Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

EXTRAS NO DOMINGO

Click to Download this video!

Extras no domingo



Quem costuma ler meus contos deve lembrar-se do "Adolescente" quem ainda não leu procure ler e entenderá melhor esta fase de minha vida. No domingo quando fui fazer hora extra, meu patrão que há muito tempo vinha-me encoxando e falando que eu tinha uma bela bunda, redondinha e durinha, e que eu deveria aproveitar por que dar a bunda é muito gostoso, e com isso foi me deixando cada dia mais curioso. Acabamos não fazendo nada, ele foi muito delicado e paciencioso comigo, primeiro procurou deixar-me a vontade com a rola, ensinou-me a acaricia-la e a chupa-la a beber seu leitinho que na primeira vez quase vomitei, mas depois gostei e a sugava-a. Preparou-me muito bem quase não senti dor nenhuma, brincou muito com meu cuzinho, ate que eu já estava à vontade e não oferecia mais resistência. Eu me deliciava brincando com seu pau ele abria minhas nadegas, chupava o buraquinho enfiando a língua causando-me arrepios, lubrificou bastante meu cuzinho e enfiava um dedo, rodopiava fazendo uma gostosa massagem, deixando-me completamente alucinado, depois socava dois dedos, enquanto isso oferecia sua vara com a qual eu já estava à vontade, arregaçava e beijava a cabecinha, brincava com o pau e chupava seus grãos. Eu me retorcia de desejos e implorava para que ele enfiasse a verga no meu cu que não aguentava de fome, mas nada. Esfregou a vara no meu rego muitas vezes e gozou em minha bundinha melando-a, esfregou-a na entrada, mas não deixou entrar, sá alargou a entrada com os dedos e me deu muito leitinho. Apreciei e gostei de tudo que fizemos, fiquei viciado, sai de lá com o cuzinho ardendo e um pouco dolorido. Não via a hora de chegar à segunda feira para repetir a dose e quem sabe engolir a vara, mas, a semana passou e nada dele me procurar, eu já estava ficando com raiva dele, não podia vê-lo que meu cuzinho começava a piscar, eu o observava e imaginava o volume que ele carregava dentro daquele uniforme, tinha vontade de enfiar a mão tira-lo para fora e suga-lo, um calor corria meu corpo, mas ele nem ai comigo e eu a cada dia ficava mais excitado. Descarregava a minha excitação na hora do banho, enfiando os dedos e mais alguma coisa que fosse roliça, pepino cenoura etc. No sábado na hora de sair ele me chama e pediu que eu não se esquecesse de vir no domingo pela manha para atualizarmos a contabilidade. Quase desmaiei de alegria, confirmei balançando a cabeça e esperei a longa noite passar, quase não dormi revirando-me na cama e sonhando o que iriamos fazer. No domingo pela manha, tomei banho, lavei bem a bundinha e antes das nove horas, eu já o esperava, entramos e fomos direto ao mezanino, ele me abraçou e disse que não me procurou durante a semana para que o meu cuzinho tivesse um descanso, e que agora já deveria estar restabelecido, poderíamos então brincar a vontade. Nessa altura eu já estava peladinho e comecei a tirar a roupa dele para agarrar aquela vara dura que já me era familiar e me esperava, comecei a beija-la, a chupa-la com fúria ate sentir que derramava seu rico leitinho em minha garganta. Debrucei-me na escrivaninha e ofereci minha bundinha a ele que a abriu, beijou e chupou meu cuzinho provocando uma tremenda excitação. Enterrou um dedo, fui à loucura, depois dois, eu suava, rodopiou os, alargando meu cuzinho, deixou o buraquinho bem melado com saliva, lambi a cabeça daquela verga, e a direcionei para o lugar que devia estar, senti o calor da cabecinha a forçar meu cuzinho, fui de encontro a ela. Senti que forçava o buraquinho, a dor era gostosa, eu empurrava a bunda, Quinzinho me puxava, mas parecia não ter forças para enfia-la, comecei a rebolar tentando ajudar a entrada, mas, ele a tirou do meu cuzinho sem que ela tivesse encaixado corretamente a cabeça. Fiquei indignado, será que ele não quer mais o meu rabinho, o que estará acontecendo? Ao virar-me vejo que ele abre a gaveta e pega um tubo de gel volta com a ferramenta apontando para o teto, meu desejo naquela hora era agarrar aquele cacete e beija-lo, chupa-lo e devora-lo por inteiro na minha bunda. Ele lambuzou a verga e o meu reguinho enfiando o dedo e rodopiando o, meu cu piscava sem parar, depois foi sá apontar e o tiro foi certeiro, encostou, entrou e foi deslizando por todo o túnel já alargado. Quanto mais entrava mais eu arreganhava a bunda e rebolava ajeitando melhor a entrada daquela vara que agora procurava o meu interior. Comecei a chorar por ter agasalhado por inteiro o pau que estava me fazendo feliz, ele ficou preocupado pensando que tinha me machucado e quase tirou o pau do meu rabo. Quando eu disse que era de alegria enterrou de novo e começou um vai e vem gostoso, uma verdadeira massagem nas bordas do meu cuzinho e logo senti o despejar do leitinho no meu intestino esquentando tudo por dentro. Quinzinho estava eufárico, mal gozou tirou a ferramenta e eu a limpei com a minha boca e a esfregava no rosto, fiquei todo melado de porra, beijava-a, chupava-a, ele virou-me e começou a lamber meu cuzinho ainda babado e dizia que nunca tinha comido um rabinho guloso e apertadinho como o meu, enfiava o dedo e rodopiava me fazendo urrar de desejo, tirava o dedo e eu ia direto ao seu pau e o abocanhava, queria que ele estivesse sempre dentro de mim na boca ou no cuzinho. Ele estava completamente alucinado por ter o meu cuzinho a sua disposição era o que ele tanto queria e há muito tempo vinha me preparando para isso, eu por ter conseguido receber sua vara inteirinha e gostado do que senti. Ambos estávamos com muita vontade e nem bem terminava uma sessão começávamos outra com mais ingredientes e em outras posições. Lembro-me bem que adorei quando Quinzinho forrou a escrivaninha com a toalha de banho e pediu que eu deitasse de costas com as pernas fora da mesa, entrou no meio delas, ergueu-as colocou sob seus ombros, fiquei com o buraquinho na altura do seu cacete, engraxou-o, abraçou minhas coxas e posicionou a ferramenta de encontro ao meu orifício, encostou, puxou-me pelos ombros, deslizei de costas pela mesa, e meu cuzinho engoliu por inteiro aquela bela rola. Abracei-o com as minhas pernas e puxei de encontro ao meu rabo e procurei mantê-lo encostado e forçando a vara para dentro. Estávamos com tanta excitação que começávamos e logo gozavamos nem aproveitávamos a delicia de muitas bombadas, mas sem duvida essa para mim foi a melhor posição de dar o rabinho e ver a cara de gozo do parceiro. Descansamos um pouco, mas eu não largava da rola estava totalmente admirado com o prazer que aquela rola me dava, deitei-me no chão, fiquei de quatro com a cabeça rente ao piso e a bunda levantada e bem exposta, senti o peso do cacete em minha bunda e os grãos baterem na minha nadegas, ate despejar o leite quentinho dentro de mim. Estávamos exaustos suados e melados de porra, fomos nos lavar e ainda brincamos um pouco debaixo do chuveiro, deixamos o resto para o práximo fim de semana, e quando se tem vontade de dar a semana custa a passar, mas, depois eu conto mais.

