Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

MINHA ESPOSA MINHA PUTINHA (7)

Click to this video!

Mais uma vez tivemos um papo cabeça, apás as orgias do fim-de-semana relatado nos dois contos anteriores. Alertamos para o casal Bela e Fred que ficaríamos sámente na amizade por um tempo, para que pudéssemos nos estabelecer no meio daquela loucura toda. Eles entenderam e continuamos a amizade que tínhamos feito com eles.

Passado uns dois meses tive que viajar á negácios e era coisa de ficar fora um mês.

Como havíamos o trato de nos comportarmos para até diminuir a falação no bairro, viajei tranquilo e todos os dias falava com a Clara pelo telefone. A viagem não foi nada boa e os resultados que esperávamos não aconteceram. Os clientes encerraram as negociações um dia antes e consegui vôo, antecipando a minha volta. No aeroporto tentei ligar para a Clara e dava –Fora de Área! Bem, cheguei em casa puto, cansado e me estressei mais ainda quando vi que a Clara não estava em casa. Eram por volta das 3 da tarde quando acordei do cochilo no sofá. Era um barulho de porta de carro batendo, e carro indo embora. Levantei e ali estava a Clara, de canga de praia, bronzeadissima e maravilhosa.

Maravilhosa e com uma cara de supreendida. – Nossa amor, chegou antes do previsto. Disse ela, mas como eu tava de mal humor, fui logo perguntando; Quem te deixou em casa? e com quem voce foi á praia?. Ela respondeu: - Calma amor. Era o pessoal da academia. Assim abriu a canga e mostrou quanto bronzeada estava. –Poxa fiquei sozinha aqui e resolvi ficar bonita para voce. Ela virou de costas e me mostrou aquele rabão bronzeado que tanto amo. Levei um susto enorme; ela havia feito uma tattoagem do tipo tribal acima do cáccix e era uma tattoagem grande. – Que porra é essa, amor?

Gostou? -Eu queria fazer e tava com tempo para isso e queira te fazer uma surpresa.-

Ela subiu então para um banho rápido e lanchamos. Ficamos batendo papo sobre a minha viagem e a minha ausência da casa. Enfim, colocamos os assuntos de marido e mulher em dia. Eu não me contive e tive que lhe perguntar pelo nosso pacto de bom comportamento. Mas antes de ela responder tocou o telefone e ela atendeu e depois de um minuto desligou. Ela disse que era a Bela que queria saber quando eu estaria de volta. O cansaço da longa viagem já estava me vencendo, mas lembrei que eu a tinha perguntado pelo pacto e novamente eu perguntei se ela havia se comportado. Senti nitidamente que ela estava me desconversando enquanto ela me levou para o quarto.

Ela tirou a minha roupa, deu uma chupadinha no meu pau e me mandou tomar uma chuveirada. Quando sai do chuveiro ela estava na cama, com as luzes baixas e parcialmente coberta pelo baby-doll. Deitei na cama pelado e ela começou a me fazer carinhos. Ela pegou meu pau e alisava sensualmente e começou a falar; - Bem quanto ao nosso pacto, preciso te dizer que não consegui cumprir! – Como assim? Perguntei.

-Bem, conheci um rapaz na praia. É amigo do pessoal da academia. Nisso meu pau ficou muito duro, embora eu estivesse puto da vida. – Ta e daí. O que rolou? – Bem amor, disse ela; - Transei duas vezes com ele. Apartir daí ela foi me contando como ela o havia conhecido, como foi a primeira transa deles e como tinha sido a ultima transa deles. Essa ultima foi num motel. Logo apás falar comigo pelo telefone, ela entrou no carro dele e foram fuder. Ele a levou em casa logo antes do meu telefonema do dia seguinte, assim treparam quase 24 horas. Nisso ela pegou a minha mão e a levou para a boceta dela. Novamente levo um baita susto; ela havia colocado um piercing no grelo. Perguntei porque isso e porque da tattoagem. Ela me respondeu; - Amor. Ele exigiu! Foi ai que comecei a ficar confuso; - Porra, voce atendeu uma exigência de alguém que voce nem conhece, ta maluca? Ou ta apaixionada? A Clara me tranquilizou dizendo não estava apaixionada mas que sentia um baita tesão nele. Como ele tinha exigido, ela atendeu e conseguiu fuder com ele. –Alem do mais, amor, o piercing no grelo me dá tesão o dia inteiro.

