Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

PAPEI MAIS UM SOBRINHO

Click to this video!

Depois de alguns meses comendo o meu sobrinho tarado, o Jorginho, senti vontade de tirar o cabaço de um garoto pela primeira vez.



-- Que tal o meu irmão, o Serginho, ele sugeriu. Ele acaba de fazer 19 anos e ainda é cabaço. O professor de educação física fica em cima dele mas o Serginho faz cu doce e ainda não deu. Ele me disse que tem vontade.



Combinamos então que eu ia papar o Serginho aproveitando a festa de casamento da irmã mais velha deles, no hotel Quitandinha em Petrápolis.



Enquanto a festa rolava, levei os dois meninos para o meu quarto. Aí o Jorginho, muito sacana, disse:



-- Tio, o Serginho e eu fizemos uma aposta. Eu apostei que o seu pinto tem 32 cm de comprimento mas ele acha que isso é impossível. Mostra aí tio, pra ver quem ganha a aposta.



-- Tá bom mas primeiro vocês têm que ficar peladinhos.



Os dois meninos tiraram a roupa e fiquei impressionado com a beleza do mais novo, ainda mais bundudo que o irmão, um verdadeiro anjinho barroco, daqueles que os italianos chamam de putto, com razão. O que o Jorginho tem de capeta, o Serginho tem de angelical. Mas por trás daquela carinha de anjo eu saquei que tinha um putinho doido pra dar o rabo.



Quando eu tirei a roupa meu cacete, o Grossão, já tava duro e empinado. Jorginho já tá acostumado mas o irmão quase desmaia.



-- Nossa, tio, que piru grandão! Ai meu deus, perdi a aposta....



-- Não tem nada não, Serginho, o que é que tem perder a aposta?



-- É que a gente apostou que quem perdesse tinha que dar pra você tio... E eu tenho que manter minha palavra de honra... Mas eu tô com medo...



-- Não tenha medo não, Serginho, o Grossão não morde. Pergunta ao Jorginho, eles se gostam muito, vivem brincando umas brincadeiras muito gostosas, não é Jorginho?



-- É, Serginho, olha sá, ajoelha aqui comigo pra conhecer o Grossão mais de perto.



O safado convenceu o irmãozinho a se ajoelhar em frente do meu cacete e a "cumprimentar" o Grossão, segurando a vara gigantesca com a mãozinha.



-- Grossão, esse é o Serginho, seu novo amiguinho. Ele quer muito conhecer você mas ele tá com medo, afinal você é tão grande que assusta....



Fiz uma voz bem grossa, como se fosse o Grossão falando.



-- Não tenha medo não, guri, eu sou sangue bom. Tá vendo esse melzinho cuspindo do meu olho? É pra você. Lambe, neném, bota a boquinha no meu cabeção e lambe.



O Serginho não se fez de rogado. Caiu de boca no Grossão, lambendo o mel e se lambuzando todo. Tava na cara que a já tinha nascido safado que nem o irmão.



-- Puxa Grossão, como você é cabeçudo, ele disse. E seu corpo é tão grosso. O que é que são essas duas bolas cabeludas aqui embaixo?



-- É pra você mamar também, eu falei com a minha voz de Grossão. Divide com o teu irmão, cada um chupa uma bola, vai.



Me deliciei com as boquinhas dos meus sobrinhos mamando os meus culhões, e vi que daquele jeito ia acabar gozando. Mas eu queria esporrar dentro do cu do Serginho, depois de tê-lo descabaçado.



-- Olha, Serginho, deixa eu te mostrar a brincadeira que eu e o teu irmão mais gostamos de fazer. Jorginho, deita aqui na cama e abre as perninhas. Tá vendo o cuzinho do teu irmão? É a casinha do Grossão onde ele gosta de se esconder. Olha sá como eu esfrego o cabeção na entrada e a rosquinha se abre toda. Viu que lindeza? O cabeção entrou! Tá gostando, Jorginho?



-- Tô adorando. Ai Serginho você não imagina como é bom brincar de esconde-esconde com o Grossão. Você quer experimentar?



-- Quero sim! Vou deitar do seu lado e abrir as pernas também. Vem Grossão, vem se esconder na minha rosquinha.



-- Peraí, Serginho, primeiro deixa eu pegar um pote de vaselina ali no criado-mudo. Olha, tô passando a pomada no seu cuzinho, tá sentindo?



-- Ai dá um friozinho gostoso... Pra que que é isso hein?



-- É pro Grossão entrar mais fácil porque você ainda é cabaço.



-- O que é cabaço?



-- Quer dizer que você nunca deu o cu, mas o Grossão tá pronto pra tirar o teu cabacinho.



Encaixei o cabeção na entrada apertada daquela bunda carnuda, louco de tesão pelo menino ainda tão inocente mas já pronto pra ter seu cu transformado em xota.



-- Agora Serginho, respira fundo, relaxa, isso, sente o cabeção deslizar pelo teu anel, relaxa mais, respira, te entrega, dá o teu cabaço pro titio, dá.



-- Ai! Tá doendo...



-- Quer que tire?



-- Não, tá doendo sá um pouqinho, mas tá bom. Nossa que coisa enorme, tô sentindo o cabeção dentro de mim, ui ui.



A sensação daquele anelzinho de carne se abrindo como uma flor pra deixar o meu cacete passar, se descabaçando pétala por pétala para ser todo meu, me deixou ainda mais louco de tesão.



