Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

MINHA ESPOSA E 6 GARIMPEIROS

Click to this video!

Inventamos de viajar de carro. Eu e minha esposa. Ora eu dirigia, ora era ela. Seguíamos a caminho de Porto Velho, por uma estrada de terra ao lado do Rio Madeira. Tinham nos aconselhado a não cruzar o rio pela terceira ponte, porque justo essa ponte ia dar num garimpo que ficava numa clareira desmatada na floresta. Era um vilarejo cheio de problemas, de abusos sexuais e imoralidades de gente sem-vergonha. Foi o que nos disse uma senhora na cidadezinha anterior.

― Quer saber, é melhor evitar essa ponte ― eu disse. Minha esposa dirigia. ― Pega a quarta ponte, minha flor de maracujá, sá por precaução.

O Rio Madeira passava pela janela do carro me dando sonolência.

― Quer saber ― minha esposa disse ― aquela senhora parecia uma beata de igreja, dessas que cobrem o corpo do calcanhar até o pescoço pra fingir que são certinhas aos olhos do Senhor.

Eu ri do comentário. Ela estava indignada. Não suportava gente moralista.

― Essas beatas, meu bem, cobrem o corpo mas ficam com a boca de fora SABE PRA QUE?!! Pra chupar uns pau depois da celebração. Atrás do altar. O pau do pastor, do padre, o caralho do capeta... Ouve o que eu digo... ― Eu ri de novo. Cochilei um pouco depois.

Sonhei com o que a beata dissera.

Que o garimpo se limitava a uma vila de prostitutas e homens brutos que se enfiavam atrás de lascas de ouro nos buracos das minas improvisadas sá pra trepar com uma, duas, três, ou até cinco prostitutas de uma vez. Era um antro de orgia dos infernos. Então acordei.



Descobri que fiz besteira deixando minha esposa dirigir naquele trecho.

Acordei com a minha esposa gemendo um gemido sofrido e sufocado como se tivesse alguma coisa enchendo a boca. E tinha. Dois cacetes. Ela tinha pego justamente o caminho proibido.

Uns seis sujeitos a estupravam. Fiquei assustado e sem saber o que fazer. Tinha um casebre aqui e outro acolá. Bateias largadas no chão. Umas mulheres vestidas como vadias aqui outras acolá. Uma delas agachou ao lado do carro e mijou na terra com o mato roçando-lhe a vagina. Essa, me disse, vendo minha expressão de pavor diante do gang bang ao vivo que me doía na testa.

― É sua esposa?

― É. ― Respondi, atônito. Minha esposa parecia desvairada no êxtase de tantos cacetes.

― Você vai ter que pagar pelos seis. ― A prostituta me avisou.

― O que?

― Essa vadia aí ta fodendo com seis, vai ter de pagar porque prejudica o nosso rendimento, tá entendendo, corno? ― A prostituta riu mijando um jato que empoçava fazendo lama.

Não teve jeito. Minha esposa voltou toda arrombada pro carro. Toda roxa da pegada dos caras. E eu ainda tive de pagar praquela cafetina mijona o equivalente por a minha esposa ter trepado com os seis garimpeiros sujos naquele lugar primitivo...



Quando dirigíamos já longe dali, ela exibia um sorriso como eu nunca vira de tão feliz. E confessou ter adorado. Não ter resistido. A beata a deixara molhada ao falar em orgia dos infernos, homens brutos e vila de prostitutas... 'Parecia mais o paraíso', ela disse, 'e ninguém nunca saberá, bezinho, relaxa, você ainda podia ter comido aquela puta mijona e a gente até podia ter ficado mais tempo lá...'

A princípio, não respondi...

Mas enquanto eu dirigia, horas depois, já vendo as luzes da cidade de Porto Velho se aproximarem na distância, ela chupava o meu pau tão gostoso que minha mente clareou.