Nisso ela sentou no meu pau e começou a me cavalgar. Como eu não havia trepado e as punhetas foram poucas durante a viagem, acabei gozando logo. A minha putinha se acalmou e viu que eu tava puto ainda. Dormimos e fiquei remoendo o assunto o dia seguinte todo. Mal conseguia me concentrar durante o trabalho e o dia demorou a passar. Cheguei em casa e novamente fiquei chateado, dei de cara com a Clara que me recebeu na porta, nua, com marca de bikini, tattoagem e piercing no grelo. A marca de bikini era outra exigência do camarada que a tinha comido. Eu gostava dela sem a marquinha. Jantamos e para espairecer chamei a para uma passeio na orla marítima, onde a gente poderia tomar aqua de côco num daqueles quiosques. Ela topou e colocou um vestidinho solto, curto, uma sandália alta e mais nada. Coloquei um short e camiseta básica e chinelo. Chegamos e optamos por um quiosque mais discreto, de pouco movimento. Pedimos água de côco e começamos a conversar. Coloquei pra fora a minha chateação por ela não ter mantido o trato que tínhamos e ela se desculpou. Apartir daí o clima entre a gente melhorou e começamos a namorar. Ficamos ali uma hora ou duas. Os beijos viraram amassos e diversas vezes coloquei a mão na boceta melada da minha putinha. Havia pouca gente por perto e ai tive a idéia de extender a brincadeira. Pedi para a Clara pegar duas cervejas no balcão do quiosque mas era para ela se esticar bem para pegar as latas da mão do atendente. Tive visão completa do balcão, e estava na penumbra da iluminação do local. Assim que a Clara se esticou por cima do balcão o vestidinho dela subiu e dava para ver bem a bunda dela. Quem também viu foram dois garotos que estavam mais perto do quiosque do que eu, e melhor, de frente. Com certeza tinham visto até muito mais que eu, que estava meio de lado. A Clara voltou rindo e perguntou se eu tinha visto alguma coisa. – Vi a bunda, mas aqueles garotos viram mais. E ela disse; - Porra o atendente viu até a minha alma. A parte de cima do vestido ficou folgado e o cara foi á loucura olhando meus peitos. A Clara sentou de frente para os garotos e sentou com o tornozelo de uma perna em cima do joelho da outra. Assim os meninos tinham visão completa da boceta dela. Eles não paravam de olhar e a gente fingia que nem era com a gente. Os dois se levantaram e vieram com mais latinhas de cerveja e nos ofereceram. Eles perguntaram se a Clara era atriz ou algo parecido, e elogiaram a beleza dela. Rapidamente o assunto foi para o sexo e a Clara perguntou se eles não tinham namoradas e o que faziam sozinhos ali de noite. Conversamos de namoradas deles e claro a Clara perguntou se eles estavam em dia com o teste anti-hiv.

O papo ameno prosseguia e contaram que tinham terminado namoros quase no mesmo dia. Os dois não desgrudavam os olhos de cima da minha putinha e literalmente a devoravam com os olhos. A Clara se exibia como podia, e foi varias vezes até o balcão para pegar mais bebidas. Numa dessas eu falei para eles: - Ela é muito gostosa né? Os dois responderam rápido e em unissom; - Muito ! A Clara voltou para a mesa e de costas para o Vitor debruçou sobre a mesa para colocar as latas. O rapaz teve visão completa do cuzinho da minha mulher e pensei que ele ia enfartar. A Clara sentou e rindo perguntou para ele o que estava errado ! Ele sá engasgou e falou: - Nada não!

O outro rapaz, José, continuava a elogiar a beleza da Clara e se declarou apaixionado.