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


contos baixinha popozudaContos eroticos interraciais no escritorosContos eroticos: desde novinho era afeminado louco pra da o cuconto buceta arreganhada de eguacontos eroticos abri uma cratera no cu da filha da minha primagozando pelo cu esposa propria porra contoconto sarado lua de mel dando bucetameu vizinho fica me olhando de shortcontos eroticos caguei no pau do meu padrinhoela tinha escondido dinheiro e chantajiei e comi elaconto erotico femino loira paty 2fingi que dormia pra ver ela meter contosHistorias de sexo de padrinho com afilhada casa dos contosconto erotico dei meu cu em um.lugar inuzitadominha sogra falou que tem dificuldade para gozargostosa de shorte mostrando as beiras da bucetaSexo no aterro do flamengoconto lesbica humilhei minha amigacontos casada estrupada pelo sindicoou porn contos mãe traindo com um negroandrossi Comi o c* da afilhada dormindo bêbada pornô pau bem grande no c* dela e ela nem senteSou casada eu e minhas filhas sendo fodidas contovideo de se eu pega ella arranco os cabeo dellaTennis zelenograd contoPirno gratis xvideos. real meu.marido tava.com 28cm gaysFoderam gente contos tennsdei para o amante da minha mulher contocontos eróticos arrumando macho para a esposameu priminho, meu putinh na infânciaContos tirando a virgindade com um desconhecido tarado onlineEdna A tia da minha esposa contos eroticosRealizei a fantasia do meu colega e eu virei cornopuxou minha calcinha de lado e meteu ate o talo na minha boceta contoscontos ainda bem novinha tiraram meu cabacinhoSou casada mas bebi porro de outra cara contosconto lesb freiras mamadascontos fui arrombada em casa pelo amigo meu filhoAtras da casaxvidiocontos gay o menino que era um femea escondidoconto erotico com filhinhacontos eroticos senhora do quadril largoquero ver no boa f*** de mulheres com shortinho todo enfiado no raboaposta conto eroticoconvenci meu pai a levar me com ele ao clube de swingers conto eroticoconto erotico policial beijou minha namoradaminha enteada inocente conto eroticocontos eroticos virei puta de travecocontos, abusada para o homem na praia de nudismocontos eróticos a enfermeira velhacontos - sobrinha tomando leiteconto erotico gay casado drogadocontos porno dei boa noite cinderela para meus pais e comi minha maeconto eróticos professor de biologiatinha perder sua coroa no seu pau do negrãocontos eroticos lesbicas cintaconto no mato espiando a filha tomar banho no riucontos eróticos faZer o que se comer titia é gostosoencaixando na buceta meladaminha novinha tarada contoNovinha Bebi porra do meu amigo contoContos eroticos .meti com sogrocontos eroticos comi minha vizinha a forcaele pega ela nos ombros pra chupar sua bucetadudududu pau no seu cu Peguei meu entiado masturbando com minha calcinha.conto eroticocontos erotico frentistacontos eroticossobrinha brincando com bonecaMe comeram ao lado do meu namoradoMeu irmaozinho caçula me te penetroucontos eroticos d zoofilia cine maxeu.tinha.cinco.anos.e.ja.dava.o.cu.pro.meu.primo.contos.prpibidos