Eu gostei. Disse que na volta passaria por lá de novo. Com uma condição. Que ela mijasse pra eu ver. Eu tinha gostado de ver a puta mijando na terra até fazer lama, como um bicho selvagem, foi o que eu disse, e gostei mesmo mas... Agora não sei direito se naquela hora o meu pau ficou tão duro por vê-la mijando ou por ver minha esposa sendo enrabada com selvageria por aqueles seis garimpeiros. Tanto faz. Ia testar as duas coisas pra descobrir a origem do tesão. Sá de pensar... dei uma estocada do quadril pra cima que pegou no fundo da garganta dela, ela tossiu, babando na minha cueca, mudei a marcha, ela me chupava com o carro rodando a cento e vinte por hora na rodovia. A língua dela ia a duzentos por segundo na cabeça acesa do meu pimentão. --- [email protected]

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


conto erotico viadinho foi dormir no sitio e teve que vestir calcinhacontos eroticos arrombada pelo empregadocontos eróticos eu comi a secretária do meu painovinha transando pela primeira vez e goza muito de queixocontos eróticos dois garotos em dupla com novinha Minha mulher voltou bebada e sem calcinha em casa contoscasada do corno na praia contoConto porno eu queria entrar em casa, minha mae abriu a porta toda suada, chefe do meu painão acredito que dei o cu contos eróticosesposa seria bebada de biquini com o sogroconto minha mulher hemafroditabitei no cuzinho da minha enteada caçula dormindoenso botar po para mulher do corno contoscontos meu primo me estrupo quando tinha oito anoscontoseroticos rochasZooxoxotaconto gay hetero em exame de prostatanoiva orgia contoscontos/esposa na rola do meu amigocontos eroticos mae filhacontos eroticos acampamento pirenopolisContos eróticos com meias sujascontos/comi a mae e tirei o cabaco da filhavideo d gostosa se ensinuando na camapapai caminhoneiro conto eróticocontos eroticos de incesto selvagemsecretaria de cama a e mesa contos eróticos gang bangContos eroyicos fui castigada e mamae chupo minha bucetacontos de sexo no bar aii meti vaipeitinhos feito pera chupada pela amigacontos o pau do enteadoconto corno sondei ela tava debaixo delecontos safadezas com a tia casada inrrustidaconto sozinho com minha sogracontoseroticos cavermadando a buceta na maquina e quase morrendoa buceta de Qierçiacontos eroticos cegacontos eroticos comendo a velha horrosa dormindopais se esfregando na filha shortinho corcontos erotico sou cazada beti punheta pro meu amigo pornoconto clube de amamentacao de adultosconto meu irmconto erotico o viadinho de calcinha e shortinho estupradopeguei meu amigo f****** as tetas da minha esposa na cozinha contos eróticosguais sao as deusas da punhetamulher compra cachorro pra fudelafingi que estava dormindo e cimetam meu cucontos se caga na pica e gostaCasada viajando contosevy kethyn istinto ativoguado o cavalo tramza a rola dele fica detro da eguacontos novinhoContos minha sogra fas eu ser puta do sogro e tiosbanho com a tia velha contocontos sexo minha esposa nossa vizinha travesti novinhacontos porno chupetinho para um adultocontos eroticos gosto de levar piça no cu e porradaconto erotico.de novinha gosando com o paiconto erotico do garoto ricardo fodendo titiocontos eroiticos de gente que participou do d4swingcontos eroticospica grossa rasgando bucetaContos punheta na depilacaoconto de meu irmão comeu meu cu com uma grande pica e eu não aguentei de dorconto erotico com sogroconto - so cabia um dedinho na bucetinha delacontos eu e meu marido adoramos ir no cinema ver pornocontos eróticos a força na frente do.meuasgostosas ticoscontos porno de casada se insinuando para pedreirosconto de casada fudendo com outroconto erotico o viadinho de calcinha e shortinho estupradoencoxando coroa casada em Jundiai conto realcontos eroticos. esposo duvidou da esposaconto sendo p*** da empregadacontos com fotos flagrei meu marido com a viúva do vizinhoestrupei minha irmanzinha a força conti heroticiconto erotico foto mae que cu arrombado da senhorafudi as dua sobrinhas de nove e onze anos contoContos eróticos de gay comi o filho do amigo do meu paiconto de incesto de pastor estrupadocontos eroticos de lolitos com tios de amigosSubrinha sapeka adora usa ropinha provokante para da para mimcontos erotocos c amigos guays heteroContos eroticos... Cunhada usando um vestidinho curtoconto erotico sou uma tiá safadaajudei meus amigos com a mae contoai ai primo eu nunca eu vou me esquecer foi você que tirou minha virgindade da minha buceta no motel conto eróticocontoseroticos homemque gosta de cuspe,sebo de pau e mijocontor eroticos gay eu menino brincando com o negao