A Clara deu um sorriso e se disse encantada com os elogios. Olhou para mim como se pedisse consentimento e eu sorri para ela. Ela levantou e pegou o rapaz pela mão e foram para o parapeito que separa a varanda do quiosque da praia. Ali ela se agarrou com o menino e se beijaram longamente. Desceram a escada e eu fiquei conversando com o Vitor. Ele não acreditava que o amigo dele estava se dando bem com uma mulher tão maravilhosa. Eu o tranquilizei e falei que poderia ser que sobrasse alguma coisa para ele também. Depois de uns quinze minutos os dois voltaram e a Clara pegou um guardanapo de papel e colocou no assento e sentou do meu lado. O José sentou do lado dela com um sorriso de orelha á orelha. A Clara olhou para o Vitor e começou á rir; - Que cara mais de pidão é essa? Perguntou ela. Ai ela pegou o rapaz pela mão, tal ela havia feito com o José e o levou para debaixo da escada. O José me perguntou se eu não me importava com outros fudendo a minha mulher. –Claro que não. Respondi. – Ela merece, não é? –Quando voce tiver uma mulher tão maravilhosa assim é certo que ela vai fuder com outros e é bom voce deixar. Expliquei para ele. Os dois voltaram e o Vitor não parava de falar. A Clara sentou meio de lado no guardanapo e ai percebi que ela tinha dado o cuzinho para o rapaz. A Clara precisou fazer xixi e foi até o balcão e perguntou ao atendente se havia banheiro no quiosque. Ela fez sinal para nos que iria para a toilette atrás do quiosque e sumiu. Pouco depois voltou e sentou na mesma posição, de ladinho e voltamos a conversar mole com os meninos. Uns quinze minutos depois o José perguntou se não poderia ir lá com ela de novo. E lá se foram, dessa vez o Vitor foi junto e demoraram mais de meia hora. Tempo suficiente para eu ir duas vezes ao balcão pegar cerveja. O atendente me serviu e disse que aquela rodada era por conta da casa. Voltei para a mesa e esperei mais um pouco. Como não vinham resolvi ir até lá ver. Vi a pele bronzeada da minha putinha, através da penumbra da luz do poste, ela estava nua e de quatro na escada. O Vitor comia o cu da minha mulher e o amigo dela atolava o pau na boca dela. Cheguei na hora certa poque a Clara gozava e logo em seguida os meninos esporraram ela toda. Voltei para a mesa e esperei eles chegarem.

A Clara sentou novamente no guardanapo e os meninos se despediram, cada um com um beijo na boca da minha mulher. –Nossa que delicia. Disse ela. – Sinto me muito bem fudida. Ai ela me pediu para esperar um pouco porque iria ao banheiro de novo.

Dessa vez ela demorou mais de vinte minutos e voltou, ficou de pé e pediu para a gente ir para casa. Quando levantei percebi que ela tinha porra no cabelo e no pescoço.

Chegamos em casa e a Clara tirou o vestido antes de sair do carro, entrou em casa nuazinha e eu atrás, admirando a bela bunda da minha mulher. O salto alto a fazia rebolar mais ainda. Subimos as escadas e fomos para o quarto. Ali ela me contou que tinha adorado fuder com aqueles meninos, mas que o atendente a tinha comido melhor. Ela me contou que o cara tinha visto ela fodendo com o José na escada e que tinha ficado louco de tesão. Quando ela foi ao toalette, ele a seguiu e apenas mostrou o pau para ela, quando ela viu o tamanho, ela o chamou para dentro do banheirinho e chupou aquela piroca com gosto. Levantou e ficou de costas para ele oferecendo a boceta e o cu para ele escolher o buraco onde ele se satisfaria. Ela então me empurrou na cama para que eu deitasse e em seguida veio sentar no meu rosto. Esfregou a boceta e o cu na minha boca e pediu para eu ver o que os homens tinham feito com a putinha. Realmente a pele da boceta dela estava esfolada e vermelha, a porra não parava de sair. Ela então se concentrou em abrir o anus. Com as duas mãos ajudou, afastando as nádegas, em seguida jorrou um rio de porra quente para dentro da minha boca.- Toma aqui seu corno, porra de três homens estranhos que fuderam comigo hoje. Disse ela, ainda lhe lambia o grelo com o piercing e ela parecia que estava gozando. Engano meu, ela começou a urinar. –Ai amor, estou mijando, bebe essa porra toda, seu puto. Fiquei louco de tesão e me joguei por cima dela e a penetrei com força. Botei a mão no cabelo dela e tinha porra. Eu a fodia e lambia a porra que alguém tinha deixado no pescoço dela. Ela me xingava, e gozava no meu pau. Virei ela de quatro e meti no cu ardido dela.

