam tanto esperma! Mesmo depois da explosão parecia uma torneira avariada e ia saindo sempre mais uma gotinha de leite (sá depois soube que havia muito tempo que ele não fodia, por isso tinha acumulado tanta porra). O tesão foi tão grande que eu práprio também expeli mais duas ou três gotas que o velhinho, atento, logo saboreou, mas eu não me atrevi a provar o dele.

Foram três meses maravilhosos. Ele tinha sido professor de matemática, agora na reforma, e, como eu era péssimo a matemática, apresentei-o aos meus pais como ele sendo meu explicador. Claro, os meus pais ficaram felizes porque, primeiro não pagariam nada, segundo eu não precisava sair do prédio e terceiro o senhor tinha um ar muito simpático e de pessoa de confiança, a quem se podia entregar um filho. E tinham toda a razão, o Sr. José cuidou muito bem de mim. Além das explicações de matemática, também me dava o seu cu as vezes que eu quizesse e à hora que me apetecesse. Passamos muitas tardes de sábado e domingo na sua grande cama, a foder e a ver filmes naquele plasma enorme.

Mas como tudo o que é bom tem que acabar, um dia o Sr. José, que era viúvo, foi embora, morar noutra cidade com uma das filhas que tinha acabado de se divorciar e precisava do pai para a ajudar a tomar conta dos seus três filhos adolescentes.

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


como fazer pra minha namorada veste shortinho curtorelatos eroticos forçadocontos gays sendo o viadinhos dos adultos que me humilhavamconto erotico sogra AlzheimerEstupro gay conto gay pedreiroContos eróticos gay meu amigo da bumda grande sempre deu o cueu e minha filha no baile funk contos eroticosdona redonda arreganhado o cuzaoponogafico morena25 gotojapai quero atencao contos eroticoscagando na cara contoeu e minha cunhada lesbica fizemos um bacanal com sua irma e mae incestoContos eroticos tristeza primeira vezcomeram meu cuzinho conto gayana roludo cenfo cu da coroawww.contos eroticos patroa trai marido dando cu pra manino novenho pauzodocontos eroticos pica grandeconto corno calcinhacontos gay me depilando e pego no flagracontos eroticos vizinha de camizola curtinhacontos putinha do matagalcontos eróticos comendo vizinha sueli coroaconto erotico gay viciei na porramorando sozinho com irman gostosa contocontos eroticos porno de pirralhas inocentesconto erotico pedi um desconto para o gerente e ele me encoxouhomen em purra seus ovos no cu de brunazoofilia mulher carente arruma um componheiro pra lir da prazerconto erótico esposa foi parar no hospital com a buceta sangrandoremedio para durmi contoseroticostia bate uma pro sobrinho contoscoroa gostosa se arrumando namorada em Pouso Alegretomates conto heteroSentir tezao por tênis feminino e normalentregador de gas bem dotado e sexy dominadorconto erótico com foto titio me rasgoucontos eróticos ele me pegoumulher enfiando chave de fenda no pênis do homem xvideosvvidos de muler co casoro. fudemoconto eroticos comendo a irma de perna quebradarelatos eróticos sexo com aluno especialcontos eroticos fomos enganados e fodidosconto flagrei minha irma dando e enrabeiconto erotico patricinha dando pra pobreesposa e amante volarao a filha drama pornocorno safada do Pará corto eróticoscontos porno obrigada engolir porra com muito nojocomtos eróticos de fazemdeira com animalmete essa picona do cu do meu maridinhocache:FPfKk_mm7mAJ:okinawa-ufa.ru/conto-categoria-mais-lidos_9_9_zoofilia.html contos eroticos depois daquela pica a buceta da minha esposa nunca mais foi a mesmachantagem com casal. que pediu carona contos eroticoeu estava raspada contos de esposa acanhadaContos eroticos com animaiscontoa eróticos de uma mulher dando pra dois home mmcontos eróticos de bebados e drogados gayscontos estava louco pra dar o cu acabei dandoContos porno minha namorada mi engañocontos eroticas uma rapidinha e um goso gostosogabriel o hetero proibido conto eroticos gayconvencir minha mulher zoofiliapai me comeContos d uma menina estrupada por taxistazoofilia negao comenorme pau deixando putia loucaestoria de cantos erotico minha tia sentou no meu colo e comi elaConto meu marido me devorou na madrugadacontos de gay que perdeu o cabaço na adolescênciacontos irma da o cu pro descolhecidopornô com magrinha dos peitinho duro e c****** empinadosexo porno safada do sitiotudo no cu