-- Ai Serginho tu é gostoso demais, meu neném, o Grossão tá adorando se esconder dentro de você. Jorginho, passa mais vaselina, vai, ajuda o titio.



O irmão mais velho, bem safado, já estava entre as minhas coxas chupando os meus ovos e lambuzando o cu do irmão pra facilitar minha penetração.



Pouco a pouco, milímetro por milímetro, a vara grossa e gigantesca foi entrando, arrombando o esfíncter do menino que ronronava e gemia de prazer.



-- Tá tudo dentro, tio?



-- Bota as mãozinhas pra trás que tu vai sentir.



Serginho passou as mãos entre nossos corpos suados e encontrou mais de um plamo de caralho pra fora do cu dele, esperando pra entrar.



-- Ai meu deus, eu vou morrer, é caralho demais pra um menino sá...



-- Quando eu meter tudo tu vai morrer e vai pro céu. Vou te foder tão gostoso que tu nunca mais vai querer outra coisa que não seja uma pica bem grossa, menino.



E assim foi. Meti tudo, até meus culhões pesados esmagarem os ovinhos dele, e meus pentelhos arranharem a pele branca e lisinha daquela bunda angelical.



E aí puxei o Grossão pra fora, devagar, parecendo uma locomotiva negra saindo do túnel, até o cabeção aflorar entre os lábios inchados do cu, pulando pra fora com um PLOP!



-- Ai tio, tô me sentindo tão vazio... Bota de novo!



Meti o Grossão de volta, desta vez de uma sá estocada, até o talo, batendo o cabeção no fundo com toda força.



-- Ai! Assim dái!



-- Dái mas tu gosta, cabritinho. Teu cu virou buceta, minha cadelinha, e tu vai fazer o teu macho gozar e te encher de esporra!



-- Ai tio, me fode! Fode a tua cachorrinha, fode!



Taí, mais um sobrinho tarado por pica... Peguei um ritmo legal, meu saco batendo forte na bunda dele a cada estocada, e logo senti a porra ferver nos culhões.



Abracei o Serginho bem apertado, senão a força do primeiro jato teria jogado ele longe. Nunca tinha esporrado com tanta violência, uma saraivada de leite quente lá no fundo daquele machinho lindo.



Quando tirei o Grossão tava mais duro do que nunca e foi a vez do Jorginho ganhar pica.



Quando voltamos para a festa de casamento, meus sobrinhos levavam os cus cheios de porra, felizes como pintos no lixo.















VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


contos eroticos gays viagem de ferias para fazenda com dotadocontos eroticos enfermeirascontoseroticos primos e a sua primanamorado domado contos eróticosconto adoro um cu de gordacontos eroticos marido foi trabalhar e meu sobrinho me pegou no banhofotonega pornocontos eroticos de advogadas coroasconto porno eu ja lanbi e comi mulher mestruadatirei a virgindade das priminhas inocenti contos eroticosGozou dentro contos eroticoscontos comendo a bucetinha da titiacontos eroticos lutasminha sogra usando lycraboqueteira gaucha contoconto fui abusado pelo tio da van gay    peitos da prima pulando fora da blusa no sexopeguei minha sigra dormindo sem calcinha e meti a pica nelacomi minha filha no carro contorabinho da filha da vizinha com doze anos loca pra fude contos eroticosegua.ficou com a buceta meladaabusada pelo filho contoContos comi a mulher de amigo bebadaconto de enteadacontos eroticos gay meu tio de dezessete anos me comeu dormindo quando eu tinha oito anosporno mamei tanto o peitinho q inchouconto erotico de casal fazendo as pazesconto erotico emcochando um travesti e fudendo a força em onnibusconto erótico somos meio nudistasconto minha enteada dormiu com a bunha pra cimacontos-gays fui arrombado por um bombeiro no motelcontos de gay passivo dando pro machoconto gay fodi o namorado da minha irmacontos eroticos casada visitando a fazendacontos suruba inesperada com a esposa e travestiContos eroticos mae ve genro urinandocontos casada foi espiar e se deu malRabuda negra sendo enrabada em pe conto eroticomegane inesquecivel com duas gatas pornodoidoas gostosas passando bronzeador no seu corpinho nadacontos travesti e mulher casada juntas dando o cu pra homem e o cãoo sobrinho contoscontos de coroa com novinhocontos sexo meu irmao rasgou o meu cuporno contos me vinguei da minha sogra com um cavaloReatos eroticos quando eu era uma moça meu tio me penetrou com forçaconto erótico comendo o passivo de calcinhacachoro da familia gozando detro da buseta da mulheContos eróticos linguada safadominha mulher e travesti contos eroticosporno babalu pede pra não gozar antes do tempominha tia atendeu a porta sem calcinha contos eroticosminhas duas mulheres esposa e cunhada na fazenda contos eroticosComo chupar o pau do seu primo sem que ele conte para os pais eu agora eu sou mulher do meu ex primo viuvo conto eroticocontos eu tenho um bar e dei o cu pro meu freguês contos erroticos garroto comeu minha mulher dormindoContos punheta na depilacaoPorno maes pais iniciando suas ninfetinhas no incesto contosContoseroticosdesolteirascontos eróticos minha tia min da banhoContos eroticos amadores dividi minha esposa com meu patrão do sítio que moramoschantageei e comi a secretariapornô doido a tia convencia sobrinha a chupalacontos eroticos com coroa mulher d meu amigocontos eroticos meu amiguinho me encoxouconto gay camisolinhacontos eroticos gays excitantesconto transei com meu pai na despedida de solteiraconto a rainha dos biquinis