De inicio ela protestou dizendo que já tinha dado muito o cu hoje. Nem quis saber. Estoquei com mais força ainda e acabei gozando gostoso naquele maravilhoso cu arrombado.

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


contos o pau do enteadocontos betinha vendo a irma sendo fodidaContos de cdzinha novinha de shortinho fino socadocabelos lisos ate na bunda de dar invejaconto novinha amigos do papaicontos eróticos de lésbicas masoquistasporno conto erotico depois de malhar fui fodida na academiaEstupro gay conto gay pedreiroconto de comi o cuzinho da minha neta com a pica grandecontos eróticos Cidinhacontos eroticos humilhadacontos velha sogra da cu"contos eroticos" duas cunhadasflogdosexo.compauloelizabethcontos eróticos de bebados e drogados gayscontos enfermeira casada e safadanovinha falou que ia pozcontos calcinhas de mamaebuceta virgem sendo chupada e descabaçada por coroas contosmagrinha com tatoo na bundacontos eroticos meu marido sempre soubeo lekinho putinha da turma conto eroticocontos heroticos gay meu tio de dezessete me comeu dormindo quando eu tinha oito anoscontos de lesbicas coroaspatroa dando a buceta pro vendedor ambulante contos eroticos contos erotico o coroa me fudeu em cima da sua lanchachupada buceta contoconto erotico mae se bronzeando a bunda pediu p filho passar bronseador no rabocontos eroticos me arromboumaisexo vidio de zoofilia com travestisconto erotico de entidas e gravidaconto eróticos estupro no orfanatoHistoria de contos de sexo vovo mamouconto esposa tiohttps://idlestates.ru/mobile/conto_5492_sonho-de-menino-q-se-torna-realidade.htmlTodos adorao meu cuzinho contos eróticoscontos eroticos pagando divida do filhocontos eroticos pego gostoso o meu filho gueiempregadinha contocontos de i****** f****** minha sobrinhaPuta merda!!!para!(conto teen gay)contos erotico ele quis ser corno e eu providencieicontos eróticos bucetas pequeninasesposa comvemceu maridu deixa. ela da para outro..comtos eroticosme fode com esse pintãodando desde pequeno contos eroticos gayschantageada e humilhada pela empregada negracontos gorda feiacontos comi minhas gemias zinhaszueiras mais gostosas e fogosas da bunda grande e pernas grossasconto erotico travesti passeano na pracacontos eroticos mulhersibha do papaiNamorada boqueteira contos caboneensinei meu sobrinho a bater punhetacontos linguada homemmulher de vertido con as pern.a reganhdacontos eroticos o tio safado e pintudominha cunhada uma p*** contos eróticostenho maior tesão pela minha tia velha contos eróticoscontos eróticos com faxineirawww.loiras traindo com negao contoscontos eroticos vestido colado e curtoSebastião, o vaqueiro que gostava de cavalgar 2gabriel o hetero proibido conto eroticos gaycasada que gosta de apanhar traindo porno contocontos completos quentes esfregando so pra judiar pedindo masMostre minha rola cabeçuda para o cone e falei que ia comer sua mulher quando eróticoscontos erotico dei o meu cu a forca pro caminhoneirocontos eróticos trai meu marido numa rapidinhacontos cunhada mora nos fundo de casacasei a força contoscontos eroticos de namorada fazendo sexo pelo celular com o namoradocontos eróticos frio chuvamulher casada e evangelica dando o cu,contos sexContos lambendo cu cagadofui arrombadacarlão socando ate as bolas no cu da vadia